Friedrich Schleiermacher

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Wikitext.svg
Este artigo ou seção precisa ser wikificado (desde outubro de 2012).
Por favor ajude a formatar este artigo de acordo com as diretrizes estabelecidas no livro de estilo.
Friedrich Schleiermacher

Friedrich Daniel Ernst Schleiermacher (Breslau, 21 de novembro de 1768Berlim, 12 de fevereiro de 1834) foi pregador em Berlim na Igreja da Trindade e professor de Filosofia e Teologia em Halle an der Saale. Traduziu as obras de Platão para o alemão. Foi influenciado por Kant e Fichte, mas não se tornou um idealista subjetivo.


A interpretação da religião[editar | editar código-fonte]

Friedrich Schleiermacher, teólogo e filósofo, foi contemporâneo de Johann Fichte, Friedrich Schelling, Friedrich Krause e Friedrich Hegel. Em 1797, em Berlim, conheceu Friedrich Schlegel e uniu-se ao círculo dos românticos, colaborando com o Athenaeum. Posteriormente, ensinou Teologia em Halles e, a partir de 1810, em Berlim, é nomeado pregador da corte, depois professor de Teologia e Filosofia.

As obras que lhe deram maior notoriedade foram os "Discursos sobre Religião" (1799) e os "Monólogos" (1800). Em 1822, publicou a "Doutrina da fé", que tem importância sobretudo em relação à teologia dogmática protestante. Entre 1804 e 1828, traduziu os diálogos de Platão. Postumamente, foram publicadas as aulas relativas à dialética, à ética e à estética, além de outros temas, dentre os quais revestem-se de particular importância a Hermenêutica, na qual se revela precursor.

As suas doutrinas exerceram grande influência na teologia protestante e foram estudadas, com a evolução do seu espírito, por Dilthey, que dividiu em quatro períodos a sua atividade literária: a juventude (manuscritos), período da intuição (1796-1802), época crítica (1802-1806), período sistemático (1806-1834). Ao contrário de Hegel, Schleiermacher não subordina a religião à Filosofia, porque o sentimento, como unidade originária de pensamento e querer, não é abolido pelo pensamento. O sentimento da imortalidade e da fé na imortalidade fundam-se na "imortalidade da união da essência de Deus com a natureza humana na pessoa de Cristo".

Para Schleiermacher, a religião é a relação do homem com a Totalidade (com o Todo). Ora, a Totalidade e o Todo relacionam-se também com a metafísica e a moral, como ressalta Giovanni Reale[1] . Mas isso, segundo o nosso filósofo-teólogo, foi fonte de graves equívocos, que fizeram penetrar indevidamente na religião grande quantidade de idéias filosóficas e morais. Mas a metafísica diz respeito ao pensamento que se vincula à Totalidade, ao passo que a ética diz respeito ao agir em relação à Totalidade (as simples ações vistas como "deveres" deduzidos da natureza do homem em relação com o universo).

A religião, no entanto, não é pensamento nem atividade moral. É intuição e sentimento do infinito e, como tal, possui fisionomia bem precisa, que se distingue tanto da metafísica como da ética [1] . A religião não aspira a conhecer e explicar o universo em sua natureza, como a metafísica, nem aspira a continuar o seu desenvolvimento e aperfeiçoá-lo através da liberdade e da vontade divina do homem, como a moral. A sua essência não está no pensamento nem na ação, e sim na intuição e no sentimento. Ela aspira a intuir o Universo; quer ficar contemplando-o piedosamente em suas manifestações e ações originais; quer fazer-se penetrar e preencher por suas influências imediatas, com passividade infantil.

Assim, a religião se opõe a ambas em tudo o que constitui sua essência e em tudo o que caracteriza os seus efeitos. Em todo o universo, elas não vêem nada mais além do que o homem no centro de toda relação, como condição de todo ser e causa de todo devir; esta, porém, tende a ver no homem, não menos que em todas as outras coisas particulares e finitas, o infinito, a imagem, a marca, a expressão do Infinito." E mais: "A intuição do Universo (...) é a pedra angular de todo o meu discurso, é a fórmula mais universal e mais elevada da religião, através da qual podeis descobrir todas as suas partes, e se podem determinar a sua essência seus limites do modo mais exato. Toda intuição deriva da influência do objeto intuído sobre o sujeito que intui, da ação originária e independente do primeiro, que é acolhida, compreendida e concebida pelo segundo, em conformidade com a sua natureza."

A ação do infinito sobre o homem, portanto, é a intuição. E o sentimento é a resposta do sujeito: é o estado de espírito, ou seja, a reação da consciência. Este sentimento que acompanha a intuição do infinito é sentimento de total dependência do sujeito em relação ao infinito. O sentimento religioso, portanto, é sentimento de total dependência do homem (finito) em relação à Totalidade (infinita).

Essa idéia básica vale, como diz Schleiermacher, para todas as formas de religião. Mas, com o passar dos anos, ele também acabou por privilegiar o cristianismo. Cristo passou a aparecer-lhe sempre mais como o Mediador e o Redentor e, portanto, acabou por assumir aos seus olhos aquelas características divinas que ele negara inicialmente, como sustenta Reale [1] .

