Fungo medicinal

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Fungos medicinais são os fungos que produzem metabólitos clinicamente significativos ou que podem ser induzidos a produzir tais metabólitos com o uso de biotecnologia. A variedade de compostos com potencial medicamentoso que foram identificados incluem antibióticos, drogas anti-câncer, inibidores de colesterol, psicotrópicos, imunosupressores e até mesmo fungicidas. Embora as descobertas iniciais tenham sido feitas com bolores simples, do tipo que causa a deterioração de alimentos, mais tarde, o trabalho identificou compostos úteis em uma ampla gama de fungos.

História[editar | editar código-fonte]

Apesar de produtos à base de fungos terem sido utilizados na medicina tradicional, provavelmente desde a pré história, a habilidade de identificar propriedades benéficas e então estrair o ingrediente ativo, iniciou-se com a descoberta da penicilina por Alexander Fleming em 1928. Desde então, muitos antibióticos foram descobertos e o potencial de fungos para sintetizar moléculas biologicamente ativas úteis em uma ampla gama de terapias clínicas tem sido amplamente explorada.

Investigações farmacológicas tem agora remédios antifúngicos, antivirais, e antiprotozoário isolados de fungos.[1]

O fungo com provavelmente o maior registro de uso medicinal, Ganoderma lucidum, é conhecido em Chinês como líng zhī ("espírito da planta"), e em Japonês como mannentake ("cogumelo de 10.000 anos"). No Japão antigo, Grifola frondosa , valia o seu peso em prata, apesar de não terem sido demonstrados significativos benefícios terapêuticos em humanos.[2]

Estudos têm mostrado que outras espécies do gênero Ganoderma, como Ganoderma applanatum, contém compostos anti-tumorais e propriedades anti-fibróticas.

Inonotus obliquus foi usado na Rússia desde o século 16, e é destaque na novela de Alexandr Solzhenitsyn, de 1967, Pavilhão de cancerosos.[3]

Líquens também têm sido usados em muitas tradições de medicina popular para tratar uma ampla gama de doenças.[4] Pesquisas tem demonstrado uma gama de compostos terapeuticamente significativos em algumas espécies de musgos,[4] mas acredita-se que nenhum deles é atualmente usado medicina convencional.

Aplicações[editar | editar código-fonte]

Câncer[editar | editar código-fonte]

40x aumento - microscopia de esporos de Pestalotiose/Pestalotiopsis. Note os apêndices. Algumas cepas (Pestalotiopsis pauciseta) são conhecidos por produzir taxol.[5][6]

O Paclitaxel é sintetizado utilizando Penicillium raistrickii e fermentação de células da planta. Os fungos podem sintetizar outros inibidores mitóticos, incluindo vinblastina, vincristina, podofilotoxina, griseofulvina, aurantiamine, oxaline, e neoxaline.[7]

11,11'-Dideoxyverticillin A, um isolado de Penicillium marinhas, foi usado para criar dezenas de compostos semi-sintéticos anticancerígenos.[8] 11,11'-Dideoxyverticillin A , andrastin A, barceloneic acid A, e barceloneic acid B, são inibidores de farnesil transferase que podem ser feitas por Penicillium.[9] 3-O-Methylfunicone, anicequol, duclauxin, e rubratoxin B, são anticâncer/citotóxicos metabólitos de Penicillium.

Penicillium é uma fonte potencial do medicamento para leucemia asparaginase.[10]

Alguns países aprovaram o Beta-glucan de extratos de fungos lentinano, polissacarídeo-K, e polissacarídeo peptídeo como adjuvantes imunológicos.[11] Há alguma evidência de que seu uso tem eficácia em prolongar e melhorar a qualidade de vida de pacientes com certos tipos de câncer, embora o Memorial Sloan-Kettering Cancer Center, observe que "bem projetados, estudos de grande escala são necessários para estabelecer o papel da lentinan como um útil complemento para o tratamento de câncer".[12] de Acordo com a Cancer Research UK, "não há atualmente nenhuma evidência de que qualquer tipo de cogumelo ou extrato de cogumelo pode prevenir ou curar o câncer".[13] Metabólitos de fungos, tais como o ergosterol, clavilactonas, e triterpenoides são eficientes inibidores de Cdk que levam ao G1/S ou G2/M prenderem células cancerosas. Outros metabólitos, tais como panepoxydone, são inibidores do NF-kB. Alguns fragmentos da parede celular de fungos são antagonistas de receptores VEGF [14]

