Fruta-pinha

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Como ler uma infocaixa de taxonomiaAnnona squamosa

Annona squamosa com corte transversal
Annona squamosa com corte transversal
Estado de conservação
Espécie pouco preocupante
Pouco preocupante (IUCN 3.1) [1]
Classificação científica
Reino: Plantae
Divisão: Magnoliophyta
Classe: Magnoliopsida
Ordem: Magnoliales
Família: Annonaceae
Género: Annona
Espécie: A. squamosa
Nome binomial
Annona squamosa
Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Commons Imagens e media no Commons
Wikispecies Diretório no Wikispecies

Annona squamosa é uma árvore ou arbusto pequeno e bem ramificado[2] da família Annonaceae[3] que produz frutas comestíveis chamadas de fruta-do-conde. Tolera um clima tropical de planície melhor do que seus parentes Annona reticulata e Annona cherimola[4] (cujos frutos geralmente compartilham o mesmo nome), ajudando a torná-la a mais amplamente cultivada dessas espécies.[5] Annona squamosa é uma pequena, semi-(ou tardia) decídua,[6] arbusto muito ramificado ou pequena árvore que possui de 3 a 8 metros de altura,[2][6] sendo semelhante à graviola (Annona muricata).[7]

Descrição[editar | editar código-fonte]

A fruta-pinha possui uma polpa doce esbranquiçada e é popular nos mercados tropicais.[6]

Caules e folhas[editar | editar código-fonte]

Possui ramos com casca castanha clara e cicatrizes foliares visíveis; a casca interna é amarelo clara e levemente amarga; os galhos tornam-se marrons com pontos marrons claros (lenticelas - pequenas manchas ovais e arredondadas no caule ou ramo de uma planta, das quais os tecidos subjacentes podem se projetar ou raízes podem surgir).[4]

Folhas finas, simples e alternadas[7] ocorrem isoladamente,[4] tendo 5 a 17 centímetros de comprimento e 2 a 6 centímetros de largura;[6][4] é arredondada na base e pontiaguda na ponta (oblongo-lanceolado).[6] Possui cor verde pálida em ambas as superfícies e quase sem pelos[4] ou com pelos finos na parte inferior quando jovens.[2] Os lados às vezes são ligeiramente desiguais e as bordas das folhas são sem dentes, discretamente peludas quando jovens.[4][7]

Os talos das folhas possuem 0,4 a 2,2 centímetros de comprimento,[6] sendo verde e escassamente pubescente.[4]

Flores[editar | editar código-fonte]

As flores são solitárias ou dispostas em agrupamentos laterais de 2-4, com cerca de 2,5 centímetros de largura.[6] As flores são amarelo-esverdeadas,[4] com 2 centímetros de largura.[6] Três pétalas externas verdes, arroxeadas na base, oblongas, com 1,6 a 2,5 centímetros de comprimento, e 0,6 a 0,75 centímetros de largura, com três pétalas internas reduzidas a escalas diminutas ou ausentes.[2][6] Cada pistilo forma um tubérculo separado (pequena protuberância arredondada semelhante a uma verruga), tendo principalmente 1,3 a 1,9 centímetros de comprimento e 0,6 a 1,3 centímetros de largura.[4]

A floração ocorre na primavera e início do verão[6] e as flores são polinizadas por besouros nitidulídeos.[8] Seu pólen é derramado como tétrades permanentes.[9]

Frutos e reprodução[editar | editar código-fonte]

Frutos agregados e macios se formam a partir dos pistilos numerosos e frouxamente unidos de uma flor[4] que se tornam maiores[6] e amadurecem em frutos, os quais são distintos dos de outras espécies do gênero.[4] A fruta-do-conde pesa entre 150 e 650 gramas.[10]

A fruta agregada, redonda ou em forma de coração,[4] é amarela esverdeada, com 5 a 10 centímetros[4][2] de diâmetro,[6][7] com muitas protuberâncias redondas[4] e coberta com uma flor pulverulenta. Os frutos são formados por carpelos frouxamente aderentes ou quase livres.[2]

A polpa é branca tingida de amarelo,[2] comestível e docemente aromática. Cada carpelo contém um oblongo, brilhante e liso,[4] de cor marrom escuro[2] a preto, com 1,3 a 1,6 centímetros de largura.[4]

Química[editar | editar código-fonte]

