Francisco Pedro de Mendonça Gorjão

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Searchtool.svg
Esta página foi marcada para revisão, devido a incoerências e/ou dados de confiabilidade duvidosa (desde dezembro de 2009). Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor, verifique e melhore a coerência e o rigor deste artigo.
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém fontes no fim do texto, mas que não são citadas no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde dezembro de 2009)
Por favor, melhore este artigo inserindo fontes no corpo do texto quando necessário.
Francisco Pedro de Mendonça Gorjão
Francisco Pedro de Mendonça Gorjão
Dados pessoais
Nascimento 1686
Roliça
Morte 3 de agosto de 1767 (81 anos)
Profissão Militar

Francisco Pedro de Mendonça Gorjão (Roliça, baptizado a 4 de novembro de 16863 de agosto de 1767) foi um militar e administrador colonial português.

Nasceu em Roliça, na Quinta da Roliça, e está sepultado na sua capela da Quinta de São Lourenço, no Peral.

Foi capitão-mor da capitania da Paraíba, de 1729 a 1734, do Maranhão, de 1747 a 1751, e do Grão-Pará, de 1747 a 1751. Foi também governador e capitão general da Ilha da Madeira, de 1737 a 1747.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Com a idade de 11 anos obteve o foro, que por seu pai lhe competia, de fidalgo cavaleiro da Casa Real por sucessão, com 1600 reis de moradia e um alqueire de cevada por dia (4 de setembro de 1697)]][1]. . Teve descendência natural em Portugal, cuja geração se extinguiu, deixando sua herança e vínculos a seu sobrinho Francisco Gorjão Henriques, do qual existe ampla descendência até hoje, mantendo o apelido "Gorjão Henriques"[2]. .

Carreira militar[editar | editar código-fonte]

Francisco Pedro de Mendonça Gorjão teve uma longa carreira militar e político-administrativa. Sua nomeação para capitão-mor da Paraíba, por carta patente régia de 14 de dezembro de 1728 (data em que tinha a patente de capitão de cavalos), descreve em pormenor seus feitos nas guerras havidas em Espanha, ao serviço do rei de Portugal, onde foi ferido gravemente, recebendo os epítetos de «bom e valeroso soldado», «sempre muito obediente» e que se comportou «com o seu acostumado valor e brio» (1706-1712).

Serviu no exército real nas Campanhas de Castela, tendo, em 1706, com o posto de soldado (em que esteve 9 meses e 11 dias) na Companhia de Cavalos do capitão António de Miranda Henriques, a quem sucedeu D. Diogo de Menezes e Távora, participado nas batalhas junto de Cidade Rodrigo, e passando a Castela em Braves, no «rendimento de» Alcântara e Moraleja, até depois do Rio Fiera; voltou depois a Cidade Rodrigo com o seu esquadrão e foi um dos que marcharam até Madrid, «em a qual se aclamou a Carlos Terceiro por Rei, e marchando ao Campo de S. Martinho se apresentou nele batalha ao inimigo, que não aceitou». Aí, segundo os seus superiores, portou-se Francisco Pedro «desempenhando em tudo a sua obrigação, como pessoa grave e nobre que é».

Em 7 de janeiro de 1707 foi promovido a alferes (posto que ocupou 10 meses e 15 dias) da Companhia de Cavalos do Comissário Geral da Província da Estremadura, D. Pedro da Silva Coutinho, depois substituído pelo capitão Francisco Pacheco. Neste ano, ficou gravemente ferido na batalha de Almansa, quando se atacou o Castelo de Villena «e não obstante o perigo de sua vida prosseguiu a marcha a Tortosa, aonde se impediu o passo ao inimigo no Rio Ebro, assistindo sempre com muito valor em todas as operações que houve naquela campanha».

Em 1708, foi promovido a tenente, posto em que serviu 2 anos, 1 mês e 18 dias. Esteve então na Catalunha, cumprindo sempre «com boa satisfação» e «portando-se com grande resolução no encontro que um destacamento de quatrocentos cavalos teve na Vila de Tarrega com outro inimigo composto do mesmo número, o qual sendo investido foi roto e posto em fugida, em que houve grande mortandade e feridos [e] 78 prisioneiros, e mais de 100 cavalos sobprezos (?)».

