Freak Kitchen

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Emblem-scales.svg
A neutralidade deste artigo ou se(c)ção foi questionada, conforme razões apontadas na página de discussão.


Freak Kitchen
Informação geral
Origem Gotemburgo
País  Suécia
Gênero(s) Hard rock
heavy metal
R.I.O.
Período em atividade 1994 - atualmente
Integrantes Mattias "IA" Eklundh
Christer Örtefors
Björn Fryklund
Ex-integrantes Christian Grönlund, Joakim Sjöberg
Página oficial www.freakkitchen.com

Freak Kitchen é uma banda de hard rock e heavy metal de Gotemburgo, Suécia, formada em 1992.[1]
A banda que tem influencias de vários estilos de música, dentre eles o heavy metal, glam rock, hard rock, R.I.O., e o prog metal. O gênio e fundador da banda Mattias "IA" Eklundh, compõe a maior parte das letras, e a banda é conhecida pela sagacidade, ironia, e humor negro das letras, quase sempre cheias de críticas à sociedade atual. Isso deve-se a uma das maiores influências da banda e de Mattias: Frank Zappa.

História[editar | editar código-fonte]

"...O emprego é seu cara, se você quiser..."[editar | editar código-fonte]

Tudo começa com o jovem guitarrista Mattias "IA" Eklundh, em meados de 1984. Mattias e o baterista Joakim Sjöberg tocavam juntos numa banda de thrash metal chamada Frozen Eyes, banda formada em 1984/85, que já eram conhecidos na cena de rock pesado de Gotemburgo e em outras partes do país, e após 5 demos lançadas, o LP da banda chegava as prateleiras no início de 1989.

Na mesma época, a banda de glam / hard rock Fate estava a procura de um novo guitarrista. Vendo que o Frozen Eyes não atingira o sucesso que desejava, ‘IA’ – apelido que ganhou dos amigos - viu a possibilidade de mudar o rumo da sua vida e da sua carreira musical. Viajou para Copenhagen, Dinamarca, para uma audição, mas por infelicidade, não levara nenhuma fita ou gravação consigo, que pudesse realmente mostrar sua verdadeira capacidade. Sem desistir tão fácil, Mattias colhia mais e mais informações sobre a banda dinamarquesa, principalmente sobre o novo álbum Crusin' and Brusin .

Assim que o baterista Bjarne Holm ouviu IA tocar, ficou abismado pelo seu domínio da técnica do instrumento e sensibilidade musical, e disse: "The job is yours, dude, if you want it!" (O cargo é seu, cara, se você quiser!). Mudando-se para Copenhagen aos 19 anos, Mattias acreditava que iria viver de rock. Com a banda, gravou o álbum Scratch ‘N Stiff em 1990 pela gravadora EMI. Depois de exaustivas excursões, a banda ganhou boa reputação e Mattias já era considerado um músico de primeira linha pela mídia especializada [carece de fontes?]. Mesmo depois de todo o sucesso, Mattias decidiu abandonar os rapazes dinamarqueses e voltar para Gotemburgo em 1992, em busca de escrever e tocar material diferente.

Cheio de mirabolantes boas ideias, Mattias chamou seu camarada de longa data Joakim Sjöberg (que havia tocado consigo no Frozen Eyes), e que agora morava em Los Angeles, EUA, e estava estudando bateria com seu e amigo e professor Mark Craney (Jethro Tull). Mattias falou a respeito da sua ideia, de formar uma nova banda. Joakim gostou da ideia, e meses depois ambos voltaram para a cidade natal, Linköping.

O baixista Christian Grönlund' foi descoberto num clube local, tocando com numa banda cover de Skid Row. O rapaz era bastante conhecido na cena glam/underground de Gotemburgo, e havia tocado com a banda Lazy Bones (que incluía membros da banda Hardcore Superstar). IA obteve o seu número de telefone com o amigo em comum Thomas Silver (hoje membro da Hardcore Superstar). Christian, cansado de bandas fúteis, que achavam que sua aparência era mais importante que a música, ficou muito interessado na proposta que IA fizera, e apareceu para uma audição.

Appetizer (1994)[editar | editar código-fonte]

Três músicos, um pequeno apartamento, e vários instrumentos e equipamentos. Era tudo que eles precisavam para deixar fluir a música que fervilhava em suas mentes. IA tinha várias ideias sobre harmonias vocálicas e estava cansado de escrever canções para outras pessoas cantarem, e então, depois de 10 anos como guitarrista, Mattias também se enveredava pelos caminhos vocálicos.

Sob o nome Freak Kitchen, a banda estava pronta para gravar. Mattias, depois de ter assinado com grandes gravadoras, tinha conhecimento suficiente para não deixar o Freak Kitchen transformar-se em 'fantoche das grandes companhias'. Quando a banda entrou em contato com a Torben´s Thunderstruck de Torben Schmidt, assinaram um contrato saudável que lhes permitia estar no controle de tudo: dos vídeos, merchandising, mixagem e masterização do álbum, coisa que a maioria das bandas não pode ter.