O alcaloide diterpenoide atisina é o alcaloide mais abundante na raiz. Outros constituintes da Annona squamosa incluem os alcaloides oxofoebina,[11] reticulina,[11] isocorydina,[12] e metilcoridaldina,[12] e o flavonoide quercetina-3-O-glicosídeo.[13]

A Bayer AG patenteou o processo de extração e a identidade molecular da anonina anonácea acetogenina, bem como seu uso como biopesticida.[14] Outras acetogeninas foram isoladas das sementes[15] e da casca.[16]

Nomes populares[editar | editar código-fonte]

É conhecida popularmente como anona (Portugal),fruta-do-conde[17][18] ou ata[19] (Pará, Piauí, Maranhão, Ceará e Goiás),[17] ateira,[20] pinha[21] (Rio Grande do Norte, Paraíba, Pernambuco, Alagoas, Sergipe, Bahia), araticum (Minas Gerais), anoneira[22] ou fruta-pinha (Angola).[17]

O nome "fruta-do-conde", comum no Brasil, deve-se ao fato da primeira muda da espécie ter sido introduzida em 1626, na Bahia, pelo governador Diogo Luís de Oliveira, o Conde de Miranda.[23][24]

Sinônimos[editar | editar código-fonte]

A espécie Annona squamosa possui 10 sinônimos reconhecidos atualmente.[25]

  • Annona asiatica L.
  • Annona asiatica Vahl
  • Annona cinerea Dunal
  • Annona distincta Raeusch.
  • Annona forskahlii DC.
  • Annona forsskalii DC.
  • Annona glabra Forssk.
  • Annona squamosa Delile
  • Guanabanus squamosus M. Gómez
  • Xylopia glabra L.

Distribuição e habitat[editar | editar código-fonte]

Annona squamosa é nativa das Américas tropicais e das Índias Ocidentais, mas a origem exata é desconhecida. É agora a mais amplamente cultivada de todas as espécies de Annona, sendo cultivada por seus frutos em todos os trópicos e subtrópicos mais quentes, como Indonésia, Tailândia, Taiwan e China, até o norte de Suzhou;[26] foi introduzida no sul da Ásia antes de 1590. É naturalizada no norte, como no sul da Flórida, nos Estados Unidos, e no sul da Bahia, no Brasil, e em Bangladesh. É uma espécie invasora em algumas áreas.[4][5][7]

Nativa
Neotrópico
Caribe: Antígua e Barbuda, Bahamas, Barbados, Cuba, Dominica, República Dominicana, Granada, Guadalupe, Haiti, Jamaica, Martinica, Montserrat, Antilhas Holandesas, Porto Rico, São Cristóvão e Nevis, Santa Lúcia, São Vicente e Granadinas, Suriname, Trinidad e Tobago, Ilhas Virgens .
América Central: El Salvador, Guatemala
Norte da América do Sul: Suriname, Guiana Francesa, Guiana, Venezuela
Oeste da América do Sul: Bolívia, Colômbia, Equador, Peru
Sul da América do Sul: Argentina, Brasil, Chile, Paraguai, Uruguai[4]
Atualmente (naturalizada e nativa)
Neotrópico
Caribe: Antígua e Barbuda, Bahamas, Barbados, Cuba, Dominica, República Dominicana, Flórida, Granada, Guadalupe, Haiti, Jamaica, Martinica, Montserrat, Antilhas Holandesas, Porto Rico, São Cristóvão e Nevis, Santa Lúcia, São Vicente e Granadinas, Suriname, Trinidad e Tobago, Ilhas Virgens.
Pacífico: Samoa, Tonga
América do Norte: México
América Central: Belize, Costa Rica, El Salvador, Guatemala, Honduras, Nicarágua, Panamá
Norte da América do Sul: Guiana Francesa, Guiana, Venezuela
América do Sul Ocidental: Bolívia, Colômbia, Equador, Peru
Sul da América do Sul Argentina, Brasil, Chile, Paraguai, Uruguai
Afro-tropical: Angola, Sudão, Tanzânia, Uganda, Zanzibar, Quênia
Australásia : Austrália, Fiji, Nova Zelândia, Papua Nova Guiné, Ilhas Salomão
Indo-malaia: Bangladesh, Camboja, China, Índia, Indonésia, Laos, Malásia, Nepal, Paquistão, Filipinas, Sri Lanka, Tailândia, Vietnã
Paleártico: Chipre, Grécia, Líbano, Malta,[4] Israel

Clima e cultivo[editar | editar código-fonte]

