Francisco Vítor da Fonseca e Silva

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Fonseca e Silva
Fonseca e Silva
Presidente do Estado do Rio de Janeiro
Período 15 a 16 de novembro de 1889
Antecessor(a) Carlos Afonso de Assis Figueiredo
Sucessor(a) Francisco Portela
Dados pessoais
Nascimento 1848
Natal, Rio Grande do Norte
Morte 1906 (58 anos)
Natal, Rio Grande do Norte
Profissão militar

Francisco Victor da Fonseca e Silva ou simplesmente Fonseca e Silva (Natal, RN, 18481906) foi um militar e político brasileiro.

Filho de Luís da Fonseca e Silva, assentou praça voluntariamente na Escola Militar, em 1865. Participou da batalha de Peribebuí na Guerra do Paraguai, quando incorporado ao Batalhão de Engenheiros, em 1869, na qual foi elogiado em Ordem do Dia pelo Conde d'Eu, e condecorado com o oficialato da Imperial Ordem da Rosa e o hábito da Imperial Ordem de São Bento de Avis. Após a campanha do Paraguai, já como capitão, foi nomeado ajudante de ordens do ministro da Guerra.

Coronel Fonseca e Silva.
Constituição brasileira de 1891, página da assinatura de Francisco Vítor da Fonseca e Silva (décima sexta assinatura). Acervo Arquivo Nacional

Em 1889, foi promovido ao posto de tenente-coronel e, quando do golpe militar para a proclamação da República, em 15 de novembro daquele ano, foi nomeado para o comando do Corpo Policial fluminense (atual Polícia Militar), tornando-se, de fato, seu primeiro chefe de governo republicano, pois recebeu ordens para tomar o governo das mãos de Carlos Afonso de Assis Figueiredo, grande apoiador da monarquia, e enviar efetivos para o Campo de Santana, para auxiliar as tropas do Exército.

Dessa forma, coube-lhe exercer o governo do novo estado do Rio de Janeiro, em caráter interino, até que tomasse posse Francisco Portela, nomeado pelo presidente Deodoro da Fonseca, o que ocorreu em 16 de novembro.[1]

Deixou o comando do Corpo Policial em 1890, quando foi eleito deputado federal representando o estado do Rio de Janeiro no Congresso Nacional e na Assembléia Constituinte[2] daquele ano, que seria responsável pela promulgação da primeira constituição republicana do Brasil, sendo reeleito para a segunda legislatura republicana.

No ano de 1896, foi nomeado chefe do Estado Maior da Guarda Nacional no Distrito Federal, sendo promovido, ao posto de coronel, em 1898. Em 1904, retornou ao estado do Rio Grande do Norte, elegendo-se deputado federal, sendo reformado em 1905.

Referências


Precedido por
Carlos Afonso de Assis Figueiredo
Presidente da província do Rio de Janeiro
1889
Sucedido por
Francisco Portela


Ícone de esboço Este artigo sobre um político brasileiro é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.