Free the Nipple (campanha)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Free the Nipple redireciona para este artigo. Para o filme, veja Free the Nipple (filme).

Free the Nipple (em português: Liberte o mamilo) é uma campanha de igualdade de gênero nomeada após o filme de Lina Esco de 2014 Free the Nipple.[1] A campanha argumenta que às mulheres e aos homens deveria ser concedida a mesma liberdade e proteção, nos termos da lei. O movimento visa promover a igualdade de gênero e se opor a objetificação sexual.

História[editar | editar código-fonte]

Participante da campanha na World Naked Bike Ride em Londres em junho de 2015
Free the nipple na Edingburgh Fringe Festival 2017

Apesar de alteração dos estatutos e regulamentos legalizando o topless para as mulheres em um número de estados, as mulheres ainda estão em risco de serem acusadas ​​de indecência pública, perturbação da paz, ou comportamento lascivo.[2] Uma dessas mulheres foi Phoenix Feeley, presa e encarcerada por estar de topless no estado de Nova Iorque no ano de 2005. Uma vez que ficou provado que a lei foi mal aplicada, considerando que o topless feminino tinha sido legalizado há quase 15 anos no estado de Nova Iorque, Feeley foi libertada e, posteriormente, recebeu US$ 29.000 em indenização.[3]

Em 2015, a campanha chamou a atenção na Islândia e foi apoiada pela parlamentar Björt Ólafsdóttir, que postou uma foto de topless de si mesma, em solidariedade com uma ativista adolescente que tinha sido assediada por fazer o mesmo.[4]

Leis de exposição indecente[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Topfreedom

De acordo com as leis de nudez e decência pública nos Estados Unidos, Nova Iorque, Havaí, Maine, New Hampshire,[5] Ohio e Texas são o seleto punhado de estados que legalizaram explicitamente o topless de homens e mulheres em lugares públicos.[carece de fontes?] por outro lado, a maioria dos estados nos EUA, notam explícita ou implicitamente que qualquer tipo de exposição da aréola feminina é um ato de exposição indecente e, portanto, um crime. Arizona, Flórida, Havaí, Illinois, Nova Iorque, Carolina do Sul, Utah, Virgínia e Washington são os únicos estados cujas leis distinguem expressamente mães que estão amamentando comparado a performances de "lascívia pública."[6]

Embora a maioria dos estados proíbam as mulheres de estar de topless, New Hampshire não proíbe as mulheres de ficar de topless, se aos homens são permitidos o mesmo privilégio, e é por isso que áreas como as praias de Hampton, Laconia e Gilford tornaram-se lugares populares para protesto.[7] De fato, em 09 de março de 2016, a Câmara Criminal da Justiça e Comissão de Segurança Pública de New Hampshire votou por 18 votos a 0 para arquivar um projeto de lei que proibiria o topless nas praias do estado. Sua razão para negar o projeto foi, "porque passar o projeto de lei garantiria que a lei iria ser contestada na corte federal porque violaria os direitos de proteção igual nos termos da Constituição."[8] Em outras palavras, o projeto de lei foi negado porque é ilegal tentar limitar corpos só do sexo feminino.

Não é inerentemente ilegal estar de topless no Reino Unido. Em 2009, a Polícia Metropolitana de Londres disse à BBC que "não era um crime estar nu em público".[9] No Reino Unido, é tecnicamente legal tomar sol nu em qualquer praia, e passeios nus de bicicleta ocorrem a cada ano em Londres.[10] No entanto, Stephen Gough passou vários anos na prisão na Escócia por violar uma ordem impedindo-o de estar nu em público.

Censura online[editar | editar código-fonte]

Tabus estadunidenses ao redor do mamilo feminino ainda são aplicadas por muitas plataformas de mídia social como Facebook e Instagram, que proíbem todo e qualquer "conteúdo gráfico" que retrata a aréola de uma mulher.[11][12] As diretrizes de comunidade do Instagram exigem de seus usuários, "Mantenha suas roupas". No entanto, esta regra só parece se aplicar a imagens que contêm mamilos de mulheres enquanto elas são prontamente removidas por Instagram, a menos que a própria aréola esteja coberta. Em contraste, as fotos que caracterizam os homens de topless em geral, não estão sujeitas a este regulamento. Chelsea Handler,[13] Miley Cyrus,[14] Rihanna e Scout Willis[15] receberam a resposta do Instagram por compartilhar fotos de seus mamas expostas. Willow Smith também teve uma imagem removida porque a retratou vestindo uma camisa com um par de mamilos femininos impressos nela, embora a própria camisa era de corte bastante conservadora.[16] Ao explicar a necessidade de remover a nudez, o CEO do Instagram Kevin Systrom culpou o sistema de classificação da loja de aplicativos da Apple.[17][18]

Eliminar a censura online das imagens do Free the Nipple é um dos objetivos do movimento. A censura, e especialmente a censura de sites de mídias sociais, agrava o problema de que os movimentos sociais, principalmente aqueles considerados tabu, topam com quem está se espalhando a mensagem. O uso de mídias sociais como Facebook, Twitter e Instagram, tem melhorado muito a capacidade dos ativistas de espalhar a sua mensagem na última década, tornando mais fácil para criar uma identidade coletiva.[19] Este obstáculo público limita um aspecto organizacional chave dos movimentos sociais que Charles Tilly chamou de VUNC ou Valor, Unidade, Números e Compromisso.[20] A necessidade dos ativistas para conseguir o VUNC é crítica para o sucesso de seu movimento, porque sem ele, o apoio morre rapidamente. Os ativistas do Free the Nipple precisam de TICs em seu repertório porque as ações de mídia social levam ao pluralismo acelerado, que pode levar ao efeito de transbordamento, o que pode ser visto nos movimentos Occupy Wall Street e Primavera Árabe. [21]O transbordamento para a esfera pública é o que os ativistas do movimento social esperam porque quando ativistas se reúnem para protestar, leva a que Jϋrgen Habermas chama de ação comunicativa, ou mudança.[22]