Árvore-pinho jovem

Como a maioria das espécies de Annona, requer um clima tropical ou subtropical.[27] É sensível ao frio e à geada, sendo desfolhada abaixo de 10 °C (50 °F<).[28] É apenas moderadamente tolerante à seca.[29]

Cresce do nível do mar até uma altitude de 2 000 metros (6 600 pé) e reage bem em climas quentes e secos, diferindo em sua tolerância às terras baixas dos trópicos de muitas outras frutíferas da família Annona.[30][31]

É um portador bastante prolífico e produzirá frutos em menos de dois a três anos. Uma árvore de cinco anos pode produzir até 50 frutas-do-conde. A baixa produção de frutas foi relatada na Flórida porque há poucos polinizadores naturais (as abelhas têm dificuldade em penetrar nas flores femininas hermeticamente fechadas); no entanto, a polinização manual com uma escova de fibra natural é eficaz para aumentar o rendimento. Os polinizadores naturais incluem besouros (coleópteros) das famílias Nitidulidae, Staphylinidae, Chrysomelidae, Curculionidae e Scarabaeidae.[5][32]

Informações nutricionais[editar | editar código-fonte]

A fruta-do-conde é formada por 73,2% de água, 23,6% de hidratos de carbono e 2% de proteína. A quantidade de gordura é insignificante. Em uma porção de 100 g (3.5 oz), há 247 mg de potássio, 36 mg de vitamina C, 32 mg de fósforo, 24 mg de cálcio e 21 mg de magnésio.[33] Neste sentido, é uma fonte rica de vitaminas, dentre elas a vitamina B1, B2, B5, A e C.[34]

Usos[editar | editar código-fonte]

Fruta-pinha sendo vendida em Taitung, Taiwan

Suas propriedades antioxidantes e anti-inflamatórias auxiliam no combate a dores e inflamações.[35] Tais compostos servem para a proteção das células contra danos gerados pelos radicais livres.[36] Também atua contra contrações musculares e no controle da pressão arterial.[37]

Nos remédios tradicionais indianos, tailandeses e nativos americanos, as folhas são fervidas com água, possivelmente misturadas com outros botânicos específicos e usadas em uma decocção para tratar disenteria e infecção do trato urinário.[38]

Na medicina tradicional indiana, as folhas também são esmagadas para uso como cataplasma e aplicadas em feridas.[38] No México, as folhas são esfregadas no chão e colocadas em ninhos de galinhas, para repelir os piolhos.[5] No Haiti, a fruta é conhecida como cachiman e é utilizada para fazer suco.[39]

No Líbano e na Síria, é transformado em uma variedade de sobremesas e doces, conhecidos como ashta.[40]

No Brasil, as receitas que utilizam a fruta-do-conde incluem creme,[41] mousse,[42] pudim,[43] suco,[44] sorbet[45] e chá.[46] Uma farinha nutritiva feita a partir do bagaço da fruta-do-conde foi patenteada no país.[47]

Produção comercial[editar | editar código-fonte]

Esta espécie é mais cultivada nas regiões das Américas, África, Ásia e Pacífico. É frequentemente encontrada em pequenos mercados, mas não demonstra potencial para cultivo em larga escala devido ao tamanho do fruto, quebras e curto prazo de validade. É intensivamente cultivada em Taiwan.[48]

Cultura[editar | editar código-fonte]

No Brasil, o município Lagoa de São Francisco realiza anualmente um festival que comemora a grande produção de fruta-pinha na região.[49]