Agentes antibacterianos. (antibióticos)[editar | editar código-fonte]

Alexander Fleming, liderou o caminho para os antibióticos beta-lactâmicos com o fungo Penicillium e a penicilina. Descobertas subseqüentes, incluído alamethicin, aphidicolin, brefeldin A, Cefalosporina, cerulenin, citromycin, eupenifeldin, fumagillin, fusafungine, ácido fusidico, itaconic acid, MT81, nigrosporin B, usnic acid, verrucarin A, vermiculine e muitos outros.

Ling Zhi-8, uma proteína imunomoduladora isolada de Ganoderma lucidum

Os antibióticos retapamulin, tiamulin, e valnemulin são derivados do metabólito de fungo pleuromutilin. Plectasin, austrocortilutein, austrocortirubin, coprinol, oudemansin A, strobilurin, illudin, pterulone, e sparassol são antibióticos isolados de espécies do filo basidiomycota.

Os inibidores da biossíntese do colesterol[editar | editar código-fonte]

As estatinas são uma importante classe de medicamentos para baixar o colesterol; a primeira geração de estatinas foi obtida a partir de fungos.[15]

A levedura de arroz vermelho, o fungo Monascus purpureus, pode sintetizar três estatinas.

O precursor da Pravastatina, a mevastatina pode ser extraído de Penicillium. Lovastatina, a primeira estatina comercial, foi extraída a partir de um caldo de fermentação do Aspergillus terreus.[15] A produção industrial é agora capaz de produzir 70 mg de lovastatina por kg de substrato.[16] A levedura de arroz vermelho, o fungo Monascus purpureus, pode sintetizar lovastatina, mevastatina, e o precursor da simvastatina, monacolin J. Os ácidos zaragozicos foram isolados a partir de ascomycota. Nicotinamida riboside, um inibidor da biossíntese do colesterol, é feita por Saccharomyces cerevisiae.

Outros compostos incluem a Sinvastatina, um semi-sintético derivado da Lovastatina.[15]

Antifúngicos[editar | editar código-fonte]

Griseofulvina, caspofungin, strobilurin, azoxistrobina, micafungina, e echinocandina, são todos extraídos de fungos. Anidulafungin é um derivado de um metabólito de Aspergillus.

Imunosupressão[editar | editar código-fonte]

Ciclosporina, foi descoberto em Tolypocladium inflatum.Bredinin foi descoberto em Eupenicillium brefeldianum. O ácido micofenólico foi descoberto em Penicillium stoloniferum. Fungos termofílicos foram a origem do precursor do fingolimod, myriocin. Aspergillus sintetiza os imunosupressores gliotoxin e endocrocin. Subglutinols são imunosupressores isolados de Fusarium subglutinans.[17] Outros compostos incluem mizoribine.

Malária[editar | editar código-fonte]

Codinaeopsin, efrapeptins, zervamicins, e antiamoebin,[18] são feitas por fungos.

Diabetes[editar | editar código-fonte]

Muitos compostos isolados de fungos funcionam como inibidores DPP-4, inibidores da alfa-glicosidase, e inibidores de alfa amilase in vitro. Ternatin suprime a hiperglicemia.[19] Aspergillusol A é um inibidor de alfa-glicosidase feito por Aspergillus. Sclerotiorin é uma aldose redutase feita por Penicillium.

Efeitos psicotrópicos[editar | editar código-fonte]

Muitos fungos tem efeitos psicotrópicos bem documentados, alguns deles severos e alguns deles associados com efeitos colaterais agudos e potencialmente fatais.[20] Bem conhecidos entre esses está Amanita muscaria. Mais conhecidos e usados informalmente estão uma grande variedade de fungos coletivamente conhecidos como "cogumelos mágicos", que contém psilocibina e psilocina.[21]

A história da panificação também é repleta de referências ao mortal ergotismo causado por cravagens, mais comumente Claviceps purpurea, um parasita de culturas de cereais. Um número de drogas terapeuticamente úteis  foram extraídas a partir da cravagem de centeio, incluindo ergotamina, pergolide e cabergolina.[22]

