Francisco I. Madero

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Francisco I. Madero
37º Presidente do México México
Mandato 6 de novembro de 1911
a 19 de fevereiro de 1913
Antecessor(a) Francisco León de la Barra
Sucessor(a) Pedro Lascuráin Paredes
Vida
Nome completo Francisco I. Madero González
Nascimento 23 de Outubro de 1873
Parras de la Fuente, Coahuila
Nacionalidade México mexicana
Dados pessoais
Partido Antirreeleicionista
Religião Espírita
Profissão Empresário

Francisco Ignacio Madero González (Parras, Coahuila, 23 de outubro de 1873Cidade do México, 22 de fevereiro de 1913) foi um latifundiário e político mexicano.

Eleito presidente do México após a Revolução Mexicana de 1910. Foi morto durante um golpe de estado organizado pelo secretário da Guerra e Marinha pelo embaixador norte-americano no México. Ao longo dos anos muito se tem especulado sobre qual o significado de "I.", segundo nome de Madero. Para alguns autores significa Ignacio enquanto que para outros será Indalecio. É possível que originalmente fosse Ignacio e que, ao assumir determinadas posições políticas e religiosas, para que não fosse relacionado com os jesuítas (note-se que fez os estudos primários num colégio jesuíta), tivesse mudado o seu segundo nome para Indalecio. No entanto, na sua acta de nascimento consta o nome Ignacio.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Francisco Madero nasceu numa família abastada de origem portuguesa no município de Parras de la Fuente, estado de Coahuila, em 30 de Outubro de 1873. Foram seus pais, Francisco Madero Hernández e Mercedes González Treviño.

Durante a sua juventude estudou comércio e agricultura em Maryland, Versalhes, Paris e na Universidade da Califórnia em Berkeley. Regressaria ao México para casar-se com Sara Pérez em 1903 e em 1909 fundou o Partido Nacional Antirreeleicionista para derrubar Porfírio Díaz, que ocupava o cargo de presidente quase ininterruptamente desde 1877. Foi este mesmo partido que o nomeou como candidato à presidência da república, e após alcançar grande popularidade, o governo decidiu prendê-lo em San Luis Potosí, sob as acusações de rebelião e ultraje às autoridades. Conseguiu fugir para os Estados Unidos donde publicaria o Plano de San Luis, um apelo às armas que provocou a renúncia de Porfírio Díaz em 1911, e uma guerra civil que duraria perto de uma década e custaria a vida a mais de um milhão de mexicanos.

Durante a sua administração, Madero caracterizou-se por liderar um governo democrático mas pouco identificado com as classes mais desfavorecidas, o que provocaria vários levantamentos armados de entre os quais se destaca o protagonizado por Emiliano Zapata. Para combater estes levantamentos nomeou o general Victoriano Huerta, que em 1913 conspirou com Félix Díaz (sobrinho de Porfírio Díaz) e com Henry Lane Wilson (embaixador dos Estados Unidos no México) para derrubar Madero, num golpe de estado. Em 22 de Fevereiro de 1913, depois de ter sido obrigado a assinar a sua renúncia e apesar da promessa dos golpistas de pouparem a sua vida e permitirem o seu exílio em Cuba, Madero e o vice-presidente Pino Suárez foram executados na penitenciária da Cidade do México.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Precedido por
Francisco León de la Barra
Presidente do México
6 de Novembro de 1911 - 19 de Fevereiro de 1913
Sucedido por
Pedro Lascuráin Paredes