Em 1709, esteve debaixo da artilharia de Lérida, onde participou em batalha, «procedendo (…) valerosamente, sendo sempre muito obediente às ordens dos seus superiores»; no mesmo ano marchou com o seu esquadrão de 3 mil homens para Conca de Trem e Condado de Riba Gossa [Ribagorza?], onde participou no ataque a várias praças e em vários recontros em os quais se houve «com o seu costumado valor e brio».

Em 1710, vindo da Catalunha para Portugal, participou «na tomada de Xerez dos Cavalleiros, onde procedeu com satisfação, e indo o seu regimento segurar a ponte que se havia feito em Guadiana», ordenou-lhe «o seu Coronel se avançasse com vinte e quatro cavalos a cobrir os forregeadores que vinham batidos pelo inimigo, o que executou com tão boa satisfação e resolução que, sendo carregado com superior poder do inimigo, o rebateu repetidas vezes, travando-se em todos de uma porfiada pendência, matando-lhe muita gente de que recebeu também alguma perda na sua partida, com a qual assistiu até ser mandado recolher, em cuja ocasião se assinalou em forma que mereceu os créditos de um valoroso e bom soldado».

Na ocasião da retirada, obtém várias confirmações de ausência de culpa na decisão de retirada e no «rol da Campanha».

Em 1711, participou nas lutas, em guardas avançadas, destacamentos e partidas, o mesmo sucedendo em 1712, ano em que também «desempenhou sempre as suas obrigações como da sua pessoa se esperava, com muito valor, cuidado e zelo do Meu real serviço».

Em 12 de maio de 1714, foi promovido a capitão de cavalos, posto que havia vagado pela morte do capitão Francisco de Almeida Pinto. Passou então da Companhia da Província do Alentejo à Companhia da Província da Estremadura, a seu pedido, por alvará régio de 26 de janeiro de 1716, como capitão de cavalos reformado, sendo agregado ao Regimento da Guarnição da Praça de Peniche.

E continua o decreto do rei D. João V, de 1728, que o nomeia Capitão-mor da Paraíba:

«E por esperar dele que da mesma maneira se haverá daqui em diante em tudo o de que for encarregado de meu Serviço, conforma a confiança que faço da sua pessoa, Hei por bem fazer-lhe Mercê de o nomear, como por esta nomeio, Capitão mor da Capitania da Paraíba, para que sirva por tempo de três anos (…) E antes que o dito Francisco Pedro de Mendonça Gorjão parta desta Cidade para a dita Capitania me fará por ela preito e homenagem e juramento customado».

Carreira política[editar | editar código-fonte]

Começa então a sua carreira político-administrativa, com a nomeação para capitão-mor da Paraíba. Em 1737 é feito Cavaleiro da Ordem de Cristo, com 12000 reis de tença (21 de maio de 1737), «para o que o habilitava, não só a distinção da sua pessoa, mas a do sobredito cargo» (Carta de 29 de maio de 1737).

O cargo em causa era o de governador e capitão general da Ilha da Madeira, «Superintendente das ambas as Capitanias de Guerra» e Alcaide-mor da Fortaleza da cidade do Funchal, para que havia sido na altura nomeado (carta patente de 18 de maio de 1737, com funções exercidas entre 16 de junho de 1737 e 25 de maio de 1747).

Foi também na mesma altura nomeado membro do Conselho de Sua Majestade (carta de 22 de maio de 1737).

Após dez anos como governador e capitão general da Ilha da Madeira, foi nomeado governador do Maranhão e capitão general do Maranhão (carta patente de 23 de abril de 1747, posto em que permaneceu até 24 de setembro de 1751) e governador do Grão Pará (então com patente de capitão general, tendo exercido as funções entre 14 de agosto de 1747 e 24 de setembro de 1751).

Espantosamente, ou talvez não, também aqui vai substituir João de Abreu Castelo Branco, a quem já havia sucedido na Paraíba e na Madeira.