A banda lançou em Outubro de 1994 o álbum Appetizer. A revista sueca Metal Zone escreveu: 'O melhor álbum de estreia que uma banda sueca produziu nas duas últimas décadas '[carece de fontes?]. Ganharam também uma premiação anual chamada Zeppelin de 'melhor banda de hard-rock do ano'. Gravaram o vídeo 'Raw', lançado no cd triplo 'Swedish hard rock and heavy metal 1970-1996' (Vertigo) lançado em julho de 1996. Appetizer foi produzido por Torben Schmidt, líder da banda Skagarack e mixado por Michael Ilbert (Roxette, Sator, Brainpool, etc.).

Spanking Hour (1995-1996)[editar | editar código-fonte]

A banda passou todo o ano de 1995 excursionando por turnês, bares, casas de show, e neste ritmo a banda gravou um novo álbum, Spanking Hour lançado em 1996. Entraram para a lista do Roskilde Festival junto de bandas como o Pink Cream 69 e Thunderbird. O cheiro de diesel, noites de insônia e condições de tempo desfavoráveis só ajudaram na composição de músicas como Jerk e 'Burning Bridges, feitas sobre o asfalto das estradas alemãs [carece de fontes?].

Nesta época, Mattias visitou o Japão e a revista japonesa Young Guitar promoveu uma enquete para que os leitores respondessem a diversas perguntas sobre vários quesitos. Do resultado foi montado um ranking que aponta o Freak Kitchen em 15º lugar ao lado de bandas como Pantera (em 10º) e Metallica, (em 9º lugar). A visita para o Japão também rendeu uma reunião com a companhia Caparison Guitars, cujo luthier se ofereceu para construir cópias em série da guitarra de Mattias, cujo modelo foi concebido pelo próprio Mattias.

Freak Kitchen e Dead Soul Men (1998-2000)[editar | editar código-fonte]

No final de 1998, o grupo lançou seu terceiro álbum, Freak Kitchen, que já trazia inovações no som em relação aos dois primeiros álbuns, e como a banda mesmo definia era um álbum de 'pop from hell' (do inglês, 'pop do inferno'). IA gracejou sobre a escolha do nome do álbum: 'Talvez chamemos de 'Black Álbum' (referência ao quinto álbum da banda Metallica), ou quem sabe 'III'. Mas na real, o álbum terá o nome da banda.'[carece de fontes?].

Em 2000 saiu Dead Soul Men, que segundo a banda, consiste em um álbum de ‘heavy-pop-rock-latin-world-jazz-avant-garde-metal-blues-record straight from hell!’ [2].

Segunda Formação[editar | editar código-fonte]

No dia 23 de dezembro de 2000, Mattias anunciou que Joakim Sjöberg (bateria) e Christian Grönlund (baixo) não faziam mais parte da banda, após nove anos, quatro álbuns e mais de cem shows. Joakim e Christian saíram da banda por motivos pessoais. IA declarou que a banda poderia ficar em hiato por algum tempo.

Em 2001, IA apresentou os novos integrantes da Freak Kitchen: o baterista Björn Fryklund e o baixista Christer Örtefors. Björn Fryklund fora uma escolha natural, dado que IA soube era um bom baterista e igualmente um enorme fã da música da banda. Björn havia tocado em várias bandas na Suécia, e era considerado quase celebridade. Christer Örtefors era vocalista da banda de fusion Road Ratt, banda que ganhou o Rockslaget em 1990 e gravou um trabalho em 1992. Os caminhos de IA e de Christer se cruzaram muitas vezes no passado.

Move, Organic (2002-2005)[editar | editar código-fonte]

Com a nova formação, foi lançado o álbum Move de 2002: 'mais metal, mais experimental', esse álbum é considerado pela banda o melhor álbum do Freak Kitchen[2].

Organic (2005) traz algumas participações especiais, como Ron Thal, também conhecido como Bumblefoot (Bumblefoot, também atual guitarrista do Guns n Roses) na faixa de abertura do álbum, Speak When Spoken To. 'Um disco estranho, pesado e divertido, que ainda traz na capa uma pintura expressionista do fabuloso artista francês Thierry Cardinet'[2].

Membros[editar | editar código-fonte]

Atualmente[editar | editar código-fonte]

Ex-membros[editar | editar código-fonte]

Membros convidados[editar | editar código-fonte]

  • Ron Thal - Guitarra e Vocais
  • Amanda Grönlund - Vocais
  • Zara - Vocais
  • Torben Schmidt - Vocais

Projetos paralelos[editar | editar código-fonte]

  • Mattias Eklundh - Fate, Frozen Eyes, Locomotive Breath, Mattias Eklundh band (solo), Mister Kite, Pagan.
  • Christer Örtefors - Road Ratt
  • Björn Fryklund - Amatis, A-Team, Björn & Benny Med Barbro, Bombardier, Carpet Ride, CenSouls, Choir III, Dr. Glas, Eldruvan, Fantasy, Forskningen, Full Strike, George Wallén Project, Isodos, Jan L Fredriksen Quartet, Johan Nilson, Lame, Lasse Liten Blues Band, Moment 22, môra-Per, Night Club Special, Papa'o, Six Pack, Six Trixx, Spicey Spiders, The Spotnicks, Sven-Ingvars, Wino Bob.

Discografia[editar | editar código-fonte]

Álbuns[editar | editar código-fonte]

EP[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Freak Kitchen» (em inglês). Encyclopaedia Metallum. Consultado em 5 de junho de 2016 
  2. a b c «Albuns do Freak Kitchen, site oficial» 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Freak Kitchen