Fraternidade Sacerdotal de São Pio X

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Fraternidade Sacerdotal São Pio X FSSPX
Brasão
Lema "Christus vincit,
Christus regnat,
Christus imperat

(Cristo vence, Cristo reina, Cristo impera)"

Fundação 01 de novembro de 1970 (44 anos)
Tipo Organização de padres católicos
Sede Menzingen
Suíça
Superior Geral Dom Bernard Fellay
Sítio oficial http://www.fsspx.org/en/
http://www.fsspx.com.br/
http://fsspxportugal.wordpress.com/
http://laportelatine.org/accueil/accueil.php
http://www.fsspx-sudamerica.org/

A Fraternidade Sacerdotal São Pio X (Fraternitas Sacerdotalis Sancti Pii X em latim - FSSPX) é uma sociedade de vida apostólica internacional católica tradicionalista, fundada em 1970 pelo arcebispo francês Marcel Lefebvre. O atual superior geral da sociedade é o bispo suíço Bernard Fellay.

A sociedade é conhecida como um defensora da Missa Tridentina, juntamente com práticas de piedade, crenças, costumes e a disciplina religiosa associadas com o período anterior ao do Concílio Vaticano II, que a sociedade acredita ter promovido ensinamentos errôneos e heréticos, sobre questões como a revisão litúrgica, o ecumenismo, a liberdade religiosa, a supremacia da Igreja Católica sobre as outras religiões e as relações com os judeus e não-cristãos.[1]

O Papa Bento XVI declarou que, por motivos doutrinais e não disciplinares, a FSSPX não tem status canônico regular na Igreja Católica e, por causa dessa falta de status canônico, os ministérios exercidos por seus sacerdotes não são legítimos na Igreja.[2] No entanto, o superior geral da sociedade, Dom Bernard Fellay, sustenta que o ministério eclesial dos sacerdotes da Sociedade é legítimo, sendo justificado como estado de necessidade[3] assim como as sagrações feitas por Mons. Lefebvre na crise atual do catolicismo.[4]

As tensões entre a sociedade e a Santa Sé atingiram o seu auge em 1988, quando o arcebispo Lefebvre consagrou quatro bispos sem autorização expressa do Papa João Paulo II, resultando em uma declaração de excomunhão latae sententiae contra os bispos consagrantes e consagrados, uma excomunhão retirada para aqueles que ainda estavam vivos em janeiro de 2009[5] com a esperança expressa de que todos os membros da sociedade rapidamente voltassem à plena comunhão de acordo com Roma.[6] [7]

Discussões formais entre a Santa Sé e a sociedade começaram em 2009 e chegaram a um estágio crítico em 2012, quando o bispo Bernard Fellay rejeitou em 13 de junho o documento doutrinário apresentado a ele em 15 de abril.[8] Fellay perguntou ao Papa Bento XVI se esse documento teve aprovação pessoal do Papa e este lhe enviou uma carta manuscrita assegurando-lhe que tinha.[9] Em 27 de junho de 2013, três bispos restantes da sociedade (que expulsaram Richard Williamson) rejeitaram formalmente as propostas da Santa Sé.[10]

Apologética[editar | editar código-fonte]

A Fraternidade opõe-se, de modo expresso, às reformas feitas na Igreja Católica após o Concílio Vaticano II, criticando especialmente o ecumenismo, a liberdade religiosa e a colegialidade dos bispos.

A FSSPX argumenta que os princípios do pós-Concílio representam um desvio em direção ao protestantismo, ao liberalismo e aos ideais da Maçonaria, adversários históricos do catolicismo e, sobretudo o embarque na heresia modernista.

Para isso, a Fraternidade se utiliza de documentos do Magistério Ordinário de modo a justificar suas posições doutrinárias, escolhendo alguns documentos produzidos ao longo história da Igreja, como a «Mortalium Animos» do Papa Pio XI «Quod aliquantulum» de Pio VI, a «Post tam diuturnitas» de Pio VIII, a «Mirari vos» de Gregório XVI, a «Quanta cura» e o «Syllabus» de Pio IX, a «Rerum Novarum», a «Humanum Genus» e a «Immortale Dei» de Leão XIII.

