Francis Galton

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Francis Galton
Conhecido(a) por Eugenia
Nascimento 16 de fevereiro de 1822
Birmingham
Morte 17 de janeiro de 1911 (88 anos)
Haslemere
Nacionalidade Inglaterra Inglês
Alma mater King's College de Londres, Universidade de Cambridge
Prêmios Medalha Real (1886), Medalha Darwin-Wallace (1908), Medalha Copley (1910)
Orientador(es) William Hopkins
Orientado(s) Karl Pearson
Instituições Meteorological Council, Sociedade Geográfica Real (Reino Unido)
Campo(s) Antropologia

Francis Galton (Birmingham, 16 de fevereiro de 1822Haslemere, Surrey, 17 de janeiro de 1911) foi um antropólogo, meteorologista, matemático e estatístico inglês.

Galton era o mais novo de nove filhos de um próspero banqueiro, nasceu em uma família socialmente abastada. Aos 16 anos, começou a aprender medicina, mas interessou-se pela matemática, formando-se nesta. Depois voltou a estudar medicina até à morte do seu pai, decidindo então por viajar e estudar parte da África. Voltando, escreveu muito a respeito de suas viagens, fez muito sucesso por isso, mas deixou de viajar quando se casou. Deu atenção a meteorologia, criando instrumentos e mapas aperfeiçoados e usados até hoje.

Galton produziu mais de 340 artigos e livros em toda sua vida envolvendo a distribuição geográfica da beleza, a moda, as impressões digitais, a eficácia da oração religiosa e o levantamento de peso. Também criou o conceito estatístico de correlação, a amplamente promovida regressão em direção à média e várias invenções como um periscópio, um dispositivo para abrir cadeados e uma versão inicial da impressora de teletipo. Ele foi o primeiro a aplicar métodos estatísticos para o estudo das diferenças e herança humanas de inteligência, e introduziu a utilização de questionários e pesquisas para coletar dados sobre as comunidades humanas, o que ele precisava para obras genealógicas e biográficas e para os seus estudos antropométricos. Como pesquisador da mente humana, fundou a psicometria (a ciência da medição faculdades mentais) e a psicologia diferencial.

Era primo de Charles Darwin e, baseado em sua obra, criou o conceito de "eugenia" que seria a melhora de uma determinada espécie através da seleção artificial. O primeiro livro importante para o pensamento de Galton foi Hereditary Genius (1869). A sua tese afirmava que um homem notável teria filhos notáveis.

O termo eugenia passa a ser cunhado apenas em 1883 na obra Inquiries into Human Faculty and Its Development. As conclusões de Galton sobre a hereditariedade e os chamados "bem nascidos" devem ser observadas pelo conhecimento científico no século XIX. Por isso, os estudos que tratam de Galton e a eugenia procuraram diferenciar aquilo que é proposto pelo cientista inglês em sua época e as diferentes formas políticas e sociais de como a noção de "eugenia" foi interpretada em lugares distintos.[1]

Galton acreditava que a "raça" humana poderia ser melhorada caso fossem evitados "cruzamentos indesejáveis" oque acompanhava o sentido racista da eminente burguesia europeia da época. Isto porque se aproveitava das condições desumanas em países explorados por países europeus onde fez suas viagens para comparar as capacidades de um burguês com um camponês analfabeto levando ao pensamento orgulhoso e odioso que promoveu a eugenia que persiste até hoje em segregar pessoas em fundamentos racistas. O desenvolvimentos de testes de inteligência para selecionar homens e mulheres brilhantes, destinados à reprodução seletiva são obras de Fracis Galton em caráter de promover estes ideais para reafirmar o senso de superioridade eurocêntrico e como propaganda deturpar as possibilidades de enfraquecimento da comunidade branca europeia contra imigrantes. Esta ideologia teve papel fundamental na formação do Fascismo e nazismo como paralelos do ultranacionalismo e afins.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

  • Francis Galton (em inglês) no Find a Grave
  • Geraldo Salgado Neto (2011). «Sir Francis Galton e os extremos superiores da curva normal» (pdf). Revista de ciências humanas. 45 (1): 223-239 
  • CARVALHO, Leonardo Dallacqua de. A eugenia no humor da Revista Ilustrada Careta: raça e cor no Governo Provisório (1930-1934). 2014. 315 f. Dissertação (Mestrado em História). – Faculdade de Ciências e Letras, Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, Assis, 2014.[2]
  • YAHYA, Harun. Fascism: The Bloody Ideology of Darwinism : Fascism Continues to Pose a Threat to the World in the 21st Century. 2002.[3]

Bibliografia

Precedido por
David Edward Hughes e Ray Lankester
Medalha Real
1886
com Peter Guthrie Tait
Sucedido por
Alexander Ross Clarke e Henry Nottidge Moseley
Precedido por
George William Hill
Medalha Copley
1910
Sucedido por
George Darwin


Ícone de esboço Este artigo sobre um(a) cientista é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
Ícone de esboço Este artigo sobre evolução é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.