Compostos psicotrópicos criados a partir de alcalóides de claviceps também incluiem di-hidroergotamina, metisergida, methylergometrine, hydergine, nicergolina, lisuride, bromocriptina, cabergolina, pergolide. Polyozellus multiplex sintetiza inibidores de prolil endopeptidase polyozellin, thelephoric acid, kynapcins. Isolados de fungos neurotróficos incluem L-theanine, tricholomalides, scabronines, termitomycesphins. Muitos fungos sintetizam a parcial, não-seletiva, agonista do receptor de serotonina/analógo psilocina.

Várias outras espécies, incluindo espécies de Aspergillus e Penicillium, foram induzidas a produzir alcalóides de cravagem.

Vitaminas[editar | editar código-fonte]

A fotoquímica da biossíntese de Vitamina D

Os fungos são uma fonte de vitamina D. Os fungos podem sintetizar a vitamina D2 (ergocalciferol), D4 (22-dihydroergocalciferol), e D1 (Lumisterol+D2).[23]

Fitase[editar | editar código-fonte]

Aspergillus niger é utilizada para a produção recombinante de fitase, uma enzima adicionada a alimentos para animais, para melhorar a absorção de fósforo.

Espécies comestíveis, com metabólitos clinicamente significativos[editar | editar código-fonte]

Muitas espécies comestíveis têm se mostrado eficazes em produzir metabólitos clinicamente significativos. No entanto, é improvável que comer fungos com tais propriedades tenha qualquer efeito medicinal benéfico. A maioria dos compostos de interesse, quando utilizado para fins médicos são sintetizados em escala industrial e são embalados e administrados de modo a maximizar o potencial benefício.

Os fungos listados abaixo têm mostrado efeito significativo, como evidenciado por ensaios clínicos em seres humanos publicadas em artigos revisados por pares e citado em fontes secundárias.

Agaricus subrufescens (Agaricus blazei/brasiliensis, cogumelo amêndoa) é um fungo associado com o Brasil e o Japão.[24][25] Pesquisa e pequenos estudos clínicos demonstraram que o extrato de A. subrufescens tem atividade antihiperglicêmica e atividade anticancerígena.[26][27][28][29] Brefeldin A e blazein foram isolados de A. subrufescens.

Boleto badius tem sido mostrado útil para sintetizar theanine , que se alega ter leves propriedades psicoativas.[30]

Cordyceps sinensis é um fungos entomopatogênicos coletados no Planalto Tibetano. O imunossupressor ciclosporina foi originalmente isolado de Cordyceps subsessilis. O análogo da adenosina, cordycepin foi originalmente isolado de Cordyceps. Outros isolados de Cordyceps incluem, cordymin, cordycepsidone, e cordyheptapeptide.[31] CS-4 é comercialmente vendido como C. sinensis, mas Cs-4 foi recentemente confirmada para ser uma espécie diferente das espécies de Cordyceps utilizadas na medicina tradicional Chinesa. CS-4 é adequadamente conhecida como Paecilomyces hepiali. Hirsutella sinensis é a forma assexuada aceita de C. sinensis.[32]

Lentinula edodes (Shiitake) tem sido usado como uma fonte de Lentinano, AHCC, e eritadenine. Em 1985, o Japão aprovou o lentinan como um adjuvante para o câncer gástrico. Estudos indicam prolongada sobrevivência e a melhora da qualidade de vida quando os pacientes com câncer gástrico com incuráveis ou recorrentes doenças são tratadas com lentinan, em combinação com outros agentes quimioterápicos.[11]

Ustilago maydis sintetiza ustilagine e ustilagic acid.[33]

O Ganoderma lucidum (Ling zhi, mannentake, reishi) tem uma longa história de uso medicinal. Ele contém ácido p-hidroxibenzóico, ácido cinâmico, e outros compostos.[34]

Hydnellum peckii fornece atromentin, um anticoagulante isolado da micorriza.[35][36]

Schizophyllum commune produziu o schizophyllan (SPG, sizofiran, sonifilan), que tem sido pesquisado clinicamente para a atividade anticancerígena.[37] Hidrofobina foi originalmente isolada de S. comuna. Um polissacarídeo quimicamente análogo, scleroglucan, é um isolado de Sclerotium rolfsii.

