Fritz Haarmann

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Fritz Haarmann
Friedrich Haarmann em junho de 1924
Nome Friedrich Heinrich Karl Haarmann
Data de nascimento 25 de outubro de 1879
Local de nascimento Hanôver
Data de morte 15 de abril de 1925 (45 anos)
Local de morte Hanôver
Nacionalidade(s) alemão
Crime(s) Assassino em série, canibalismo
Pena pena de morte por decapitação

Friedrich Heinrich Karl Haarmann (Hannover, 25 de outubro de 1879 – id. 15 de abril de 1925), também conhecido como o Vampiro de Hanover ou o Carniceiro de Hanover, foi um famoso psicópata alemão, executado por causa do assassinato provado de 27 adolescentes alemães, conquanto atribuem-se-lhe mais de 100 vítimas.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Fritz Haarmann, conhecido como O carnicero ou como o Vampiro de Hannover, nasceu em dita cidade alemã. Provinha de uma família desestructurada: seus pais eram alcoólicos e protagonizavam escandalosos confrontos que chegavam à agressão física. A mãe de Haarmann tratava seu filho como se fosse uma menina e lhe chegou a vestir com roupa feminina. Isto enfureceu seu pai, que lhe golpeava com fúria quando o via desta forma. Este ambiente provocou que suas irmãs abandonassem cedo o lar familiar. Apontou-se em algumas ocasiões que acabaram sendo prostitutas. Suas vítimas sempre foram adolescentes homens por suas tendências homossexuais.

História criminosa[editar | editar código-fonte]

Com 17 anos, Haarmann foi fichado pela Polícia por molestar adolescentes. No entanto, não foi até 1919, quando contava com 40 anos, quando comete seu primeiro crime. Sua vítima foi Friedel Rothe.

O modus operandi deste psicopata, considerado em vida como um dos maiores assassinos em série da história, era sempre o mesmo. Ia à estação de autocarros de Hannover, onde tinha dezenas de garotos esperando trabalho. Ali enganava-os prometendo trabalho e comida.

Levava-os, de um a um, a um sótão que tinha no bairro de Calenberger Neustadt, a costas do rio Leine. Ali, segundo sua própria confissão, violava-os e, de um mordidela, seccionava-lhes a carótida e a traqueia. Todo este macabro ritual o levava a cabo com seu amante, Hans Grans.

O mais truculento da história fala que, uma vez mortos, descarnava suas vítimas e vendia suas peças de carne assegurando que eram de porco ou de cavalo (daí o apelativo de carnicero). Presenteava os ossos de suas vítimas assegurando que eram de cavalo, conquanto seu tamanho e sua brancura acordou as suspeitas dos vizinhos de Hannover. Foi por isto que acabou por jogar os ossos ao rio Leine.

Acção da justiça[editar | editar código-fonte]

Haarmann depois de ser capturados pela polícia, em novembro de 1924.

Em 17 de maio de 1924 uns meninos localizaram um crânio no rio. As autoridades ordenaram a dragagem deste e encontraram numerosos restos ósseos. O cerco foi-se estreitando em torno do assassino e em 22 de junho de 1924 foi detido. Haarmann confessou seus crimes. Admitiu ter matado e praticado canibalismo com uns quarenta meninos.

Em 15 de abril de 1925 foi decapitado por ordem do juiz. O carnicero de Hannover não pediu clemência ainda que fez questão de que um ser desconhecido tomava posse de seu corpo e lhe incitava a matar, sua última vontade foi que se escrevesse em sua lápida: "aqui jaz o exterminador". Seu colega de ultrajes, Hans Grans, foi condenado a prisão perpétua, mas comutou-se-lhe por 12 anos de cárcere. Esteve preso num campo de concentração até o final da Guerra Mundial. Depois mudou-se o nome, casou-se e faleceu na cidade de Hannover.

Mais informações[editar | editar código-fonte]

  • Haarmann. O carnicero de Hannover, um assassino em série de Peer Meter e Isabel Kreitz (2011) (Edições A Cúpula)
  • Psicokillers, assassinos sem alma de Juan Antonio Cebrián (2003) (Colecção Bilhetes do terror; editorial Nowtilus fronteira)

Literatura[editar | editar código-fonte]

  • (em alemão) Matthias Blazek: Haarmann und Grans. Der Fall, die Beteiligten und die Presseberichterstattung. ibidem, Stuttgart 2009, ISBN 978-3-89821-967-9.
  • (em alemão) Matthias Blazek: „Prozess gegen dêem Serienmörder Friedrich Haarmann vor dem Schwurgericht – Verhandlung vom 4. bis 19. Dezember 1924 / Hinrichtung 1925“. Sachsenspiegel 7, Cellesche Zeitung desde 18. Februar 2012.
  • (em alemão) Kerstin Brückweh: Mordlust. Serienmorde, Gewalt und Emotionen im 20. Jahrhundert. Campus Verlag, Frankfurt am Main e New York 2006, ISBN 978-3-593-38202-9.
  • (em alemão) Hans Hyan: Massenmörder Haarmann, Kriminalistische Studie, Berlin 1924.
  • (em alemão) Thomas Kailer: „… der höllischen Ausgeburt dêem Kopf vor die Füße legen …“ Zur Psychologie der strafenden Gesellschaft. Der Fall Haarmann. Em: Von der Polizei der Obrigkeit zum Dienstleister für öffentliche Sicherheit. Festschrift zum 100. Gebäudejubiläum dês Polizeipräsidiums Hannover 1903–2003. Editado de Hans-Joachim Heuer etc., Hilden 2003, p. 69–88.
  • (em alemão) Kathrin Kompisch: Der Fall Fritz Haarmann (1924). Em: Hannoversche Geschichtsblätter, N.F., número 55–56 (2001–2002), p. 97–116.
  • (em alemão) Theodor Lessing: Haarmann. Die Geschichte eines Werwolfs und andere Gerichtsreportagen. Editado e apresentado de Rainer Marwedel, Luchterhand, Frankfurt am Main 1989 (primeiro: Berlin 1925), ISBN 3-630-61865-0.
  • (em alemão) Christine Pozsár; Michael Farin (ed.): Die Haarmann-Protokolle. Rowohlt, Reinbek 1995, ISBN 3-499-60163-X.
  • (em alemão) Friedhelm Werremeier: Haarmann. Der Schlächter von Hannover. Die grauenvollen Verbrechen dês berüchtigten Serienmörders. Heyne, München 1995, ISBN 3-453-08907-3 (primeiro: Köln 1992 como: Haarmann. Nachruf auf einen Werwolf., ISBN 3-8025-2232-X).