Francisco Acuña de Figueroa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Francisco Acuña de Figueroa
Nome nativo Francisco Acuña de Figueroa
Nascimento 3 de setembro de 1791
Montevidéu
Morte 6 de outubro de 1864 (73 anos)
Montevidéu
Cidadania Uruguai
Ocupação poeta, escritor

Francisco Esteban Acuña de Figueroa (Montevidéu, 3 de setembro de 17916 de outubro de 1862) foi um escritor uruguaio.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Nascido em Montevidéu em 3 de setembro de 1791, era filho do tesoureiro da Real Hacienda Jacinto Acuña de Figueroa. Pela posição de seu pai faz seus primeiros estudos no Convento de San Bernardino, e os termina em Buenos Aires no Real Colegio de San Carlos, de onde voltou em 1810. Com seus 25 anos de idade, se exilaria na Corte portuguesa do Rio de Janeiro aonde desempenhou funções diplomáticas para a Espanha. Pelo contrario seu pai permanece em Montevideo aonde é confirmado ao seus cargos pelo novo governo dada a sua capacidade para o cargo.

Retorna a Montevideo em 1818, depois da caida de José Artígas, ao ficar a cidade baixo dominio português, e já permanesse ali. Ademais do seu trabalho literario, ocupa os cargos de tesoreiro do estado, membro da Comisión de censora de las obras teatrales (em 1846) e diretor da biblioteca e do Museu público.

Obras[editar | editar código-fonte]

É autor do hino nacional do Uruguai e o hino nacional do Paraguai. Possui ademais uma extensa obra literária, recompilada por ele mesmo em 1848 e publicada em 1890, em 12 volumes, sob o título de Obras Completas, esta composta por diversos poemas, relatos, etc.

Uma antologia de seus poemas foi publicada em 1965 na coleçao de Clasicos Uruguayos da Biblioteca Artigas.

Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.