Frederyko

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Frederyko
Informação geral
Nome completo Frederico Mendonça de Oliveira
Também conhecido(a) como Fredera
Nascimento 20 de maio de 1945 (72 anos)
Origem Rio de Janeiro, Rio de Janeiro
País Brasil
Ocupação(ões) Compositor, jornalista e pintor
Gravadora(s) Philips, Odeon, Som da Gente

Frederico Mendonça de Oliveira, Frederyko ou Fredera, músico, pintor e compositor, era o guitarrista solo da banda Som Imaginário, uma das bandas que integrou, além de acompanhar diversos artistas da musica brasileira, um dos maiores guitarristas brasileiros hoje reside na cidade de Alfenas no sul de Minas Gerais.

Frederico Mendonça de Oliveira nasceu no Rio de Janeiro (RJ), no bairro da Tijuca, em 20 de maio de 1945. Seu pai, Manuel José de Oliveira, foi um funcionário público que "arranhava um violão". Sua mãe, Nilza Mendonça de Oliveira, tinha o dom do canto. Fredera nunca estudou em um conservatório ou qualquer instituição de ensino musical, a despeito das tentativas de sua mãe. Enquanto ainda era criança, ele começou a estudar a música através do rádio, ouvindo jazz e música erudita.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Iniciou sua carreira profissional em 1968. Nessa época, tornou-se amigo de Milton Nascimento, Wagner e Marilton Borges, com quem viria a fazer parte do Clube da Esquina.

Em 1968 e 1969, integrou, juntamente com Nonato Buzar, os músicos Edinho Trindade, Camarão, José Roberto Bertrami, Alex Malheiros, Victor Manga, Marcio Montarroyos, Ion Muniz, Raul de Souza e Chacal, e as cantoras Regininha, Dorinha Tapajós e Málu Ballona, o conjunto A Turma da Pilantragem, com o qual lançou dois LPs homônimos, um 1968 e outros em 1969, e álbum "A Turma da Pilantragem Internacional" em 1969.

Na década de 1970, fez parte do grupo Som Imaginário, com o qual se apresentou em shows, e lançou os LPs "Som Imaginário" (1970), "Som Imaginário" (1971) e "Matança do Porco" (1973). O grupo registrou as seguintes composições de sua autoria: "Pantera" (c/ Fernando Brant), "Sábado" e "Nepal", no LP "Som Imaginário", de 1970; "Gogó (O alívio rococó)" e "A nova estrela", ambas com Wagner, "Cenouras", "Ascenso" (c/ Fernando Brant), "Salvação pela macrobiótica" e "Xmas blues", no LP "Som Imaginário", de 1971. Também com o grupo, acompanhou Milton Nascimento em vários discos e shows nacionais e internacionais.

Em 1981, lançou o LP "Aurora vermelha" (Som da Gente), contendo suas composições "Aurora vermelha", "Músico viajante-revelações", "Um bolerésio (Para Tenório Jr, no céu)", "Clara, cheia de luz", faixa que contou com a participação de Gonzaguinha, "Pequeno poema libertário (Para guitarra, cuíca e piano acústico)" e "O horizonte nos olhos de Manu".

Em 1984, mudou-se para Alfenas, onde passou a atuar também nas áreas de artes plásticas, literatura e o jornalismo.

Ao longo de sua trajetória, atuou com vários artistas, como Gal Costa, Gilberto Gil, Caetano Veloso, Raul Seixas, Marcos Valle, Beto Guedes, Ivan Lins e Gonzaguinha.

Tem canções gravadas por Marcos Valle ("Paisagem de Mariana", no LP "Vento sul"/1972), Maricenne Costa ("É paciência é tentação", no LP "Maricenne Costa"/1980) e Roupa Nova ("Sábado", no LP "Roupa Nova"/1982).

Ligações externas[editar | editar código-fonte]