Fulminato

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Fórmula estrutural do íon fulminato

Fulminatos são compostos químicos os quais incluem o ânion fulminato. O ânion fulminato é um pseudohaleto, atuando como um halogênio quanto a sua carga e reatividade. Devido à instabilidade deste ânion, eles são explosivos sensíveis à fricção. O mais conhecido é fulminato de mercúrio, o qual tem sido usado como um explosivo primário em detonadores. Fulminatos podem ser formados com metais, como a prata e o mercúrio (elemento), dissolvidos em ácido nítrico e reagindo com álcool. A fórmula química para o ânion fulminato é ON+C. É a presença desta fraca ligação simples entre o oxigénio e o nitrogênio que lhe confere instabilidade. O nitrogênio muito facilmente forma uma estável ligação tripla a outro átomo de nitrogênio, formando nitrogênio gasoso.

Notas históricas[editar | editar código-fonte]

Fulminatos foram descobertos por Edward Charles Howard em 1800.[1][2][3]. Seu uso em armas de fogo em uma pólvora fulminante foi primeiro demonstrado por um ministro escocês, A. J. Forsyth, quem primeiro obteve uma patente em 1807[4]. Joshua Shaw então fez a transição a outros usos em encapsulações metálicas, para formar espoletas, mas não patenteou sua invenção até 1822.

Nos anos 1820, o químico orgânico Justus von Liebig descobriu o fulminato de prata (Ag-CNO) e Friedrich Wöhler descobriu o cianato de prata (Ag-NCO). O fato que estas substâncias têm a mesma composição química levou a uma dura disputa, a qual não foi resolvida até Jöns Jacob Berzelius apresentar o conceito de isômeros[5].

Compostos[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Edward Howard (1800). «On a New Fulminating Mercury.». Philosophical Transactions of the Royal Society of London [S.l.: s.n.] 90 (1): 204–238. 
  2. F. Kurzer (1999). «The Life and Work of Edward Charles Howard». Annals of Science [S.l.: s.n.] 56: 113–141. doi:10.1080/000337999296445. 
  3. «Edward Charles Howard (1774-1816), Scientist and sugar refiner publisher = National Portrain Gallery». January 5, 2005. Consultado em 2006-08-30. 
  4. «Rifled Breach Loader». Globalsecurity.org. 
  5. Greenberg, Arthur (2000). A Chemical History Tour John Wiley & Sons [S.l.] pp. 198–203. ISBN 0-471-35408-2. 

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre Química é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.