Não é decerto fácil proceder à descrição e análise do seu governo no Maranhão e no Pará, para a qual seria necessário ter acesso à realidade política, social e cultural da época, bem como à documentação histórica relativa à época, da qual pouco se conhece, com a limitada mas importante excepção que constitui o acervo do Arquivo Histórico Ultramarino de Lisboa, onde se podem encontrar dezenas de documentos emanados da Coroa ou do Governador Geral. "[3]. Após a cessação das suas funções no Maranhão e Pará, terá sido nomeado governador de Pernambuco, cargo que não aceitou.

Últimos dias[editar | editar código-fonte]

Voltou a Portugal, não sendo disponíveis informações sobre as funções que haja desempenhado entre 1752 e 1762, ano em que foi nomeado marechal de campo do exército e governador do Forte de S. Lourenço da Barra (carta patente do Rei D. José, datada de 8 de maio de 1762, mas a decisão é de 6 de maio de 1762), tendo exercido este posto até ao seu falecimento, solteiro, em 3 de agosto de 1767.

Instituiu Morgado e Capela com cabeça na Quinta de São Lourenço, que havia sido adquirida por seu irmão Monsenhor António José Gorjão, em favor de seu sobrinho Francisco José Gorjão Henriques, tendo o testamento sido aberto em 1770 (Cadaval). Obteve padrão de 101$836 reis de juro nos Armazéns (3 de agosto de 1754), que anexou ao morgadio de S. Lourenço e em que nomeou o mesmo seu sobrinho Francisco José, e de que se passou apostilha (15 de junho de 1769).

Segundo o Dicionário das Famílias Brasileiras, terá sido o progenitor dos Gurjões do Pará, entre os quais se destacam o general Hilário Maximiniano Antunes Gurjão e o maestro Henrique Eulálio Antunes Gurjão. Contudo, não casou aí nem legitimou qualquer filho, que aliás teria de ter nascido até 1751, ano em que regressou à Metrópole.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Miguel Gorjão-Henriques da Cunha, «O Venerando Balio Rodrigo Manuel Gorjão e a estratégia linhagística da Família Gorjão Henriques», Filermo, n.º 11, 2009, pp. 117-189
  • Torre do Tombo, Registo geral das mercês de D. João V, Liv. 20, fl. 133 a 134
  • Catálogo de Documentos Manuscritos Avulsos da Capitania do Pará Existentes no Arquivo Histórico Ultramarino de Lisboa, SECULT/APEP, Belém, 2002, Vol. I, pp. 199-218
  • Torre do Tombo, Chancelaria de D. José, Liv. 15, fl. 82
  • Paulo Ferreira da Costa/Helena Sanches Galante, Cadaval, Imprensa Nacional Casa da Moeda, 1992
  • Dóris Joana Santos, Património Artístico religioso no Concelho do Cadaval, ed. Câmara Municipal do Cadaval, 2005, pp. 109-111
  • Anuário da Nobreza de Portugal, "Gorjão Henriques da Cunha Coimbra Botado e Serra", III, Tomo II, 1985, pp. 968-980


Precedido por
João de Abreu Castelo Branco
Capitão-mor da capitania da Paraíba
1729 — 1734
Sucedido por
Pedro Monteiro de Macedo
Precedido por
João de Abreu Castelo Branco
Governador Geral da Ilha da Madeira
1737 — 1747
Sucedido por
Dom Frei João do Nascimento, Bispo
Precedido por
João de Abreu Castelo Branco
Governador geral da capitania do Grão-Pará
1747 — 1751
Sucedido por
Francisco Xavier de Mendonça Furtado
Precedido por
João de Abreu Castelo Branco
Governador geral do Maranhão
1747 — 1751
Sucedido por
Francisco Xavier de Mendonça Furtado


Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
  1. Torre do Tombo, Registo geral de mercês de D. Pedro II, Liv. 11, fls. 235 v.
  2. Nuno Gorjão Henriques/Miguel Gorjão-Henriques, Gorjão Henriques, Dislivro Histórica, Lisboa, 2006
  3. Arquivo Histórico Ultramarino: cotas AHU_ACL_CU_013,Cx.40,D.4;AHU_ACL_CU_013,Cx.40,documentos 5,7,8,9,11 ou 12