História[editar | editar código-fonte]

A Fraternidade reconhece a validez (se celebrado devidamente), porém não a licitude do Novus Ordo Missae (Missa Nova) do Papa Paulo VI, mas afirma que, tendo sido arranjado artificialmente com a assistência de seis pastores protestantes, e com a degradação de orações católicas milenares, introdução de orações judaicas e influência maçônica[11] , tendo também ela partido de um Concílio não-dogmático e ao mesmo tempo que há um corte com a Tradição católica, ele (o Novus Ordo ou Missa Nova) rompe com o processo de desenvolvimento orgânico da liturgia católica através dos séculos e está imbuído de uma mentalidade contrária à Doutrina tradicional sobre o Santo Sacrifício da Missa, cujos Cardeais Ottaviani e Bacci afirmaram que "distancia-se, de modo impressionante, no todo, como no detalhe, da teologia católica da Santa Missa" [12]

Após conflitos com a Santa Sé e tentativas de acordo, o arcebispo Marcel Lefebvre finalmente redige uma carta ao Vaticano na qual diz que pela urgência da sua velhice, depois de um ano da data de envio daquela mesma carta de pedido, ordenará bispos caso o Vaticano não dê sinal de marcar a data para as ordenações de sucessão na Fraternidade, pois Dom Lefebvre já havia recebido permissão para a ordenação[13] . Procede então em 30 de Junho de 1988, à sagração de quatro bispos sem a aprovação papal. Dois dias depois, o Papa João Paulo II, no motu proprio «Ecclesia Dei Adflicta», adverte que o arcebispo e os quatro bispos incorreram em excomunhão automática, segundo o Novo Código de Direito Canónico (can. 1364.1 e 1382). Entretanto, a Fraternidade rebate a acusação, afirmando que o arcebispo não conferiu aos quatro bispos qualquer jurisdição, limitando-se a transmitir-lhes o poder de ministrar os sacramentos do Crisma e da Ordem segundo o rito romano tradicional. Afirma, ainda, que o "estado de necessidade" (CDC novo, Cânon 1323.4º), ou mesmo a simples crença inculpável de encontrar-se nele (CDC novo, Cânon 1323.7º),[14] é suficiente para invalidar a aplicação de excomunhão neste caso.[15]

A Fraternidade dá mostras de fidelidade a Roma, como a peregrinação à cidade eterna no Jubileu do ano 2000 e as orações diárias pelo Papa.[16] [17]

Ela também acusa as paróquias tradicionais (não-tradicionalistas), como de partidárias de um cisma velado e de uma resistência mais ou menos explícita a muitas das orientações do Papa Bento XVI e do próprio Papa Francisco. O superior-geral da FSSPX é, desde 1994, o bispo Bernard Fellay (um dos quatro bispos ordenados em 1988 por Lefebvre), que no Verão de 2006 foi reconduzido no cargo por mais um mandato de doze anos.

Situação Canônica[editar | editar código-fonte]

Em decisão da Congregação para a Doutrina da Fé, datada de 28 de junho de 1993, o então Cardeal Ratzinger declarou que os fiéis da FSSPX não estão excomungados.

Em setembro de 2005 a Santa Sé, declarou através do Cardeal Dario Castrillón Hoyos, o qual foi presidente da Comissão Ecclesia Dei, que a FSPPX não está em plena comunhão com a Igreja[18]

Por causa de questões de direito canónico, nomeadamente a necessidade de julgarem causas de nulidade de matrimónio, a FSSPX instituiu tribunais matrimoniais de suplência. Os Bispos da Fraternidade afirmam que a necessidade destes tribunais deve-se aos princípios personalistas adoptados pela Rota Romana no post-concilio, que resultaram em um dramático aumento do número de decretos de nulidade matrimonial: de 338 para 59.030 por ano apenas nos Estados Unidos, onde o processo ganhou a alcunha de "divórcio católico". A FSSPX alega que, dado o enorme risco de adultério decorrente de anulações indevidas, a Igreja supriria ("Ecclesia supplet") a jurisdição requerida para a instauração de tribunais provisórios, visto que a lei suprema é a salvação das almas ("Lex suprema salus animarum est").

