Furacão Maria (2017)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Este artigo é sobre o furacão de 2017. Para outros furacões, veja Furacão Maria.
Furacão Maria
Categoria 5 (EFSS)
Furacão Maria em sua máxima intensidade em 19 de setembro
Formação 16 de setembro de 2017
Dissipação 03 de outubro de 2017
Vento mais forte (1 min) 150 nós (278 km/h, 173 mph), com rajadas de 185 nós (343 km/h, 213 mph)
Pressão mais baixa 908 hPa (mbar) ou 681 mmHg
Danos 51.1 bilhões de dólares
Fatalidades 33[1][2]
Áreas afetadas Ilhas de Barlavento (principalmente Dominica, mas também Martinica, Guadalupe, Montserrat, Antígua e Barbuda e São Bartolomeu), Porto Rico

O Furacão Maria foi um ciclone tropical que recentemente atingiu o solo duas vezes na região do Caribe, primeiro na ilha de Dominica, localizada nas Ilhas de Barlavento, e depois na ilha de Porto Rico, afetando outras regiões do Caribe, como a República Dominicana e as Ilhas Turcas e Caicos.[3] É a décima terceira tempestade nomeada, sétimo furacão, o quarto grande furacão e o segundo furacão de Categoria 5 da temporada de furacões no Atlântico em 2017.

O Furacão Maria formou-se em 16 de setembro em uma onda tropical que foi monitorada pelo Centro Nacional de Furacões a partir de 14 de setembro. É o terceiro grande furacão seguido a ameaçar as Ilhas de Barlavento com um impacto direto ou grandes impactos dentro de duas semanas, após o Furacão Irma causar um dano catastrófico e o Furacão Jose, então um furacão de Categoria 4, que passou próximo do local. Às 23:30 UTC do dia 18 de setembro, Maria fortaleceu-se para um furacão de Categoria 5, fazendo com que a Temporada de furacões no Atlântico de 2017 seja a primeira desde 2007 a caracterizar dois furacões de Categoria 5 e uma das seis temporadas de furacões no Atlântico com dois ou mais furacões de Categoria 5, bem como apenas a segunda temporada (após 2007) a apresentar dois furacões que atingiram o solo na intensidade de Categoria 5. Além disso, é o décimo furacão no Atlântico mais intenso já registrado e também é o furacão com a menor pressão atmosférica em todo o mundo em 2017.

Em 20 de setembro, o furacão Maria atingiu Porto Rico na condição de pior tempestade a se abater sobre o território em quase 90 anos, transformando ruas em rios repletos de destroços, danificando edifícios e cortando a energia depois de matar ao menos 33 pessoas no Caribe.[1] Nesse mesmo período de tempo sua intensidade foi rebaixada a categoria 2, após deixar Porto Rico em 21 de setembro, se intensificou novamente atingindo a categoria 3 e logo em seguida a categoria 4, seguindo em direção as Bahamas.[4]

Em 22 de setembro, foi rebaixado a categoria 3 e houve uma mudança de curso o afastando das Bahamas e de ilhas povoadas. Em 24 de setembro se enfraqueceu novamente a categoria 2 e segue em direção ao norte sem oferecer riscos atualmente.[5]

Referências

  1. a b «Furacão Maria causa destruição em Porto Rico após matar 9 pessoas no Caribe». G1. Globo.com 
  2. «Ouragan Maria : deux morts et deux disparus en Guadeloupe». Le Monde (em francês). Agence France-Presse & Reuters. 19 de setembro de 2017. Consultado em 19 de setembro de 2017 
  3. «Hurricane MARIA». www.nhc.noaa.gov. Consultado em 18 de setembro de 2017 
  4. Pasch, Richard (21 de setembro de 2017). «Hurricane Maria Discussion Number 21». National Hurricane Center. Consultado em 24 de setembro de 2017 
  5. «Hurricane Maria Forecast Discussion». National Hurricane Center. 24 de setembro de 2017. Consultado em 24 de setembro de 2017 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre ciclones tropicais é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.