Frederico Miguel, Conde Palatino de Zweibrücken

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Frederico Miguel
Conde Palatino de Zweibrücken
Frederico Miguel por Louis Tocqué
Cônjuge Maria Francisca de Sulzbach
Descendência Carlos II Augusto, Duque de Zweibrücken
Clemente Augusto do Palatinado-Zweibrücken
Amália do Palatinado-Zweibrücken
Maria Ana do Palatinado-Zweibrücken
Maximiliano I José da Baviera
Karl Friedrich Stephan
Casa Wittelsbach
Nascimento 27 de fevereiro de 1724
  Ribeauvillé, Alsácia
Morte 15 de agosto de 1767 (43 anos)
  Schwetzingen, Baden-Württemberg
Pai Cristiano III, Conde Palatino de Zweibrücken
Mãe Carolina de Nassau-Saarbrücken

Frederico Miguel, Conde Palatino de Zweibrücken-Birkenfeld (27 de Fevereiro de 172415 de Agosto de 1767) foi um membro da dinastia de Wittelsbach. Era filho de Cristiano III, Conde Palatino de Zweibrücken e da princesa Carolina de Nassau-Saarbrücken e membro da Casa do Palatinate-Zweibrücken-Birkenfeld, um ramo secundário da Casa de Wittelsbach. Era pai do rei da Baviera, Maximiliano I José.

Guerra dos Sete Anos[editar | editar código-fonte]

Frederico Miguel era também marechal-de-campo do Palatinado, governador de Mannheim e, finalmente, em 1758 foi nomeado Marechal-de-campo do Sacro Império e comandante-em-chefe do Reichsarmee durante a Guerra dos Sete Anos contra Frederico, o Grande. Após a Batalha de Rossbach, conseguiu voltar a levantar a moral do exército imperial, que tinha sido dizimado e, por isso, recebeu a Grã Cruz da Ordem Militar de Maria Teresa.[1] No outono de 1758, invadiu a Saxónia, tomou a fortaleza de Sonnenstein[2] e deu início ao certo de Leipzig. No ano seguinte, foram conquistadas as cidades de Leipzig, Torgau, Wittenberg e Dresden. Prestou auxílio ao marechal Daun na Batalha de Maxen e venceu a Batalha de Strehlen. Em 1761, reformou-se do seu posto e entregou as suas tropas ao marechal-de-campo Johann von Serbelloni. Após a Paz de Hubertusburg Frederico Miguel recebeu o comando geral da Boémia e, mais tarde, tornou-se presidente da conferência militar secreta.

Família[editar | editar código-fonte]

Frederico Miguel casou-se com Maria Francisca de Sulzbach, neta de Carlos III Filipe, Eleitor Palatino, e teve cinco filhos:

  1. Carlos Augusto (Karl August) (29 de Outubro de 1746 – 1 de Abril de 1795), casado com a princesa Maria Amália da Saxónia; com descendência.
  2. Clemente Augusto (Klemens August) (18 de Setembro de 1749 – 19 de Junho de 1750), morreu com nove meses de idade
  3. Amália (Amalia) (10 de Maio de 1752 – 15 de Novembro de 1828), casada com o rei Frederico Augusto I da Saxónia; com descendência.
  4. Maria Ana (Maria Anna) (18 de Julho de 1753 – 4 de Fevereiro de 1824), casada com o duque Guilherme da Baviera; com descendência.
  5. Maximiliano I José (Maximilian Joseph) (27 de Maio de 1756 – 13 de Outurbro de 1825), rei da Baviera entre 1799 e 1806. Casou-se primeiro com a princesa Augusta Guilhermina de Hesse-Darmstadt; com descendência. Casou-se depois com a princesa Carolina de Baden; com descendência.

Teve também um filho ilegítimo com a sua amante, Louise Cheveau :

  • Karl Friedrich Stephan (1767 – 1834), barão de Schönfeld (1813), conde de Otting e Fünfstetten (1817). A sua filha Luise casou-se com August von Senarclens de Grancy.

Genealogia[editar | editar código-fonte]

Os antepassados de Frederico Miguel, Conde Palatino de Zweibrücken em três gerações
Frederico Miguel, Conde Palatino de Zweibrücken Pai:
Cristiano III, Conde Palatino de Zweibrücken
Avô paterno:
Cristiano II, Conde Palatino de Zweibrücken-Birkenfeld
Bisavô paterno:
Cristiano I, Conde Palatino de Birkenfeld-Bischweiler
Bisavó paterna:
Madalena Catarina do Palatinado-Zweibrücken
Avó paterna:
Catarina Ágata de Rappoltstein
Bisavô paterno:
João Jacob, Conde de Rappoltstein
Bisavó paterna:
Ana Cláudia de Salm-Kyrburg
Mãe:
Carolina de Nassau-Saarbrücken
Avô materno:
Luis Crato, Conde de Nassau-Saarbrücken
Bisavô materno:
Gustavo Adolfo, Conde de Nassau-Saarbrücken
Bisavó materna:
Leonor Clara de Hohenlohe-Neuenstein
Avó materna:
Filipina Henriqueta de Hohenlohe-Langemburgo
Bisavô materno:
Henrique Frederico, Conde de Hohenlohe-Langemburgo
Bisavó materna:
Juliana Dorotéia de Castell-Remlingen

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Jaromir Hirtenfeld: Der Militär-Maria-Theresien-Orden und seine Mitglieder, Kaiserliche Hof- und Staatsdruckerei, Wien 1857, p. 1728.
  2. Karl Wilhelm Böttiger: Geschichte des Kurstaates und Königreiches Sachsen, Band 2, F. Perthes, 1831, p. 336

Bibliografia[editar | editar código-fonte]