No sábado, dia 24 de janeiro de 2009, Dia Internacional da Memória, o Papa Bento XVI, como ato de “paz e misericórdia”, segundo divulgado, revogou a excomunhão dos quatro bispos, de acordo com Roma, excomungados latae sententiae. Porém, segundo o papa, os bispos da fraternidade continuam suspensos a divinis. A questão da FSSPX é uma discussão interna da Igreja Católica, não é, portanto, uma igreja paralela.

Em novembro de 2012 em comunicado oficial, a FSSPX rejeita formalmente o acordo proposto pelo Papa Bento XVI cujas tentativas de negociação culminaram com a expulsão do Bispo Richard Williamson.[10]

O cardeal Dario Castrillón Hoyos, prefeito da Congregação do Clero e presidente da comissão Ecclesia Dei afirmou que "Não estamos diante de uma heresia. Não se pode dizer em termos corretos, exatos, precisos, que haja um cisma. Há, no fato de consagrar bispos sem o mandato pontifício, uma atitude cismática. Eles estão dentro da Igreja. Há somente o fato de que falta uma plena, uma mais perfeita – como foi dito durante o encontro com Dom Fellay – uma comunhão mais plena, porque a comunhão existe”.[19]

Pela afirmação do cardeal Edward Cassidy, presidente do Conselho Pontifício para a Unidade dos cristãos, pode-se afirmar que acredita na existência do estado de necessidade na Fraternidade, que supriria a jurisdição, validando os sacramentos de Crisma e Matrimônio da FSSPX:[20]

“Quanto a vossa pergunta, gostaria de sublinhar de imediato que o Dicastério sobre o ecumenismo não tem uma relação direta com a Fraternidade São Pio X. A situação dos membros dessa Sociedade é uma questão interna da Igreja católica. A Fraternidade São Pio X não é uma outra Igreja ou Comunidade eclesial no sentido que esse Dicastério utiliza. Certamente, a missa e os sacramentos administrados pelos padres da Fraternidade são válidos”.
Cardeal Edward Cassidy

Dom Athanasius Schneider, bispo auxiliar de Santa Maria em Astana, afirmou que:[21]

"Não há razões de peso para negar aos sacerdotes e fiéis da FSSPX um reconhecimento canônico oficial".


Mons. Lefebvre, afirmou no sermão da sagração:[22]

"É necessário que vocês compreendam bem que não queremos por nada nesse mundo que essa cerimônia seja um cisma. Não somos cismáticos. Se a excomunhão foi pronunciada contra os bispos da China que se separaram de Roma e que se submeteram ao governo chinês, entendemos muito bem porque o papa Pio XII os excomungou. Porém, para nós não se trata de nos separarmos de Roma e de nos submetermos a um poder qualquer estranho a Roma, e constituir uma espécie de Igreja paralela como o fizeram, por exemplo, os bispos de Palmar de Troia na Espanha, que nomearam um papa, que criaram um colégio de cardeais. Para nós não se trata de nada disso. Longe de nós esses pensamentos miseráveis de nos distanciar de Roma. Muito ao contrário, é para manifestar nossa adesão à Roma que realizamos essa cerimônia. É para manifestar nossa adesão à Igreja de sempre, ao papa, e a todos aqueles que precederam esses papas que, infelizmente, desde o concílio do Vaticano II acreditaram ter o dever de aderir a erros, erros graves que estão demolindo a Igreja e destruindo todo o sacerdócio católico."
Dom Lefebvre

A situação canônica oficial da Fraternidade Sacerdotal São Pio X e de seus sacerdotes ainda permanece a mesma: Suspensos a divinis.

Membros[editar | editar código-fonte]

A FSSPX está organizada em:

Desconsiderando as ordens latinas e orientais aliadas à Fraternidade, ela conta atualmente com 586 sacerdotes, 112 Irmãos, 186 Irmãs em 25 casas (164 professoras, 14 noviças e 8 postulantes), 79 Oblatas, 203 Seminaristas e 40 pré-seminaristas. Está presente em 37 países e visita regularmente outros 33. Tem 1 Casa Geral, 14 Distritos e 2 Casas Autônomas, 6 Seminários, 163 priorados, 750 centros de missa, mais de cem escolas (do Ensino Básico ao Médio), 2 universidades e 7 casas de exercícios espirituais, 4 conventos de freiras carmelitas (Dados de 19 de Março de 2015.[23] )