Trametes versicolor  produz a polissacarídeos proteína-dependentes  PSK e PSP (polisacaropeptideo) a partir de diferentes cepas de micélio. No Japão, PSK é um adjuvante do tratamento de câncer gástrico. O japão começou a usar a PSK em 1977, enquanto que a China começou a usar o PSP em 1987.[citação necessários]

Leveduras[editar | editar código-fonte]

Saccharomyces é usado industrialmente para produzir o aminoácido lisina, bem como proteínas recombinantes de insulinaantígeno de superfície da Hepatite B. Leveduras transgênicas são usadas para produzir artemisinina, bem como uma série de análogos de insulina.[38] Candida é usada industrialmente para produzir vitaminas, ácido ascórbico e riboflavina. Pichia é usado para produzir o aminoácido triptofano e vitamina piridoxina. Rhodotorula é usado para produzir o aminoácido fenilalanina. Moniliella é usado industrialmente para produzir o açúcar álcoolico eritritol.

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Engler M, Anke T, Sterner O (1998). «Production of antibiotics by Collybia nivalis, Omphalotus olearis, a Favolaschia and a Pterula species on natural substrates.». Z Naturforsch C. 53 (5-6): 318–24. PMID 9705612 
  2. «Maitake Mushroom». Complementary and Alternative Medicine : Diet and Nutrition. American Cancer Society. 2008. Consultado em 8 de março de 2011 
  3. Zheng, Weifa; Miao, Kangjie; Liu, Yubing; Zhao, Yanxia; Zhang, Meimei; Pan, Shenyuan; Dai, Yucheng (2010). «Chemical diversity of biologically active metabolites in the sclerotia of Inonotus obliquus and submerged culture strategies for up-regulating their production». Applied Microbiology and Biotechnology. 87 (4): 1237–54. PMID 20532760. doi:10.1007/s00253-010-2682-4 
  4. a b S Malhotra, R Subban, A Singh (2007). «Lichens – Role in Traditional Medicine and Drug Discovery». The Internet Journal of Alternative Medicine. 5 (2) 
  5. Bemani E, Ghanati F, Rezaei A, Jamshidi M (2013). «Effect of phenylalanine on Taxol production and antioxidant activity of extracts of suspension-cultured hazel (Corylus avellana L.) cells.». J Nat Med. 67 (3): 446–51. PMID 22847380. doi:10.1007/s11418-012-0696-1 
  6. Gangadevi V, Murugan M, Muthumary J (2008). «Taxol determination from Pestalotiopsis pauciseta, a fungal endophyte of a medicinal plant.». Sheng Wu Gong Cheng Xue Bao. 24 (8): 1433–8. PMID 18998547. doi:10.1016/s1872-2075(08)60065-5 
  7. «Cópia arquivada» (PDF). Consultado em 17 de agosto de 2014. Arquivado do original (PDF) em 26 de dezembro de 2014  |deadurl= e |urlmorta= redundantes (ajuda)
  8. «Research update: Chemists find help from nature in fighting cancer - MIT News Office». Web.mit.edu. 27 de fevereiro de 2013. Consultado em 17 de dezembro de 2013 
  9. Overy DP, Larsen TO, Dalsgaard PW, Frydenvang K, Phipps R, Munro MH, et al. (2005). «Andrastin A and barceloneic acid metabolites, protein farnesyl transferase inhibitors from Penicillium albocoremium: chemotaxonomic significance and pathological implications.». Mycol Res. 109 (Pt 11): 1243–9. PMID 16279417. doi:10.1017/S0953756205003734 
  10. Shrivastava A, Khan AA, Shrivastav A, Jain SK, Singhal PK (2012). «Kinetic studies of L-asparaginase from Penicillium digitatum.». Prep Biochem Biotechnol. 42 (6): 574–81. PMID 23030468. doi:10.1080/10826068.2012.672943 
