Francisco da Gama, 4.º Conde da Vidigueira

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Francisco da Gama)
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
D. Francisco da Gama
Dom Francisco da Gama, 4.° Conde da Vidigueira
Vice-rei da Índia Flag of Portugal (1521).svg
Período 1597 - 1600 e 1622 - 1628
Antecessor(a) 1.ª vez: Matias de Albuquerque. 2.ª vez: Fernão de Albuquerque
Sucessor(a) 1.ª vez: António de Noronha. 2.ª vez Luís de Brito e Meneses
Dados pessoais
Nascimento 1565
Morte julho de 1632 (67 anos)
Oropesa
Progenitores Mãe: D. Maria de Ataíde
Pai: Vasco da Gama, 3.º Conde da Vidigueira

Dom Francisco da Gama, 4.º Conde da Vidigueira (1565Oropesa, julho de 1632) foi um nobre e militar português. Por duas vezes, foi Governador e Vice-Rei da Índia. Era bisneto de Vasco da Gama e filho de Vasco da Gama, 3.º Conde da Vidigueira.

Ao lado de seu pai, aos 13 anos, combateu na Batalha de Alcácer-Quibir, onde seu pai tombou e ele, feito prisioneiro. Resgatado, retorna a Portugal em 1595.[1] No final da vida, acusado de peculato e outras desonras, morre na Espanha, a caminho da Corte para tentar explicar-se.

Vice-reinados[editar | editar código-fonte]

Primeiro vice-reinado[editar | editar código-fonte]

Foi nomeado vice-rei da Índia em 1597, partindo para Goa no mesmo ano. Assumiu a região com mínimas condições de governabilidade, sem dinheiro nem navios para defesa. Tentou implementar reformas pouco populares, na tentativa de conter a corrupção e a desordem. Conseguiu um empréstimo e montou defesas, tanto no mar (combatendo os piratas indianos e os ingleses) como ao norte (combatendo os mongóis). Durante essa gestão, anexou a Ilha de Colombo, graças à deposição do rei local por um parente, protegido da Coroa Portuguesa. Angariando muitos inimigos, acabou por regressar a Portugal em 1600, tendo a população contra sua administração.[1]

Segundo vice-reinado[editar | editar código-fonte]

Em 1622, foi nomeado novamente vice-rei da Índia. Em sua segunda passagem pela região, ainda continuava a ter muitos inimigos, mas sua força militar estava melhor preparada, tendo nesse momento defendido Malaca dos neerlandeses. Em 1628, foi substituído pelo bispo de Meliapor, Dom Luís de Brito e Menezes.[1] Foi acusado de peculato e incúria, caindo em desgraça perante o rei Filipe III.[2]

Descendência[editar | editar código-fonte]

Dom Francisco da Gama casou-se duas vezes. De seu primeiro casamento, com Dona Maria de Vilhena, filha do vice-rei da Índia Duarte de Menezes, apenas uma filha sobreviveu à idade adulta:

  • Maria de Vilhena, que casou-se com João de Ataíde, 4.º conde de Castanheira

De seu segundo casamento, com Leonor Coutinho, filha do vice-rei da Índia Rui Lourenço de Távora, teve os seguintes filhos:

  • Maria Coutinho, que casou-se com Rodrigo da Camara, 3.º conde de Vila Franca;
  • Eufrázia Maria de Tavora, que casou-se com Luis Lobo, 7.º barão de Alvito;
  • Catarina Coutinho, que viveu por apenas um dia;
  • Vasco Luís da Gama, 5.º Conde da Vidigueira;
  • Guiomar Coutinho;
  • Teresa Maria Coutinho;
  • Inês Domingas Coutinho;
  • Ana Maria Coutinho.

Referências

Precedido por
Matias de Albuquerque
Vice-Rei da Índia Portuguesa
1ª vez

15971600
Sucedido por
Aires de Saldanha
Precedido por
Fernão de Albuquerque
Vice-Rei da Índia Portuguesa
2ª vez

16221628
Sucedido por
Luís de Brito e Meneses
Precedido por
Vasco da Gama

4.º Conde da Vidigueira

15781632
Sucedido por
Vasco Luís da Gama