Francisco Antonio Pinto

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Francisco Antonio Pinto
2.º Presidente do Chile
Período 8 de maio de 1827
a 16 de julho de 1829
Antecessor(a) Ramón Freire
Sucessor(a) Francisco Ramón Vicuña Larraín
Período 19 de outubro de 1829
a 2 de novembro de 1829
Vice-presidente Joaquín Vicuña
Antecessor(a) Francisco Ramón Vicuña
Sucessor(a) Francisco Ramón Vicuña
Dados pessoais
Nascimento 23 de julho de 1785
Santiago, Capitania-Geral do Chile
Morte 28 de julho de 1853 (72 anos)
Santiago, Chile
Cônjuge Luisa Garmendia
Partido Pipiolos (1823-1849)
Liberal (1849-1853)

Francisco Antonio Pinto Díaz. (Santiago, 23 de julho de 1785 — Santiago, 18 de julho de 1858) foi um militar e político liberal chileno, presidente do Chile entre 1827 e 1829.[1]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Pinto Díaz foi filho de Joaquín Fernández Pinto, natural da Espanha, e de Mercedes Díaz. Estudou humanidades no Convictorio Carolino, ode fez amizade com vários dos futuros membro do processo de independência. Posteriormente cursou Direito na Universidade Real de San Felipe, formando-se como advogado em 11 de outubro de 1808. Paralelamente seguiu carreira militar, sendo em 1807 oficial no regimento real. Foi instrutor de recrutas no acampamento de Las Lomas.

Durante o processo de Independência do Chile se associou ao grupo patriota, mas não como soldado e sim diplomata, sendo representante do Chile perante a Junta de Buenos Aires em 1811. Em 1813 foi enviado a Inglaterra. Conheceu Manuel Belgrano, com o regresso a América, combatendo na campanha de Alto Peru. Em 1820 regressou ao Chile com o posto de Coronel e casado con Luisa Garmendia.

Participou na Expedição Libertadora do Peru sob as ordens de José de San Martín. Regressou em 1824 com o posto de Brigadeiro.

Em 12 de julho desse mesmo ano foi nomeado Ministro do Interior e das Relações Exteriores, exercendo a função até 22 de Fevereiro de 1825. Ao abandonar o ministério, foi designado Ministro de Coquimbo.

Em 13 de fevereiro de 1827 foi eleito vice-presidente da república, sendo presidente Ramón Freire. Depois da renúncia deste em 5 de Maio, Pinto assumiu o governo do Chile.

Durante seu governo promulgou-se a Constituição de 1828. Reeleito presidente, renunciou ao seu cargo. A disputa pela legitimidade do vice-presidente que incitou a revolução conservadora de 1829.

Depois da vitória dos conservadores, viu-se afastado da política e seus privilégios de General de Divisão foram retirados. Depois do casamento de sua filha Enriqueta com o general Manuel Bulnes, este o reintegrou ao exército, nomeando-lhe Conselheiro de Estado.

Em 1846 foi eleito Senador, reelegeu-se em 1855, alcançando a presidência do Senado.

Faleceu em Santiago em 18 de julho de 1858.

Seu filho Anibal Pinto Garmendia também foi presidente da república durante os anos de 1876 e 1881.

Precedido por
Mariano Egaña
Ministro do Interior e das Relações exteriores
1824-1825
Sucedido por
Joaquín Campino Salamanca
Precedido por
Ramón Freire
Vice-presidente do Chile
1827-1829
Sucedido por
Francisco Ramón Vicuña Larraín
Precedido por
Francisco Ramón Vicuña Larraín
Presidente do Chile
1827-1829
Sucedido por
Francisco Ramón Vicuña Larraín
Precedido por
José Miguel Irarrázaval
Presidente do Senado do Chile
1847-1849
Sucedido por
Diego José Benavente
Ícone de esboço Este artigo sobre um político é um esboço relacionado ao Projeto Biografias de Políticos. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
  1. «Francisco Antonio Pinto (1785-1858) - Memoria Chilena, Biblioteca Nacional de Chile». www.memoriachilena.gob.cl. Consultado em 4 de setembro de 2021