Fugas para Magnificat

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Searchtool.svg
Esta página foi marcada para revisão, devido a inconsistências e/ou dados de confiabilidade duvidosa. Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor, verifique e melhore a consistência e o rigor deste artigo.
Wikitext.svg
Esta página ou seção precisa ser wikificada (desde julho de 2016).
Por favor ajude a formatar esta página de acordo com as diretrizes estabelecidas.
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde julho de 2016). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Fugas para Magnificat são obras para órgão solo escritas pelo compositor alemão Johann Pachelbel. O magnificat desempenha papel importante na liturgia protestante das Vésperas, e Pachelbel escreveu várias partituras para o texto durante sua vida. Tradicionalmente, o órgão era usado nesse contexto tanto para tocar versos alternados do canto como para executar um curto prelúdio a fim de determinar o tom de abertura para os cantores. As noventa e cinco Fugas para Magnificat tiveram função mais utilitária nos serviços diários: introduzir os cantores. Com esse fim, Pachelbel produziu diversas fugas breves em cada um dos modos eclesiásticos, de forma que pudessem ser usadas induvidualmente segundo a música vocal a ser cantada em determinado dia, desde o 'primus tonus (literalmente "primeiro tom", baseado em dó) até todas as notas da escala:

Magnificat Primi Toni - 23 fugas Magnificat Secundi Toni - 10 fugas Magnificat Tertii Toni - 11 fugas Magnificat Quarti Toni - 8 fugas Magnificat Quinti Toni - 12 fugas Magnificat Sexti Toni - 10 fugas Magnificat Septimi Toni - 8 fugas Magnificat Octvi Toni - 13 fugas

Pachelbel usou temas originais na maioria das fugas, embora algumas incorporem o cantochão padrão, em parte ou plenamente. Como suas fugas anteriores baseadas em corais, essas partituras são relativamente simples, estando mais próximas de prelúdios que fugas mais sérias então compostas por compositores do norte da Alemanha. A maioria das fugas de Pachelbel não requer uso de pedais. Entretanto, esse amplo corpo de fugas breves em diferentes tons, estilos, temas e atmosferas (de motivos joviais e dançantes a ostensivamente sombrios) representa a mais impressionante compilação de música para órgão até Johann Sebastian Bach, uma geração depois.

Essas obras serviram para Pachelbel experimentar o temperamento igual, um sistema de afinação de sua lavra. No barroco, os diversos sistemas de afinação vigentes ditavam que intervalos, particularmente de terças e quintas, soassem diferentes em diferentes tons. O sistema de afinção temperada, em que todos os semitons são iguais e, portanto, todos os tons também, ganhou espaço na época e seria muito mais explorado no Cravo bem-temperado, de Bach.