Frixo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Frixo, na mitologia grega era filho de Atamante e Nefele.[1] Sua irmã se chamava Hele, e ele tinha dois meio-irmãos, Learchos e Melicertes, filhos de Atamante e Ino.[1]

Ino fez um plano contra os filhos de Nefele: na hora da semeadura, ela molhou o trigo, o que fez com que a colheita anual fosse um fracasso.[1] Atamante mandou mensageiros ao Oráculo de Delfos, mas Ino havia instruído os mensageiros a dizer que Frixo deveria ser sacrificado a Zeus.[1]

Nefele, que tinha recebido um carneiro com o velo de ouro de Hermes, usou-o para voar para longe, levando Frixo e Hele;[1] Hele, porém, caiu no mar, na região que seria chamada de Helesponto.[1] Pelos cálculos de Jerônimo de Estridão, esta viagem ocorreu por volta do ano 1382 a.C.; pela interpretação de Jerônimo, a viagem foi em um navio, e o carneiro foi o sinal dado para que eles fugissem[2]

Frixo finalmente chegou à Cólquida, sendo recebido pelo rei Eetes,[1] que deu sua filha Calcíope em casamento a Frixo. Frixo sacrificou o carneiro a Zeus e deu a Eetes o velo de ouro.[1]

Frixo e Calcíope tiveram quatro filhos: Argos, Melas, Frontis e Citisoro.[1] Argos foi o construtor do navio dos argonautas.[3]

Eetes havia sido prevenido por prodígios para temer a morte por um estranho, filho de Éolo, e matou Frixo.[4] Os filhos de Frixo[Nota 1] fugiram para seu avô Atamante, mas sofreram um naufrágio, sendo salvos por Jasão.[4] De acordo com Jerônimo, os eventos de Frixo e Melicertes ocorrem por volta do ano 1352 a.C..[2][Nota 2]

Árvore genealógica baseada no Pseudo-Apolodoro

Por simplificação, outros quatro meio-irmãos de Frixo, filhos de Atamante com Temisto, filha de Hipseu, não foram incluídos. Eles se chamavam Leucon, Erythrius, Schoeneus e Ptous.

Éolo
Enarete
Nefele
Atamante
Ino
Eetes
Frixo
Hele
Learco
Melicertes
Calcíope
Argos
Melas
Frontis
Citisoro

Notas e referências

Notas

  1. Em Higino, eles se chamam Argos, Melas e Cylindrus
  2. Hera fez Atamante enlouquecer e matar Learco, em seguida Ino se jogou no mar com Melicertes.

Referências

  1. a b c d e f g h i Pseudo-Apolodoro, Biblioteca, 1.9.1
  2. a b Jerônimo de Estridão, Chronicon [em linha]
  3. Pseudo-Apolodoro, Biblioteca, 1.9.16
  4. a b Higino, Fabulae, III, Frixo