Referências

  1. Botanic Gardens Conservation International (BGCI) & IUCN SSC Global Tree Specialist Group (2019). Annona squamosa (em inglês). IUCN 2019. Lista Vermelha de Espécies Ameaçadas da IUCN. 2019​: 3.1. doi:https://dx.doi.org/10.2305/IUCN.UK.2019-2.RLTS.T146787183A146787185.en Página visitada em 09 de maio de 2023.
  2. a b c d e f g h «Compilation: Annona squamosa». Global Plants. JSTOR. Consultado em 5 de setembro de 2019 
  3. SiBBr. «Species: Annona squamosa (Atta)». ala-bie.sibbr.gov.br (em inglês). Consultado em 9 de maio de 2023 
  4. a b c d e f g h i j k l m n o p q r s «Annona squamosa». AgroForestryTree Database. 2011. Consultado em 1 de maio de 2023 
  5. a b c d Morton, Julia (1987). «Sugar Apple Annona squamosa». Fruits of warm climates. Department of Horticulture & Landscape Architecture, Purdue University. p. 69. Consultado em 17 de abril de 2008. Cópia arquivada em 5 de abril de 2008 
  6. a b c d e f g h i j k l Kral, Robert. «Annona squamosa Linnaeus, Sp. Pl. 1: 537. 1753». In: Flora of North America Editorial Committee. Flora of North America North of Mexico. 3. [S.l.: s.n.] 
  7. a b c d e «Annona squamosa». Pacific Island Ecosystems at Risk (PIER). 5 de janeiro de 2008. Consultado em 17 de abril de 2008. Cópia arquivada em 12 de maio de 2008 
  8. McGregor, S.E. Insect Pollination Of Cultivated Crop Plants USDA, 1976
  9. Walker JW (1971) Pollen Morphology, Phytogeography, and Phylogeny of the Annonaceae.
  10. «Fruta-do-conde, ata ou pinha: o que é, origem e benefícios para a saúde». Toda Fruta. 27 de setembro de 2021. Consultado em 1 de maio de 2023. Cópia arquivada em 1 de maio de 2023 
  11. a b Dholvitayakhun A, Trachoo N; et al. (2013). «Potential applications for Annona squamosa leaf extract in the treatment and prevention of foodborne bacterial disease». Natural Product Communications. 8 (3): 385–388. PMID 23678817. doi:10.1177/1934578X1300800327Acessível livremente 
  12. a b Yadav DK, Singh N; et al. (2011). «Anti-ulcer constituents of Annona squamosa twigs». Fitoterapia. 82 (4): 666–675. PMID 21342663. doi:10.1016/j.fitote.2011.02.005 
  13. Panda S, Kar A (2007). «Antidiabetic and antioxidative effects of Annona squamosa leaves are possibly mediated through quercetin-3-O-glucoside». BioFactors. 31 (3–4): 201–210. PMID 18997283. doi:10.1002/biof.5520310307 
  14. Moeschler HF, Pfluger W; et al. (agosto de 1987). «Insecticide US 4689232 A». Consultado em 3 de dezembro de 2014 
  15. Chen Y, Xu SS; et al. (2012). «Anti-tumor activity of Annona squamosa seeds extract containing annonaceous acetogenin compounds». Journal of Ethnopharmacology. 142 (2): 462–466. PMID 22609808. doi:10.1016/j.jep.2012.05.019 
  16. Li XH, Hui YH; et al. (1990). «Bullatacin, bullatacinone, and squamone, a new bioactive acetogenin, from the bark of Annona squamosa». Journal of Natural Products. 53 (1): 81–86. PMID 2348205. doi:10.1021/np50067a010 
  17. a b c Julio Seabra Inglez Souza; Aristeu Mendes Peixoto; Francisco Ferraz de Toledo (1995). Enciclopédia agrícola brasileira: E-H. EdUSP. p. 282. ISBN 978-85-314-0584-6.
  18. Infopédia. «fruta-do-conde | Dicionário Infopédia da Língua Portuguesa». infopedia.pt - Porto Editora. Consultado em 24 de janeiro de 2023 
  19. Infopédia. «ata | Dicionário Infopédia da Língua Portuguesa». infopedia.pt - Porto Editora. Consultado em 24 de janeiro de 2023 
  20. Infopédia. «ateira | Dicionário Infopédia da Língua Portuguesa». infopedia.pt - Porto Editora. Consultado em 24 de janeiro de 2023 
  21. Infopédia. «pinha | Dicionário Infopédia da Língua Portuguesa». infopedia.pt - Porto Editora. Consultado em 24 de janeiro de 2023 
  22. Infopédia. «anoneira | Dicionário Infopédia da Língua Portuguesa». infopedia.pt - Porto Editora. Consultado em 24 de janeiro de 2023 
  23. «Fruta do Conde». Prefeitura de Belém. 2023. Consultado em 1 de maio de 2023. Cópia arquivada em 1 de maio de 2023 
