Francisco de Melo da Cunha de Mendonça e Meneses

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Francisco de Melo da Cunha de Mendonça e Meneses
Nome nativo Francisco de Melo da Cunha de Mendonça e Meneses
Nascimento 26 de abril de 1761
Morte 7 de abril de 1821 (59 anos)
Cidadania Portugal
Ocupação político

Francisco de Melo da Cunha de Mendonça e Meneses (26 de abril de 17617 de abril de 1821) foi um militar e político português.

Foi monteiro-mor do reino, gentil-homem da câmara da rainha D. Maria I, grã-cruz das ordens de Cristo e de Nossa Senhora da Conceição, presidente do senado da Câmara de Lisboa, governador e capitão general do Algarve, governador da Torre de Belém, tenente-general, e um dos governadores do reino em 1807 e 1809.

Em 1802 o príncipe regente D. João (actuando em nome da rainha D. Maria I de Portugal) deu-lhe o título de 1º conde de Castro Marim e em 1808 o título de Marquês de Olhão.

Em 1807, já com o posto de tenente-general, foi encarregue do governo militar do Algarve, e no Conselho de Regência.

Entre 1809 e 1820 foi reconduzido a governador do Reino de Portugal mantendo o mesma função no exército português.[1]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Entrou para o Exército como cadete, sendo promovido a alferes em maio de 1782, no Regimento de Infantaria N.º 4.

Sucedeu na casa dos Cunhas em 1778 a seu pai. Casou em 29 de novembro de 1783 com D. Joaquina Teles da Silva, filha dos marqueses de Penalva.

Foi promovido a capitão em setembro de 1786 e foi nomeado coronel do Regimento de Cascais em 1793.

Sucedeu ao seu primo Francisco de Melo no ofício de monteiro-mor do Reino em 16 de fevereiro de 1789.

Partiu para a Catalunha a 1793 participando, como comandante do seu regimento, em toda a campanha do Rossilhão, de 1793 a 1795, por este ter integrado a Divisão Auxiliar que foi apoiar o exército espanhol na guerra contra a República francesa.

Foi incluído na promoção que premiou os serviços prestados durante aquela expedição a Espanha, sendo graduado em marechal de campo. Em 1797 foi nomeado capitão-general e governador das Armas do Algarve.

Na Guerra de 1801 defendeu o Algarve de uma tentativa de invasão espanhola, o que lhe valeu o título de Conde de Castro Marim, dado por decreto de 14 de novembro de 1802, outorgado para premiar o único feito de armas da Guerra de 1801, na Europa.

Em 1807, estando ao cargo do governo das armas do Algarve como tenente-general, as tropas francesas comandadas por Junot, entraram em Portugal. Com a ida da corte para o Brasil, foi nomeado presidente do Senado da Câmara de Lisboa e governador do Reino suplente, tendo regressado ao Algarve, quando Junot assumiu o governo de Portugal em nome de Napoleão.

Em junho de 1808, encontrando-se em Tavira, ocorreu no Algarve uma revolta contra a invasão francesa. Assumiu desde logo a presidência da junta que se constituiu em Faro. Quando as forças populares se congregaram para expulsar os soldados de Napoleão, o conde de Castro Marim comandou as tropas que então se organizaram no Algarve, passou ao Alentejo, chegou a Beja no dia 19 de Agosto, e seguindo depois para Lisboa. Encontrava-se nas imediações de Palmela quando foi assinada a convenção de Sintra, em 30 de Agosto, contra a qual protestou da mesma forma que fez o general das tropas do norte Bernardim Freire de Andrade.

A revolta do Algarve foi a primeira de que se teve notícia no Brasil, devido à notícias dadas por pescadores de Olhão que atravessaram o Atlântico até ao Rio de Janeiro numa embarcação de pesca. Devido a esse feito foi nomeado marquês de Olhão em 21 de dezembro de 1808.

Foi escolhido para integrar a nova Regência, e até 1820 exerceu os cargos da governador do reino e de membro do Conselho de Guerra. Depois da revolução de 1820 afastou-se dos negócios públicos, tendo falecido no ano seguinte.[2][3]

Referências