Francisco Mauro Salzano

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Gnome globe current event.svg
Este artigo ou seção é sobre alguém que morreu recentemente.
A informação apresentada pode mudar com frequência. Não adicione especulações, nem texto sem referência a fontes confiáveis. (Editado pela última vez em 3 de outubro de 2018.)
Twemoji 1f464.svg
Data da marcação: 03 de outubro de 2018.
Francisco Mauro Salzano
Conhecido(a) por precursor da pesquisa genética no Brasil
Nascimento 27 de julho de 1928
Cachoeira do Sul, Rio Grande do Sul, Brasil
Morte 28 de setembro de 2018 (90 anos)
Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil
Nacionalidade brasileira
Instituições Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Campo(s) Genética

Francisco Mauro Salzano (Cachoeira do Sul, 27 de julho de 1928Porto Alegre, 28 de setembro de 2018) foi um geneticista brasileiro, precursor e pioneiro na pesquisa genética no Brasil, professor emérito da Universidade Federal do Rio Grande do Sul.[1][2]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Nascido em Cachoeira do Sul, em 1928, seu pai, que era médico e diretor da Secretaria de Saúde, desejava que o filho fosse médico, mas Francisco não passou no vestibular.[3] Conseguiu ingressar no curso de história natural da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), que serviu como porta de entrada para a área biológica nos anos 1940. Quando estava no terceiro ano da faculdade, Francisco se interessou por zoologia e depois se interessou por um campo novo, a genética.[3] A convite do professor Antonio Rodrigues Cordeiro, que começava a estudar genética, Francisco estagiou em seu laboratório e começou a pesquisar nessa área, tornando sua profissão pelas décadas seguintes.[3]

Professor emérito e Colaborador no Departamento de Genética do Instituto de Biociências da Universidade Federal do Rio Grande do Sul e membro do Núcleo Permanente do Programa de Pós-Graduação em Genética e Biologia Molecular.[2]

Prêmios e Distinções[editar | editar código-fonte]

Salzano já recebeu várias homenagens. Em 1994, o governo brasileiro lhe concedeu a maior distinção nacional para cientistas, o Prêmio Almirante Álvaro Alberto para Ciência e Tecnologia. Também recebeu à condecoração Grã-Cruz da Ordem Nacional do Mérito Científico - Presidente da República do Brasil - jun/1995. Recebeu em 1997 e 1999 os prêmios "Annual Award" e o "Franz Boas High Achievement Award" das "Ibero-American Society of Human Genetics" e "Human Biology Association", respectivamente. Mais recentemente o título de Doutor Honoris Causa, da Universidade Paul Sabatier (Toulouse III), França/2010. Recebeu também mais 20 outros prêmios. É membro estrangeiro da Academia Nacional de Ciência dos Estados Unidos desde 1999 e da Academia Brasileira de Ciências desde 1973.[4][5]

Publicações e formação de recursos humanos[editar | editar código-fonte]

Possui mais de 449 artigos completos publicados em periódicos indexados internacionais, e 117 artigos gerais e de divulgação científica. Somente neste ano de 2010 ele é citado como autor/coautor de 21 trabalhos. Escreveu 18 livros e 52 capítulos de livros. Dentre os livros destacam-se "The Evolution and Genetics of Latin American Populations" (2002; Cambridge University Press)[6] em colaboração com a pesquisadora e colega de departamento Maria Cátira Bortolini, e o livro "South American Indians: A case study in Evolution" (1988; Clarendon Press)[7] em colaboração com a pesquisadora e colega Sídia Maria Calegari-Jacques. Até o momento, contribuiu para a formação de 44 doutores e 43 mestres.[8]

Morte[editar | editar código-fonte]

Francisco morreu na madrugada do dia 27 de setembro de 2018 e foi velado na capela do Cemitério João XXIII, em Porto Alegre, onde foi sepultado.[2]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

  • PPGBM - [1]
  • UFRGS - [2]
  • Scientific Commons - [3]