  24. «Como plantar fruta-do-conde». Revista Globo Rural. Agosto de 2006. Consultado em 1 de maio de 2023. Cópia arquivada em 1 de maio de 2023 
  25. «Annona squamosa» (em inglês). The Plant List. 2010. Consultado em 30 de abril de 2017 
  26. «Sweetsop (Annona squamosa)». Janeiro de 2020 
  27. «Fruta do Conde». Prefeitura de Belém. 2023. Consultado em 1 de maio de 2023. Cópia arquivada em 1 de maio de 2023 
  28. «FRUTA DO CONDE (Rollinia silvatica)». www.sitiodamata.com.br. Consultado em 1 de maio de 2023. Cópia arquivada em 1 de maio de 2023 
  29. Lederman, Ildo Eliezer (Agosto de 2019). «Toda Fruta» (PDF). Consultado em 1 de maio de 2023. Cópia arquivada (PDF) em 1 de maio de 2023 
  30. «Annona squamosa» (PDF). World Agroforestry. 2009. Consultado em 1 de maio de 2023. Cópia arquivada (PDF) em 1 de maio de 2023 
  31. «4 dicas para cultivar a fruta-do-conde». revistagloborural.globo.com. 15 de janeiro de 2021. Consultado em 1 de maio de 2023. Cópia arquivada em 1 de maio de 2023 
  32. «Annona squamosa». AgroForestryTree Database. Consultado em 16 de setembro de 2013. Cópia arquivada em 14 de março de 2007 
  33. «FoodData Central». fdc.nal.usda.gov. 2023. Consultado em 1 de maio de 2023. Cópia arquivada em 1 de maio de 2023 
  34. Kordelos, Ana (14 de novembro de 2017). «Pinha: conheça os poderes antioxidantes dessa fruta». Dicas de Mulher. Consultado em 1 de maio de 2023. Cópia arquivada em 1 de maio de 2023 
  35. Zanin, Tatiana (Outubro de 2022). «Fruta-do-Conde». Tua Saúde. Consultado em 1 de maio de 2023. Cópia arquivada em 1 de maio de 2023 
  36. Nascimento, Giuliane (22 de março de 2023). «Ata, pinha ou fruta do conde? Veja quais os benefícios dessa fruta». Capitalist. Consultado em 1 de maio de 2023. Cópia arquivada em 1 de maio de 2023 
  37. «Pinha, graviola e articum ajudam na pressão arterial, diz nutricionista». G1. 13 de abril de 2015. Consultado em 1 de maio de 2023. Cópia arquivada em 1 de maio de 2023 
  38. a b Dholvitayakhun A, Trachoo N; et al. (2016). «Using scanning and transmission electron microscopy to investigate the antibacterial mechanism of action of the medicinal plant Annona squamosa Linn». Journal of Herbal Medicine. 7: 31–36. doi:10.1016/j.hermed.2016.10.003 
  39. «Cachiman (Annona reticulata L.)». Carib Fruits. Consultado em 8 de novembro de 2020 
  40. Yazbeck, Cybelle (24 de novembro de 2018). «Three mediterranean fruits you can enjoy in Lebanon this autumn». 961 (em inglês). Consultado em 1 de maio de 2023. Cópia arquivada em 1 de maio de 2023 
  41. Machado, Bruna (27 de março de 2023). «Nutricionista revela 3 receitas com pinha (ou fruta do conde) para você se deliciar». Capitalist. Consultado em 1 de maio de 2023. Cópia arquivada em 1 de maio de 2023 
  42. «Mousse de fruta-do-conde - Receitas - Comida». Folha de S.Paulo. Consultado em 1 de maio de 2023. Cópia arquivada em 1 de maio de 2023 
  43. «Pudim de fruta-do-conde». Globo. Consultado em 1 de maio de 2023. Cópia arquivada em 1 de maio de 2023 
  44. «Receita de Suco de fruta do conde - reforçar a imunidade, a regular os níveis do mau colesterol». Receitas Fitness. Consultado em 1 de maio de 2023 
  45. «3 receitas para incluir a pinha na alimentação». Terra. 22 de março de 2023. Consultado em 1 de maio de 2023. Cópia arquivada em 1 de maio de 2023 
  46. «Você gosta de pinha? Conheça 5 benefícios da deliciosa fruta do conde!». Saudável descomplicado!. Consultado em 1 de maio de 2023. Cópia arquivada em 1 de maio de 2023 
  47. «Farinha de pinha criada no Ifal Penedo é patenteada pelo Inpi». G1. 5 de fevereiro de 2019. Consultado em 1 de maio de 2023. Cópia arquivada em 1 de maio de 2023 
  48. Jules Janick; Robert E. Paull (2008). The Encyclopedia of Fruit and Nuts. CABI. pp. 48–50. ISBN 978-0-85199-638-7.
  49. «Município do Piauí realiza segundo Festival da Ata e apresenta iguarias feitas com a fruta». G1. Consultado em 1 de maio de 2023. Cópia arquivada em 1 de maio de 2023 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]