Os aliados latinos à Fraternidade são mosteiros e conventos tradicionalistas Beneditinos, Capuchinhos, Os Cooperadores de Cristo-Rei, Dominicanos, Marianosses, Fraternidade da Transfiguração, O Trabalho da Estrela, Béthaniennes, Clarissas, Discípulos do Cenáculo, Instituto Nossa Senhora do Rosário, Instituto Rainha da Paz, As Filhas de Maria do Preciosíssimo Sangue, Franciscanos, As Pequenas Irmãs de São João Batista, Os Servos de Jesus, O sacerdote e do Coração de Maria, As irmãs consoladoras do Sagrado Coração de Jesus, Irmãs correctores do Espírito Santo.[24]

Os aliados orientais à Fraternidade são tradicionalistas da Fraternidade Sacerdotal São Josafá, Fraternidade Sacerdotal São João Batista, As irmãs do mosteiro católico grego da Ordem Studite e as Irmãs Basilianas da Ucrânia.[25]

Controvérsias[editar | editar código-fonte]

No início de 2013 o Bispo Bernard Fellay superior da FSSPX declarou que os judeus e o judaísmo são inimigos da Igreja. Essa declaração foi desmentida pelo Vaticano.[26]

Em novembro do mesmo ano, um grupo ligado à FSSPX invade a Catedral de Buenos Aires na Argentina durante uma celebração inter-religiosa judaico-cristã, provocando confusão e protestos.[27]

Dissidências[editar | editar código-fonte]

Existem muitas sociedades apostólicas, em sua maioria em plena comunhão com a Igreja:

