Fred Dretske

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Fred Dretske
Nascimento 9 de dezembro de 1932
Waukegan
Morte 24 de julho de 2013 (80 anos)
Cidadania Estados Unidos
Alma mater Universidade de Minnesota
Ocupação filósofo, professor universitário
Prêmios Prêmio Jean Nicod
Empregador Universidade Duke
Causa da morte Insuficiência cardíaca

Fred Dretske estuda Filosofia da Mente e atualmente é professor na Duke University nos EUA. Ele é um epistemólogo que propôs em seu ensaio "Conclusive Reasons" (Razões Conclusivas), que as evidências, as bases e as razões devem ser consideradas como justificativas para as crenças[1].

Ele diz que:

"podemos dizer de qualquer assunto "S", que se acredita que "P" e quem tem razões conclusivas para acreditar que "P", que, por conta destas razões, ele não poderia estar errado sobre "P" ou, tendo em conta estas razões, é falso que ele pode estar enganado sobre "P".

Suponha-se, então, que

(1) "S" sabe que "P" e ele sabe disso, com base (simplesmente) de "R" implica

(2) R não seria o caso, a menos de "P" fosse o caso.

A última fórmula expressa uma relação entre "R" e "P", que é forte o suficiente, eu afirmo, que nos permitam dizer que, se a afirmação(2) é verdadeira, então "R" é uma razão conclusiva para "P".

Porque, se (2) é verdadeira, temos o direito, não somente para negar que, por conta "R", "não-P" é o caso, mas também que, dado "R", "não-P" pode ser o caso.

Ou seja, (2) elimina "R" e "não-P" como um possível (conjunto) estado de relações e, quando nos é dado "R", ele elimina "não-P" como um possível estado de relações. Isto é assim porque (2) implica uma falsidade,

(3) Embora "R" é o caso "P" pode não ser o caso." 'Fred Dretske CONCLUSIVE REASONS (1971) [2]

  1. Fred Dretske publicado em "The Information Philosopher"
  2. Conclusive Reasons Australasian Journal of Philosophy (Vol. 49, No. 1 em Maio de 1971)

Notas

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

  • Bernecker, S. and Dretske, F. (2000), Knowledge, 595 pp. Oxford: Oxford University Press.