Francisco Benjamin Fonseca de Carvalho

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Wikitext.svg
Esta página ou seção precisa ser wikificada (desde fevereiro de 2012).
Por favor ajude a formatar esta página de acordo com as diretrizes estabelecidas.
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde fevereiro de 2012). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Francisco Benjamin Fonseca de Carvalho (Aracaju, 11 de abril de 1938Salvador, 11 de setembro de 2014) foi um advogado, promotor de justiça e político brasileiro sergipano radicado na Bahia.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Filho de Benjamin Alves de Carvalho e Hortênsia Rollemberg Fonseca de Carvalho, é bacharel em Direito pela Universidade do Estado da Guanabara (UEG, atual UERJ) onde se formou em 1961. Sergipano, fez os cursos primário e secundário nos colégios Salvador e Estadual de Sergipe. Aos 10 anos, saudou na campanha presidencial de então os candidatos Brigadeiro Eduardo Gomes e Odilon Braga.

Já morando na Bahia ingressou nos estudos jurídicos na Faculdade de Direito da Bahia onde ganhou por dois anos o Prêmio Orlando Gomes de melhor orador. Participou na faculdade de Direito da política estudantil, tendo sido eleito para cargos no diretório estudantil. Ainda estudante, foi nomeado Oficial de Gabinete do então governador Juracy Magalhães. Foi promotor público substituto no município sergipano de Riachão do Dantas e foi também diretor da Rio Real Agropecuária e superintendente regional do Banco Industrial Campina Grande.

Na Bahia, foi promotor em Salvador e procurador do Estado da Bahia no Estado da Guanabara no início dos anos 1960. Filiado à União Democrática Nacional (UDN) foi eleito deputado estadual em 1962 e reeleito pela Aliança Renovadora Nacional (ARENA) em 1966. Licenciou-se do cargo ao ser nomeado secretário estadual de Transportes do governo Luís Viana Filho (1967-1971).

Eleito deputado federal em 1978 optou pelo ingresso no Partido Democrático Social (PDS) após o fim do bipartidarismo e se reelegeu pela legenda em 1982. Quatro anos depois, conquistou novo mandato na Câmara dos Deputados pelo Partido da Frente Liberal (PFL). Em 1990, foi eleito primeiro suplente do senador Josaphat Marinho chegando a ser convocado para o exercício do mandato e depois foi reeleito novamente suplente do senador Paulo Souto em 1998.

Foi fundador e presidente do PFL no Estado da Bahia de 1986 a 2005. Na Assembleia Legislativa do Estado da Bahia presidiu as comissões de Constituição e Justiça em 1964 e a comissão especial de Reforma Judiciária do Estado em 1963. Presidiu também a comissão especial do Código do Ministério Publico do Estado da Bahia em 1963 e relatou a Divisão Territorial do Estado da Bahia em 1964. Foi relator do Orçamento da Secretaria de Viação e Obras Publicas do Estado da Bahia.

Na Câmara dos Deputados exerceu as seguintes funções: membro titular das comissões de Constituição e Justiça e de Relações Exteriores. Durante a Assembleia Nacional Constituinte, foi membro titular da Comissão de Sistematização, responsável por aglutinar todos os projetos das demais comissões formadas e escrever o texto da Constituição Federal de 1988. Francisco Benjamin foi vice-líder do Governo Federal durante a liderança do deputado Nelson Marchesan e presidiu a CPI da Petrobras em 1980.

Como secretário de Transportes da Bahia, participou das obras do ferry-boat Salvador-Itaparica, criou o Consórcio Rodoviário Intermunicipal do Estado da Bahia (estradas vicinais), construiu a BR-242 ligando a BR-101 a Barreiras, construiu o trevo Mario Leal Ferreira, a Avenida Suburbana e a Av de Contorno (trecho Gamboa-Praça Reis Católicos), todas em Salvador. Benjamin também organizou o Plano de Telecomunicações do Estado da Bahia e realizou o estudo de viabilidade da BR-101 - trecho Ubaitaba-Santo Antonio de Jesus.

Entre uma série de missões parlamentares ao exterior que participou ao longo dos seus mandatos como deputado, destaca-se a visita à África do Sul em 1988, ao lado do também deputado federal Bernardo Cabral (PMDB-AM) quando da libertação de Nelson Mandela. Além da carreira política, Benjamin produziu o filme 'O Patriarca da Esperança', que conta a história da vida de seu pai Benjamim Alves de Carvalho e sua família.

Casado com Marcia Franco de Carvalho, teve quatro filhos: Benjamim Alves de Carvalho Neto, Ricardo Franco de Carvalho, Alexandre Franco de Carvalho e Francisco Benjamim Fonseca de Carvalho Filho.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]