Fundação Amália Rodrigues

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Casa-Museu Amália Rodrigues
Tipo Casa-museu original
Diretor Fernando Machado Soares
Website www.amaliarodrigues.pt
Geografia
País Portugal Portugal
Cidade Lisboa
Localidade R. São Bento 193

A Fundação Amália Rodrigues é uma fundação sociocultural portuguesa, criada em 1999 por desígnio do testamento da fadista Amália Rodrigues, para viabilizar e continuar projectos de solidariedade social, promoção do fado e dos fadistas e apoio financeiro de instituições como a Casa do Artista.

A fundação concede anualmente vários galardões, incluindo o Prémio Internacional (já concedido a Mariza) e de Carreira (entre vários, Raul Nery e Argentina Santos).

Gestora de um património que inclui a casa-museu Amália Rodrigues, na rua de São Bento, em Lisboa, a herdade do Brejão, no Alentejo, outros imóveis avulsos, joias, móveis e quadros (num total, à morte da artista, avaliado em quatro milhões de euros), uma conta bancária (de 750 mil euros) e a imagem/marca Amália,

Amália deixou os direitos de autor e royalties, em partes iguais, aos quatro sobrinhos e os bens móveis e imóveis à instituição de uma fundação. A intenção da fadista era que 15% dos rendimentos dessa mesma fundação fossem doados à Casa do Artista, enquanto que outros 15% seriam para o Centro de Saúde e Enfermagem no Brejão. Na presidência da fundação ficou, a título vitalício, o advogado que fez o testamento – Amadeu Aguiar -, e depois o filho, João Aguiar[1].

Em 2007, em função de uma dívida fiscal de 2,3 milhões de euros, a Fundação foi declarada instituição de utilidade pública, com efeitos retroativos, pelo primeiro ministro José Sócrates para evitar o seu encerramento por questões fiscais.[2]

A dívida foi então perdoada, a fundação não paga IMI e está ainda isenta do pagamento do IRC desde 2008.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Fado e Portugal

Referências