Francisco Lopes Chaves, 2.º barão de Santa Branca

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Se procura pelo 1.º barão de Santa Branca, veja Francisco Lopes Chaves.
Francisco Lopes Chaves, 2.º barão de Santa Branca
Morte 1902
Cidadania Brasil

Francisco Lopes Chaves, 2.º barão de Santa Branca, (Jacareí, 9 de novembro de 1838Jacareí, 10 de julho de 1902), foi um nobre e político do Império do Brasil.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Filho do Comendador Francisco Lopes Chaves, 1.º barão de Santa Branca, e de Gertrudes de Carvalho Lopes Chaves, foi militante do Partido Conservador, pelo qual se elegeu vereador por duas legislaturas. Também foi nomeado Delegado de Polícia em 1886 e inspetor de Instrução Pública em 1887.

Ainda em 1887, como proprietário da fazenda "Jaguary", concedeu a alforria incondicional a todos os seus 96 escravos, sendo o primeiro proprietário no município a libertar seus escravos.[carece de fontes?]

Foi, também, diretor da Companhia Industrial de Jacareí e Provedor da Santa Casa de Misericórdia nos períodos de 1876 a 1878, 1883 a 1884 e 1887 a 1902 , para a qual deixou em testamento dez ações da Companhia de Luz Elétrica Jacareiense, no valor de 100$000 (cem mil réis) cada uma.

O título de 2.º barão de Santa Branca lhe foi concedido pela Princesa Imperial Regente, Dona Isabel, em 20 de fevereiro de 1888.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]