  11. a b Ina, K; Kataoka, T; Ando, T (2013). «The use of lentinan for treating gastric cancer». Anti-cancer agents in medicinal chemistry. 13 (5): 681–8. PMC 3664515Acessível livremente. PMID 23092289. doi:10.2174/1871520611313050002 
  12. «Lentinan». Memorial Sloan-Kettering Cancer Center. 27 de fevereiro de 2013. Consultado em 1 de agosto de 2013 
  13. «Mushrooms and cancer». Cancer Research UK. Consultado em 1 de agosto de 2013 
  14. Zmitrovich IV (2015). «Anti-cancer metabolites of Basidiomycota and their molecular targets. A review.» (PDF). Vestnik Permskogo Universiteta. Biologiya. 2015 (3): 264–86 
  15. a b c Tobert, Jonathan A. (2003). «Lovastatin and beyond: the history of the HMG-CoA reductase inhibitors». Nature Reviews Drug Discovery. 2: 517–526. PMID 12815379. doi:10.1038/nrd1112 
  16. Jahromi MF, Liang JB, Ho YW, Mohamad R, Goh YM, Shokryazdan P (2012). «Lovastatin production by Aspergillus terreus using agro-biomass as substrate in solid state fermentation.». J Biomed Biotechnol. 2012. 196264 páginas. PMC 3478940Acessível livremente. PMID 23118499. doi:10.1155/2012/196264 
  17. Kim H, Baker JB, Park Y, Park HB, DeArmond PD, Kim SH, et al. (2010). «Total synthesis, assignment of the absolute stereochemistry, and structure-activity relationship studies of subglutinols A and B.». Chem Asian J. 5 (8): 1902–10. PMID 20564278. doi:10.1002/asia.201000147 
  18. Nagaraj, G.; Uma, MV.; Shivayogi, MS.; Balaram, H. (janeiro de 2001). «Antimalarial activities of peptide antibiotics isolated from fungi». NCBI. Antimicrobial Agents and Chemotherapy. 45 (1): 145–9. PMC 90252Acessível livremente. PMID 11120957. doi:10.1128/aac.45.1.145-149.2001 
  19. Lo, HC; Wasser, SP (2011). «Medicinal mushrooms for glycemic control in diabetes mellitus: History, current status, future perspectives, and unsolved problems (review)». International journal of medicinal mushrooms. 13 (5): 401–26. PMID 22324407. doi:10.1615/intjmedmushr.v13.i5.10 
  20. Hoegberg LC; Larsen L; Sonne L; Bang J; Skanning PG (2008). «Three cases of Amanita muscaria ingestion in children: two severe courses [abstract]». Clinical Toxicology. 46 (5): 407–8. PMID 18568796. doi:10.1080/15563650802071703 
  21. «The New Science of Psychedelics». michaelpollan.com (em inglês). Consultado em 9 de março de 2019 
  22. Schade R, Andersohn F, Suissa S, Haverkamp W, Garbe E (janeiro de 2007). «Dopamine agonists and the risk of cardiac-valve regurgitation». The New England Journal of Medicine. 356 (1): 29–38. PMID 17202453. doi:10.1056/NEJMoa062222 
  23. Keegan RJ, Lu Z, Bogusz JM, Williams JE, Holick MF (1 de janeiro de 2013). «Photobiology of vitamin D in mushrooms and its bioavailability in humans». Dermatoendocrinol. 5 (1): 165–76. PMC 3897585Acessível livremente. PMID 24494050. doi:10.4161/derm.23321 
  24. Takaku, Takeshi; Kimura, Yoshiyuki; Okuda, Hiromichi (maio de 2001). «Isolation of an antitumor compound from Agaricus blazei Murill and its mechanism of action». The Journal of Nutrition. 131 (5): 1409–13. PMID 11340091 
  25. Hyodo, I.; Amano, N; Eguchi, K; Narabayashi, M; Imanishi, J; Hirai, M; Nakano, T; Takashima, S (2004). «Nationwide Survey on Complementary and Alternative Medicine in Cancer Patients in Japan». Journal of Clinical Oncology. 23 (12): 2645–54. PMID 15728227. doi:10.1200/JCO.2005.04.126 