Filme[editar | editar código-fonte]

Em 2014, a diretora Lina Esco lançou seu filme estadunidense Free the Nipple. O filme é concentrado em torno de um grupo de jovens mulheres que tomam as ruas de Nova Iorque quando eles protestam contra os muitos tabus legais e culturais em relação às mamas femininas por meio de golpes de publicidade, instalações de grafite, e de advogados da Primeira Emenda. Filmado originalmente em 2012, foi quase impossível para dar ao filme um grande lançamento o que levou, portanto, a Esco iniciar o movimento em dezembro de 2013.[23][24][25]

Referências

  1. Jenny Kutner (16 de dezembro de 2014). «"Maybe America just needs a big blast of boobies": Lina Esco tells Salon about her topless crusade to free the nipple» (em inglês). Salon.com. Consultado em 4 de abril de 2015. 
  2. Gerson Uffalussy, Jennifer. "The Weird, Wild Legal History of Breasts and Nipples". Yahoo, Califórnia, 12 de dezembro de 2014. Consultado em 20 de janeiro de 2015. (em inglês)
  3. NBC News. "NYC pays $29,000 over topless arrest" Associated Press, Nova Iorque, 18 de junho de 2007. Consultado em 1 de março de 2015. (em inglês)
  4. Heawood, Sophie (04 de abril de 2015). «#FreeTheNipple: Liberation or titillation?» (em inglês). The Guardian. Consultado em 22 de dezembro de 2015.  Verifique data em: |data= (ajuda)
  5. Cappadona, Bryanna (19 de agosto 2015). «Free the Nipple movement comes to Hampton beach» (em inglês). Boston.com. Consultado em 22 de dezembro de 2015. 
  6. HG.org. "Nudity and Public Decency Laws in America". HG.org. Consultado em 20 de janeiro de 2015 (em inglês).
  7. «No challenge - Toplessness at Gilford beach won't be fought in court but is still not going to be tolerated, say selectmen». laconia (em inglês). Consultado em 5 de maio de 2016. 
  8. «Bookmarkable URL intermediate page». web.b.ebscohost.com (em inglês). Consultado em 5 de maio de 2016. 
  9. «When does public nakedness become a crime?». BBC News (em inglês). 3 de setembro de 2009 
  10. Brown, Lindsay (5 de novembro de 2015). «This is where you can be naked in public in the UK» (em inglês). BBC. Consultado em 22 de dezembro de 2015. 
  11. Esco, Lina. "Facebook Wages War on the Nipple" Huffington Post, Nova Iorque, 7 de janeiro de 2014. Consultado em 20 de janeiro de 2015 (em inglês).
  12. Zeilinger, Julie (21 de agosto de 2015). «Here's what the Free the Nipple movement has really accomplished» (em inglês). Mic. Consultado em 22 de dezembro de 2015. 
  13. Marcotte, Amanda. "Chelsea Handler Stands Up for Freed Nipples". [The Slate Group], 31 de outubro de 2014. Consultado em 20 de janeiro de 2015 (em inglês).
  14. Hathaway, Jay. "Miley Cyrus Frees Her Nipples in Topless Instagram Photo". [Gawker], Nova Iorque, 29 de dezembro de 2014. Consultado em 2 de março de 2015. (em inglês)
  15. Rosenfield, Kat. "Rihanna Joins Scout Willis In #FreeTheNipple Topless Instagram Campaign". [MTV], Nova Iorque, 29 de maio de 2014. Consultado em 2 de março de 2015. (em inglês)
  16. Bacardi, Francesca. "Willow Smith's "Topless" Picture Is the Latest Instagram Naked Photo Controversy". E! Online, Califórnia, 22 de janeiro de 2015. Consultado em 2 de março de 2015 (em inglês).
  17. Bolton, Doug (6 de outubro de 2015). «Free the Nipple: What types of nipples are allowed on Instagram?» (em inglês). The Independent. Consultado em 22 de dezembro de 2015. 
  18. Scott, Ellen (6 de outubro de 2015). «Why Instagram won't be freeing the nipple» (em inglês). Metro. Consultado em 22 de dezembro de 2015. 
  19. Carty, Victoria (2015). Social Movements and New Technologies (em inglês). [S.l.]: Westview Press. p. 164-178 
  20. Collins, Randall (março de 2010). «The Contentious Social Interactionism of Charles Tilly». Social Psychology Quarterly (em inglês) 
  21. Stepanova, Ekaterina (maio de 2011). «The Role of Information Communication Technologies in the "Arab Spring"» (PDF). Institute of World Economy and International Relations (em inglês) 
  22. Habermas, Jurgen (1984). The Theory of Communicative Action (em inglês). [S.l.]: Beacon Press 
  23. Esco, Lina. Free the Nipple. Disruptive Films Inc., 2014. Consultado em 20 de janeiro de 2015 (em inglês).
  24. «The Naked Truth Behind the 'Free the Nipple' Movement» (em inglês). Etonline.com. 3 de dezembro de 2014. Consultado em 4 de abril de 2015. 
  25. Siegemund-Broka, Austin (29 de setembro de 2014). «'Free The Nipple' Picked Up By Sundance Selects For North American Release» (em inglês). Hollywood Reporter. Consultado em 21 de dezembro de 2015.