Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo
FESPSP
Lema Scientia robur maxima do latim Ciência Força Máxima
Fundação 27 de maio de 1933 (84 anos)
Tipo de instituição Privada
Localização Brasão da cidade de São Paulo.svgSão Paulo, São Paulo
Diretor(a) Lais Cristina da Costa Manso Nabuco de Araújo
Vice-diretor(a) Romeu Nami Garibe
Graduação http://www.fespsp.org.br/graduacao
Pós-graduação http://www.fespsp.org.br/pos_graduacao
Página oficial http://www.fespsp.org.br

A Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo (FESPSP) é uma pessoa jurídica de direito privado sem fins lucrativos, cujo fim é a manutenção de escolas voltadas ao ensino e à pesquisa em nível superior.

História[editar | editar código-fonte]

O seu núcleo original é a Escola Livre de Sociologia e Política de São Paulo, criada em maio de 1933 por iniciativa de pouco mais de uma centena de figuras eminentes da sociedade paulistana dentre as quais destacam-se os dirigentes das principais entidades de ensino de São Paulo, como a Faculdade de Direito, a Escola Politécnica, a Faculdade de Medicina, a Fundação Escola de Comércio Álvares Penteado e a Escola de Belas Artes, além de representantes da Ordem dos Advogados do Brasil, do Instituto de Engenharia, da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo, dentre outros[1].

A época era de intensa agitação política e cultural da elite paulista, comprometida com um projeto de modernização da sociedade brasileira e de recuperação da influência política do estado São Paulo, que havia sido perdida nas revoluções de 1930 e 1932, através da formação de uma elite capaz de liderar o processo de industrialização do Brasil e de contribuir para melhorar os padrões da administração pública do país[2].

O projeto, descrito no manifesto dos fundadores da escola, era ambicioso. Mas as primeiras aulas foram ministradas em condições modestas em salas emprestadas à noite pela Escola de Comércio Álvares Penteado, no largo de São Francisco, no centro histórico. Somente depois de mais de vinte anos, em 1954, a Escola passaria a ocupar, em tempo integral, o casarão da rua General Jardim, 522, na Vila Buarque[3].

A escola foi reconhecida em 1938 como instituição de utilidade pública pelo governo estadual, e no ano seguinte foi incorporada à USP como instituição complementar autônoma, status que manteve até o início da década de 1980[3].

Marcos importantes da trajetória da FESPSP, nesse período, foram a publicação da revista Sociologia (1939-1966) e, em 1941, o início dos cursos de pós-graduação. Paralelamente, começou a desenvolver-se intensa atividade relacionada a estudos e projetos encomendados por órgãos públicos e por entidades privadas, que perdura até hoje.

Orientada desde o início para o estudo da realidade brasileira e para a formação de quadros técnicos e dirigentes capazes de atuar no processo de modernização da sociedade, a Escola de Sociologia e Política de São Paulo (ESP) teve o seu curso de graduação reconhecido pelo Governo Federal em 1946, através do Decreto-Lei nº 9.786. O conteúdo do curso foi definido como currículo mínimo para o ensino de Sociologia e Política em todo o país.

Pioneira no ensino e na prática das ciências sociais, a Fundação Escola de Sociologia e Política incorporou, em 1940, o curso de Biblioteconomia e Documentação, mantido pela Prefeitura do Município de São Paulo desde a sua criação, em 1936.

Fachada do casarão da Fespsp

Em 1939, a Escola sofre uma grande mudança com a vinda do sociólogo norte-americano Donald Pierson, que além de trazer recursos provenientes de fundações, como a Smithsonian Institution, para formação do acervo da biblioteca, concessão de bolsas de estudo e financiamento de projetos de pesquisa, ampliação do corpo de professores e pesquisadores e abrir possibilidades de carreira acadêmica. Assim, Pierson, que permaneceu na escola até 1952, influiu imensamente sobre o projeto pedagógico da escola, reorientando-o para a efetiva formação de sociólogos e superando uma espécie de diletantismo reinante.

Em 1941, foi fundada a Divisão de Estudos Pós-Graduados, atual Escola Pós-Graduada de Ciências Sociais, responsável pelo primeiro programa de pós-graduação em ciências sociais no Brasil, formando a primeira geração de pesquisadores nas áreas da sociologia, política e administração pública no país.

A partir dos anos 1950, a Escola teve importância fundamental para a vida intelectual brasileira e, especialmente, para criação de uma "escola paulista" de pensamento sociológico. Segundo Sergio Miceli, as primeiras conseqüências sobre a vida intelectual brasileira advindas da criação da Escola de Sociologia e Política e da Faculdade de Filosofia de São Paulo somente se fazem sentir vinte anos depois. Entre 1953 e 1964, os principais integrantes da escola paulista produzem suas teses e começam a publicar seus primeiros artigos e livros. Até então, o maior impacto derivado dos novos experimentos inaugurados no ensino superior tanto no Rio de Janeiro como em São Paulo consistiu, sem sombra de dúvida, nos horizontes intelectuais e acadêmicos abertos pelos docentes e pesquisadores estrangeiros em missão oficial no país.[4]

Mas o golpe de 1964 viria ser um fator de desestabilização da FESPSP. As escolas de Sociologia e Política e de Biblioteconomia passaram a ser frequentemente fechadas pela polícia política, e os alunos, perseguidos. A escola entrou declínio nos anos 1970 e, nos anos 1980 perdeu o credenciamento para oferecer cursos de mestrado e doutorado. Com sérios problemas financeiros e de gestão, as tentativas de recuperação realizadas nos anos 1990 falharam. Eram constantes as greves de alunos. Em 1981, a entidade mantenedora propôs o fechamento do curso de sociologia. Em resposta, os alunos ocuparam o prédio e nele permaneceram por dois meses.

A partir de 1999, têm início um processo de reorganização da fundação, envolvendo tanto aspectos administrativo-financeiros e pedagógicos, que culminou com a construção do campus FESPSP, em 2011, composto pelo casarão e pelo novo prédio que reflete o projeto pedagógico da instituição, marcando uma fase de intensas atividades acadêmicas, como palestras, debates, conferências, seminários e encontros.

Hoje, a Fundação Escola de Sociologia e Política mantém a Escola de Sociologia e Política (ESP), a Faculdade de Biblioteconomia e Ciência da Informação (FaBCI), a Faculdade de Administração e a Escola Pós-Graduada de Ciências Sociais. O seu corpo de pesquisadores e docentes se dedica ao ensino, à pesquisa acadêmica e aplicada, visando unir a atividade de produção do conhecimento à capacidade de intervenção, gestão e planejamento para os setores público e privado.

Estrutura[editar | editar código-fonte]

  • Escola de Sociologia e Política - ESP
  • Escola Pós-Graduada de Ciências Sociais - EPG
  • Faculdade de Biblioteconomia e Ciência da Informação - FaBCI

Ensino[editar | editar código-fonte]

Graduação[editar | editar código-fonte]

Pós-graduação[editar | editar código-fonte]

Centros Acadêmicos[editar | editar código-fonte]

A Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo possui dois centros acadêmicos representando os cursos de Sociologia e Política e Biblioteconomia e Ciência da Informação. São eles:

Centro Acadêmico Rubens Borba de Moraes (CA do Borba)

Centro Acadêmico Florestan Fernandes (CAFF)

Nomes que passaram pela FESPSP[editar | editar código-fonte]

Referências

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • MICELI, Sergio (org.). (1989), História das ciências sociais no Brasil. São Paulo, Idesp/Vértice/Finep.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]