Frans Krajcberg

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Gnome globe current event.svg
Este artigo ou seção se refere ou tem relação com alguém que morreu recentemente.
A informação apresentada pode mudar com frequência. Não adicione especulações, nem texto sem referência a fontes confiáveis. (Editado pela última vez em 17 de novembro de 2017.)
Twemoji 1f464.svg
Searchtool.svg
Esta página foi marcada para revisão, devido a incoerências e/ou dados de confiabilidade duvidosa. Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor, verifique e melhore a coerência e o rigor deste artigo.
Frans Krajcberg
Krajcberg durante entrevista a Paula Saldanha, 2012.
Nome completo Franz Krajcberg
Nascimento 12 de abril de 1921
Kozienice, Mazóvia
Polônia
Morte 15 de novembro de 2017 (96 anos)
Rio de Janeiro, RJ
Brasil
Nacionalidade Polonês
Brasileiro
Ocupação escultor, pintor e artista plástico

Frans Krajcberg (Kozienice, 12 de abril de 1921 - Rio de Janeiro, 15 de novembro de 2017) foi um pintor, escultor, gravador, fotógrafo e artista plástico nascido na Polônia e naturalizado brasileiro.[1]

Em 2008 recebeu o grande prêmio da APCA.[2]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Durante a Segunda Guerra Mundial (1938-1945) em 1939, Krajcberg buscou refúgio na União Soviética, onde estudou engenharia e artes na Universidade de Leningrado. Residiu na Alemanha prosseguindo seus estudos na Academia de Belas Artes de Stuttgart.[carece de fontes?]

Chegou ao Brasil em 1948, vindo a participar da oitava Bienal de São Paulo, em 1951. Durante a década de 1940 o seu trabalho era abstrato.[carece de fontes?]

De 1948 a 1954 viveu entre as cidades de Paris, Ibiza e Rio de Janeiro, onde produziu os seus primeiros trabalhos fruto do contato direto com a natureza. Na década de 1950 morou em uma caverna no Pico da Cata Branca, região de Itabirito, no interior de Minas Gerais. Ali na região, à época, era conhecido como o barbudo das pedras, uma vez que vivia solitário, sem conforto, tomando banho no rio vizinho, enquanto produzia, incessantemente, gravuras e esculturas em pedra.[carece de fontes?]

Espaço Frans Krajcberg, em Curitiba. Foto:Sam Emerick/flickr

Em 1956, mudou-se para o Rio de Janeiro, onde dividiu o ateliê com o escultor Franz Weissmann (1911 - 2005). Naturalizou-se brasileiro no ano seguinte.[carece de fontes?]

Em 1964, executou as suas primeiras esculturas com madeiras de cedros mortas. Realizou diversas viagens à Amazônia e ao Pantanal Matogrossense, fotografando e documentando os desmatamentos, além de recolher materiais para as suas obras, como raízes e troncos calcinados. Na década de 1970 ganhou projeção internacional com as suas esculturas de madeira calcinada.[carece de fontes?]

A sua obra reflete a paisagem brasileira, em particular a floresta amazônica, e a sua constante preocupação com a preservação do meio-ambiente. Atualmente, o artista tem se dedicado à fotografia.[carece de fontes?]

O sítio Natura[editar | editar código-fonte]

Trabalhos de Frans Krajcberg na mostra Natura, em São Paulo.

Krajcberg radicou-se no Brasil desde 1972 vivendo no sul da Bahia, onde manteve o seu ateliê no Sítio Natura, no município de Nova Viçosa. Chegou ali a convite do amigo e arquiteto Zanine Caldas, que o ajudou a construir a habitação: uma casa, a sete metros do chão, no alto de um tronco de pequi com 2,60 metros de diâmetro. À época Zanine sonhava em transformar Nova Viçosa em uma capital cultural e a sua utopia chegou a reunir nomes como os de Chico Buarque, Oscar Niemeyer e Dorival Caymmi.[carece de fontes?]

No sítio, uma área de 1,2 km², um resquício de Mata Atlântica e de manguezal, o artista plantou mais de dez mil mudas de espécies nativas. O litoral do município é procurado, anualmente, no inverno, por baleias-jubarte. No sítio, dois pavilhões projetados pelo arquiteto Jaime Cupertino, abrigam atualmente mais de trezentas obras do artista. Futuramente, com mais cinco construções projetadas, ali se constituirá o Museu que levará o nome do artista.[carece de fontes?]

Ativismo ecológico[editar | editar código-fonte]

Ao longo de sua carreira, o artista:[carece de fontes?]

  • Denunciou queimadas no estado do Paraná;
  • Denunciou a exploração de minérios no estado de Minas Gerais;
  • Denunciou o desmatamento da Amazônia brasileira;
  • Defendeu as tartarugas marinhas que buscam o litoral do município de Nova Viçosa para desova;
  • Postou-se na frente de um trator para evitar a abertura de uma avenida na cidade de Nova Viçosa.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Morre, aos 96 anos, o artista plástico Frans Krajcberg». NOCAUTE. 15 de novembro de 2017 
  2. APCA. (2008). Os Melhores da APCA, acesso em 1 de junho de 2010

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Frans Krajcberg

Polêmica Espaço Cultural Frans Krajcberg

Ícone de esboço Este artigo sobre um escultor é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.