Referências

  1. [James Martin, "The Anti-Semitism of the Society of St. Pius X" in America review, 31 January 2009]; cf. John Vennari, "Judaism & the Church: before & after Vatican II"
  2. "The fact that the Society of Saint Pius X does not possess a canonical status in the Church is not, in the end, based on disciplinary but on doctrinal reasons. As long as the Society (of St Pius X) does not have a canonical status in the Church, its ministers do not exercise legitimate ministries in the Church" (Pope Benedict XVI, Letter of 10 March 2009 to the Bishops of the Catholic Church concerning the remission of the excommunication of the four bishops consecrated by Archbishop Lefebvre).
  3. Estado de necessidade
  4. According to an article on The Remnant (newspaper), Bishop Fellay cited as evidence replies of the Holy See to SSPX priests regarding absolution from reserved sins, which in fact, since 1983, no longer exist, and the fact that SSPX priests are allowed, after reconciliation, to function as priests, as are, for instance, eastern Christian priests received into the full communion of the Catholic Church.
  5. Decree of Excommunication
  6. Pope lifts excommunications of Lefebvrite bishops
  7. Pope Benedict lifts excommunication of bishops ordained by Lefebvre
  8. National Catholic Reporter, "Traditionalist SSPX calls Vatican offer 'clearly unacceptable'"
  9. Vatican Insider, "Rome needs to change its demands if it wants to reach an agreement with SSPX"
  10. a b Traditionalists indicate definitive break with Catholic Church (em inglês)
  11. [1] A nova Liturgia modificou ou expurgou textos que falavam claramente demais: a) do inferno ou do diabo (Dies irae na missa dos defuntos; coletas do XVIIº domingo depois de Pentecostes, de São Nicolau, São Camilo de Lelis, etc.); b) do pecado original (coleta de Cristo-Rei);c) da penitência (coletas de São Raimundo de Peñafort, de São João Maria Vianney cura d’Ars, da Quinta-Feira depois das Cinzas); d) do desprezo das coisas da terra (coleta de São Francisco de Assis, pós-comunhão do IIº domingo do Advento; secreta do IIIº domingo depois da Páscoa); e) da necessária satisfação pelos pecados ( Coleta da Festa do Sagrado Coração de Jesus); f) dos inimigos da Igreja (comunhão da Festa da Exaltação da Santa Cruz, coletas de São Pio V, São João Capistrano, etc.); g) dos perigos do erro (oração da Sexta-Feira Santa pela conversão dos hereges e cismáticos; coletas de São Pedro Canísio, São Roberto Bellarmino, Santo Agostinho de Cantorbéry); h) dos milagres dos santos (coletas de São Nicolau, São Francisco Xavier, São Raimundo de Peñafort, São João de Deus, Santa Francisca Romana, etc.) [2] Em 1975, o grande arquiteto da missa nova, Annibal Bugnini, foi denunciado a Paulo VI como maçom. O eclesiástico que o acusava fornecia provas e ameaçava tornar a coisa pública. Paulo VI levou a coisa muito a sério, e, para evitar escândalo, demitiu imediatamente Mons. Bugnini de suas funções de Secretário da Congregação para o Culto Divino, antes de nomeá-lo pró-núncio em Teerã (janeiro de 1976).281 Em 1976 e 1978, encontrou-se o nome de Annibal Bugnini nas listas de prelados maçons publicadas pela imprensa italiana. --------- 1- Estudo de Dom Edouard Guillou O.S.B “Les oraisons de La nouvelle messe et l’esprit de La reforme liturgique”. Encontra-se, neste, o texto completo dessas orações e exemplos complementares (estudo publicado em Fideliter nº 86, março-abril de 1992, p.58ss.). 2- Listas publicadas em Panorama nº538 (10.08.76), depois em L’Osservatore Politico de Mino Pecorelli (12.09.1978). Notemos que o jornalista Mino Pecorelli era , ele mesmo, maçom. Foi assassinado a tiros alguns meses mais tarde (20 de março de 1979). Sobre esse caso, ver a pesquisa do professor Carlo-Alberto Agnoli, La Maçonnerie à La conquête de l’Eglise, Versailles, Publications Du Courrier de Rome, 2001.
  12. Cardeais Ottaviani e Bacci, Carta entregue a Paulo VI, em 29 de setembro de 1969, acompanhada de um Breve exame Crítico do novo Ordo missae, redigido por um grupo de teólogos.
  13. Mandato Apostólico para a sagração recebido por Dom Lefebvre em 5 de maio de 1988 pelo finado-acordo entre o Arcebispo e o Cardeal Ratzinger.
  14. Código de Direito Canónico (PDF) p. 229. Santa Sé. Cópia arquivada em 21 de abril de 2015.
  15. A Fraternidade Sacerdotal de São Pio X pede mais tempo para reflexão
  16. Peregrinação da Fraternidade a Roma durante o Ano Santo 2000:
    Estiveram presentes mais de 6000 fiéis assistidos por eles e provenientes de todas as partes do mundo. http://fratresinunum.com/2015/03/09/breve-documentario-da-ewtn-sobre-a-peregrinacao-das-irmas-dominicanas-de-fanjeaux-a-roma-mons-arrieta-eles-tem-o-coracao-em-roma/ http://www.montfort.org.br/old/index.php?secao=imprensa&subsecao=igreja&artigo=tres-propostas-roma-fsspx&lang=bra https://tradicaovsvaticano.wordpress.com/5%C2%BA-peregrinacao-da-fsspx-em-roma-no-jubileo-de-2000-fotos/
  17. O nome do Papa Francisco é pronunciado na Missa dos padres da Fraternidade São Pio X. "...Una cum fámulo tuo Papa nostro Francisco..."
  18. 30GIORNI, nº9, setembro de 2005 e ao Canal 5, no domingo 13-XI-2005, às 09 da manhã.
  19. Cardeal Dario Castrillón Hoyos, prefeito da Congregação do Clero e presidente da comissão Ecclesia Dei no dia 13 de novembro de 2005, ao canal italiano de TV Canal 5.
  20. 3 de maio de 1994, o cardeal Edward Cassidy, presidente do Conselho Pontifício para a Unidade dos cristãos.
  21. Dom Athanasius Schneider.
  22. 30 de junho de 1988, Dom Marcel Lefebvre manifesta aos fiéis qual era sua intenção exata cometendo este ato
  23. http://laportelatine.org/quisommesnous/statistiques/stat.php
  24. http://laportelatine.org/ordres/ordlatin/ordlatin.php
  25. http://laportelatine.org/ordres/ordorien/ordorien.php
  26. Bishop Fellay: Jews, Masons and Modernists Are ‘Enemies of the Church’ (em inglês)
  27. Jovens rezam o terço e interrompem cerimônia inter-religiosa na Catedral de Buenos Aires. Papa Francisco lamenta “fanatismo”.

Ver também[editar | editar código-fonte]