Francisco de Paula Borba

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Francisco de Paula Borba
Nascimento 24 de março de 1873
Angra do Heroísmo, Portugal Portugal
Morte 1934 (61 anos)
Setúbal
Ocupação Médico
Instituições Misericórdia de Setúbal
Especialidade Cirurgia
Alma mater Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa
Prémios relevantes Ordem do Mérito
Parentesco Tomás Vaz de Borba, Cecília Borba

Francisco de Paula Borba (Angra do Heroísmo, 24 de março de 1873Setúbal, 1934) foi um médico português, formado cirurgião pela Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa em 1898. Exerceu medicina na Misericórdia e no Montepio em Setúbal.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Nasceu nos Açores.[1]

Foi um dos membros fundadores do Asilo de Velhos de Bocage, tendo-se destacado durante a angariação de fundos para criar esta instituição, que se baseou na herança de vários edifícios e nas receitas das cerimónias da comemoração do centenário do poeta.[1] Posteriormente, tornou-se provedor da Santa Casa da Misericórdia de Setúbal, tendo-se notabilizado por ter organizado grandes obras de modificação no antigo hospital, que ficou mais moderno e adequado às necessidades da população.[1] Para as obras no hospital e nos asilos, Paula Borba conseguiu o apoio da classe piscatória de Setúbal, que aos Domingos iam colaborar nos trabalhos.[1]

Devido ao seu sucesso na gestão do Hospital, Paula Borba foi nomeado para dirigir várias instituições de assistência em Setúbal, onde também teve muito êxito.[1]

Morreu em 1934 na cidade de Setúbal, tendo nessa altura 62 anos de idade.[1] Em sua homenagem, os estabelecimentos comerciais em Setúbal conservaram as suas portas em funeral, durante dois dias.[1] Casou em Setúbal com uma senhora da família Botelho Moniz, tendo tido dois filhos.[1] Era irmão do Padre Tomás Vaz de Borba, e tio da harpista Cecília Borba.[1]

Homenagens[editar | editar código-fonte]

Francisco de Paula Borba foi honrado com o grau de Grande Oficial na Ordem do Mérito em 11 de Abril de 1931.[2]

Referências

  1. a b c d e f g h i «Os nossos mortos» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. 46 (1124). 16 de Outubro de 1934. p. 531. Consultado em 3 de Setembro de 2012 
  2. «Cidadãos nacionais agraciados com ordens portuguesas». Presidência da República Portuguesa. Consultado em 13 de Fevereiro de 2018 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • CAMPOS, Alfredo Luís (1903). Memória da Visita Régia à Ilha Terceira. Angra do Heroísmo: Imprensa Municipal 
Ícone de esboço Este artigo sobre um médico é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.