Francisco Gonçalves Carneiro

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book.svg
Este artigo ou secção não cita fontes confiáveis e independentes (desde agosto de 2018). Ajude a inserir referências.
O conteúdo não verificável pode ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Francisco Gonçalves Carneiro (Chaves, 20 de Julho de 1915), filho de Francisco Gonçalves Carneiro e de Maria Adelaide Alves Carneiro, foi um advogado, museólogo e escritor português.

Fez os estudos secundários no Colégio de Lamego, Liceu de Chaves e Vila Real, onde foi Director do «O Académico». Matriculou-se na faculdade de Direito da Universidade de Coimbra que frequentou até ao II ano e assumiu a presidência da Direcção do Orfeon Académico de Coimbra, tendo concluído os III, IV, e V anos na faculdade de Direito da Universidade de Lisboa, onde se licenciou a 20 de Julho de 1939. Exerceu advocacia em Chaves até ao seu falecimento em 1975.

Homem de cultura e interessado por assuntos de História e Arqueologia, publicou alguns livros de história local e contos. Dedicou particular atenção à instalação e organização do Museu da Região Flaviense, sendo homenageado a titulo póstumo com uma lápide evocativa da sua obra. Foi atribuído também o seu nome a uma escola flaviense.


Livros[editar | editar código-fonte]

  • Chaves cidade heróica, Editora Pax, Braga 1978.
  • A Igreja de Santa Maria Maior, Editora Pax, Braga 1974.
  • Malícia de amor, Contos Sentimentais da Editorial Nobel, Março 1945.

Ver também[editar | editar código-fonte]