  26. Fortes, RC; Novaes, MRCG; Recova, VL; Melo, AL (2009). «Immunological, hematological, and glycemia effects of dietary supplementation with Agaricus sylvaticus on patients' colorectal cancer». Experimental Biology and Medicine. 234 (1): 53–62. PMID 18997106. doi:10.3181/0806-RM-193 
  27. Ahn, W.-S.; Kim, D.-J.; Chae, G.-T.; Lee, J.-M.; Bae, S.-M.; Sin, J.-I.; Kim, Y.-W.; Namkoong, S.-E.; Lee, I. P. (2004). «Natural killer cell activity and quality of life were improved by consumption of a mushroom extract, Agaricus blazei Murill Kyowa, in gynecological cancer patients undergoing chemotherapy». International Journal of Gynecological Cancer. 14 (4): 589–94. PMID 15304151. doi:10.1111/j.1048-891X.2004.14403.x 
  28. «Agaricus». About Herbs, Botanicals & Other Products. Memorial Sloan-Kettering Cancer Center. Consultado em 18 de janeiro de 2010 
  29. Hetland, G.; Johnson, E.; Lyberg, T.; Bernardshaw, S.; Tryggestad, A. M. A.; Grinde, B. (2008). «Effects of the Medicinal Mushroom Agaricus blazei Murill on Immunity, Infection and Cancer». Scandinavian Journal of Immunology. 68 (4): 363–70. PMID 18782264. doi:10.1111/j.1365-3083.2008.02156.x 
  30. «l-theanine». drugs.com. The chemical has also been isolated from the edible mushroomBoletus badius. 
  31. Khan, Md.Asaduzzaman; Tania, Mousumi; Zhang, Dian-Zheng; Chen, Han-Chun (2010). «Cordyceps Mushroom: A Potent Anticancer Nutraceutical». The Open Nutraceuticals Journal. 3: 179–83. doi:10.2174/1876396001003010179 
  32. Chen, Yue-Qin; Wang, Ning; Qu, Liang-Hu; Li, Tai-Hui; Zhang, Wei-Ming (2001). «Determination of the anamorph of Cordyceps sinensis inferred from the analysis of the ribosomal DNA internal transcribed spacers and 5.8S rDNA». Biochemical Systematics and Ecology. 29 (6): 597–607. ISSN 0305-1978. PMID 11336809. doi:10.1016/S0305-1978(00)00100-9 
  33. Juárez-Montiel M, Ruiloba de León S, Chávez-Camarillo G, Hernández-Rodríguez C, Villa-Tanaca L (2011). «Huitlacoche (corn smut), caused by the phytopathogenic fungus Ustilago maydis, as a functional food.». Rev Iberoam Micol. 28 (2): 69–73. PMID 21352944. doi:10.1016/j.riam.2011.01.001 
  34. Liu D, Gong J, Dai W, Kang X, Huang Z, Zhang HM, et al. (2012). «The genome of Ganoderma lucidum provides insights into triterpenes biosynthesis and wood degradation [corrected].». PLoS ONE. 7 (5): e36146. PMC 3342255Acessível livremente. PMID 22567134. doi:10.1371/journal.pone.0036146 
  35. Khanna, Jatinder M.; Malone, Marvin H.; Euler, Kenneth L.; Brady, Lynn R. (1965). «Atromentin. Anticoagulant from Hydnellum diabolus». Journal of Pharmaceutical Sciences. 54 (7): 1016–20. PMID 5862512. doi:10.1002/jps.2600540714 
  36. Zheng, Chang-Ji; Sohn, Mi-Jin; Kim, Won-Gon (2006). «Atromentin and Leucomelone, the First Inhibitors Specific to Enoyl-ACP Reductase (FabK) of Streptococcus pneumoniae». The Journal of Antibiotics. 59 (12): 808–12. PMID 17323650. doi:10.1038/ja.2006.108 
  37. Mantovani G, Bianchi A, Curreli L, Ghiani M, Astara G, Lampis B, et al. (1997). «Clinical and immunological evaluation of schizophyllan (SPG) in combination with standard chemotherapy in patients with head and neck squamous cell carcinoma.». Int J Oncol. 10 (1): 213–21. PMID 21533366. doi:10.3892/ijo.10.1.213 
  38. Mark Peplow. «Sanofi launches malaria drug production | Chemistry World». Rsc.org. Consultado em 17 de dezembro de 2013 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]