Na sua "A fé Cristã" (1821-1822), Schleiermacher faz uma formulação sistemática da cristologia, segundo a qual Jesus é o Urbild, a imagem originária do que o homem é antes da queda. No entanto, Tillich considera sua formulação mais completa, pois para ele o Novo Ser não é somente o Urbild, o homem essencial, o homem perfeito, ideal da consciência religiosa, e sim o homem novo, aquele que participa da existência e vence sua alienação [2] . No "A fé Cristã", portanto, é traçada uma nova síntese entre fé e cultura e entre teologia [protestante] e filosofia[3] .

Dessa forma, por ser todo o seu pensamento profundamente cristocêntrico, Schleiermacher afirma que o cristão tem consciência de depender de algo superior, sobrenatural, derivando-se daí sua consciência ética, uma vez que tudo está subordinado àquela sensação religiosa, que, enfraquecendo-se, gera o pecado, fortalecendo-se, gera a graça.

Para ele o cristão pergunta a si mesmo continuamente: o que deve ser, à luz da consciência cristã? Assim, ele harmonizou as concepções do protestantismo com as convicções da burguesia culta e liberal. Foi considerado radical pelos ortodoxos e visionário pelos racionalistas, mas influenciou, mais do que qualquer outro teólogo, o pensamento protestante do século XIX.

Rosino Gibellini comentando a hermenêutica de Schleiermacher diz que ela pode muito bem ser aplicada na Religião para se entender a vida espiritual: "As ciências do espírito compreendem um fato espiritual, quando decifram seu sentido inserindo-o numa conexão significativa. A compreensão da vida espiritual, expressa e estabelecida em documentos escritos, é possível quando quem compreende e interpreta toma por base a expressão (Ausdruck) linguistístico-literária e chega à própria experiência espiritual (Erlebnis) do autor, revivendo-a na identificação (mitfuhlendes Nacherleben). Do mesmo modo que pode ser objetivada em documentos escritos, a vida espiritual também pode ser revivida no processo e interpretada[4] .

A concepção que Schleiermacher tem de Deus, baseada no sentimento de dependência absoluta, de Deus como unidade absoluta do ideal e do real, enquanto no conceito do mundo se manifesta a unidade relativa do ideal e do real, obriga a concluir que nao há identidade entre Deus e o mundo, mas também que Deus não é pensável separado do mundo. Esta concepção tem raízes em Plotino e nalguma mística cristã e é atribuída a Schleiermacher, que, de fato, procura eliminar a contradição entre panteísmo e teísmo.

Schleiermacher, dentre outros, concebe Deus, para além do naturalismo e do sobrenaturalismo, como o "ser-em-se", como "o fundamento criador de tudo que existe", como "a potência incondicionada e infinita do ser". Entretanto, para o naturalismo Deus está no mundo e, por outro lado, para o sobrenaturalismo Deus está acima do mundo.

Por fim, a religião para Schleiermacher é uma relação do homem com a totalidade, é intuição e sentimento do infinito. A religião, assim, aspira a intuir o universo, tende a ver no homem, e em todas as outras coisas finitas, o infinito, a imagem, a marca, a expressão do infinito: a ação do infinito sobre o homem é, portanto, a intuição, e a resposta do sujeito é o sentimento de total dependência do infinito.

Referências

  1. a b c REALE, Giovanni; ANTISERI, Dario. "Schleiermacher: a interpretação da religião, o relançamento de Platão e a hermenêutica". In: História da filosofia: do Romantismo ao Empiriocriticismo. 5. ed. São Paulo: Paulus, 2005. cap. II, p. 21.
  2. GIBELLINI, Rosino. A teologia do século XX. 2. ed. Loyola: São Paulo, 1998, p. 99.
  3. Idem, p. 103.
  4. GIBELLINI, Rosino. A teologia do século XX. 2. ed. Loyola: São Paulo, 1998, p. 59"

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • ENCICLOPÉDIA MIRADOR INTERNACIONAL. Verbete: SCHLEIERMACHER. São Paulo, 1976, p. 10284.
  • BERMAN, Antoine. L'épreuve de l'étranger. Culture et traduction dans l'Allemagne romantique: Herder, Goethe, Schlegel, Novalis, Humboldt, Schleiermacher, Hölderlin. París: Gallimard, 1984. ISBN 978-2070700769.
  • GIBELLINI, Rosino. A teologia do século XX. 2. ed. São Paulo: Loyola, 1998.
  • REALE, Giovanni; ANTISERI, Dario. "Schleiermacher: a interpretação da religião, o relançamento de Platão e a hermenêutica". In: História da filosofia: do Romantismo ao Empiriocriticismo. 5. ed. São Paulo: Paulus, 2005. cap. II, p. 20-22.

Livros em Português[editar | editar código-fonte]

  • Hermenêutica - Arte e Técnica da Interpretação. Petrópolis: Vozes, 2010.
  • Hermenêutica e Crítica. Vol. 1, Ijuí: UNIJUÍ (RS), 2005.
  • Sobre a Religião. São Paulo: Fonte Editorial, 2000

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.