Furacão Otto

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Furacão Otto
Categoria 3 (EFSS)
Formação 21
Dissipação 26 de novembro
Vento mais forte (1 min) 115 nós (213 km/h, 132 mph)
Pressão mais baixa 975 hPa (mbar) ou 731 mmHg
Danos $ 50 milhões (2016 USD)
Fatalidades 18 total
Áreas afetadas Panamá
Colômbia
Costa Rica
Nicarágua
Parte da
temporada de furacões no Atlântico de 2016
temporada de furacões no Pacífico de 2016

O furacão Otto (designação de CNH: 16L) foi o furacão mais destructivo e mortífero que tem golpeado frente aos países Costa Rica e Panamá como um furacão categoria 3. Ademais, desde que levam-se registos, Otto foi o primeiro furacão em tocar terra em território da Costa Rica. Foi o décimo-sexto ciclone tropical, décimo-quinta tempestade nomeada e o sétimo furacão da temporada de furacões do Atlântico. Formou-se no dia 21 de novembro na zona sudoeste do Mar do Caribe, em frente à costa do Panamá e Colômbia. Cruzou para o Pacífico tal como o fez o furacão Cesar-Douglas em 1996.

História meteorológica[editar | editar código-fonte]

Trajectória de Otto que entrou a tocar a terra no sul da Nicarágua e norte em Costa Rica e cruzou para o Pacífico

O Centro Nacional de Furacões (NHC) anunciou a formação de um área de baixa pressão no sudoeste do Mar do Caribe, estimando um 20% de desenvolvimento ciclónico dentro de cinco dias. A pressão atmosférica nessa região começou a cair a 14 de novembro, que precedeu a um aumento na conveção, ou tempestades elétricas. Nesse mesmo dia, o NHC aumentou a probabilidade de desenvolvimento ciclónico ao 70%. A amplo área de baixa pressão movia-se lento e erráticamente, com uma estrutura desorganizada e ventos ligeiros, alterados por condições desfavoráveis de nível superior.

A 19 de novembro, a conveção aumentou e organizou-se melhor, no meio de condições marginalmente favoráveis. Os caçadores de furacões voaram sobre o sistema a 20 de novembro, observando uma circulação bem definida mas uma atividade de tempestade insuficiente para a classificar como uma depressão tropical. Posteriormente, a conveção aumentou no centro e organizou-se em bandas de chuva. Baixo essa situação, o NHC iniciou avisos da Depressão Tropical Dezasseis às 09:00 UTC do 21 de novembro, localizada a uns 275 km ao leste-sudeste da ilha de San Andrés e a 480 km ao leste de Bluefields, Nicarágua.

A depressão nascente serpenteou sobre o sudoeste do Mar do Caribe, seu caminho para o norte bloqueado por uma crista. A atividade da tempestade continuou pulsando sobre o centro, e o núcleo interno de conveção fez-se mais organizado. No final de 21 de novembro, o NHC foi elevada a depressão como a tempestade tropical Otto, baseada em estimativas de vento derivadas de satélites de 85 km/h (50 mph). A tempestade tinha a saída estabelecida para o nordeste, alimentada por temperaturas de água quente de ao redor de 84°F (29°C). Após a conveção organizada num cúmulo denso central. Otto fortaleceu-se como furacão categoria 1 no final de 22 de novembro; sendo o furacão mais meridional do Caribe que atingiu essa intensidade, um dia após que o Furacão Martha estabeleceu o recorde anterior em 1969. A 23 de novembro foi elevado a categoria 2, ainda que em meados de 24 de novembro diminuiu a categoria 1. No entanto, chegou a ser categoria 3 com ventos de 185 km, ao chegar a Blue Fields Nicarágua, depois passou a ser furacão categoria 2 ao chegar à Costa Rica

Preparações e impacto[editar | editar código-fonte]

 Colômbia[editar | editar código-fonte]

Nas ilhas colombianas de Santo André, Providência e Santa Catarina como medida de prevenção se fecharam as praias, se cancelaram voos e se proibiu explorar as ilhas por meio de carros de golfe.[1]

Ante a alerta existente, o Ministério de Transporte informou que não terá operações aéreas em San Andrés até 23 de novembro de 2016.[2]

Igualmente, cancelaram os voos comerciais com destino à ilha. Também se proibiram as viagens a cayos, atolones e islotes. A decisão foi tomada pela Aerocivil em conjunto com as aerolíneas.

A Armada Nacional de Colômbia decidiu intensificar as medidas de reacção de suas unidades marítimas para proteger à comunidade do arquipélago de San Andrés, Providência e Santa Catalina pelo passo do furacão. A instituição dispôs a operação do navio ARC Caldas e de unidades de reacção rápida para atender qualquer incidente que se presente. As ilhas estiveram paralisadas e as empresas trabalharam até médio dia.[3][4]

No costa do Caribe colombiano fecharam-se algumas praias em cidades como Santa Marta, Cartagena e Barranquilla como medida de prevenção pelo incremento das vagas, já que as ondas atingiram até os 5 metros de altura sem reportar vítimas nem feridos, também se proibiram as viagens em lancha e atividades como a pesca.[5]

 Panamá[editar | editar código-fonte]

Desde o 22 de novembro, oito pessoas perderam a vida durante o passo de Otto por Panamá, ainda que só três delas morreram directamente por causa do fenómeno meteorológico, um menino falecido pela queda de uma árvore e um casal de recém casados que morreram por um alude de lodo, enquanto dormiam.[6] As outras cinco pessoas falecidas não foram contabilizadas pelas autoridades devido que «perderam a vida por condutas temerarias em diferentes acções dentro do país». Em Panamá, teve afetações em bens imóveis pelas inundações e deslizamentos como consequência do furacão.[7][8] As equipas de resgate centraram os seus esforços em encontrar a três pessoas desaparecidas depois do naufrágio de uma embarcação e a outra que teria sido surpreendida por um deslizamento enquanto dormia em sua casa, que foi arrastada por um deslizamento de terra.[9]

Costa Rica[editar | editar código-fonte]

Desde que levam-se registros, Otto foi o primeiro furacão em tocar terra na Costa Rica, após entrar ao istmo por Nicarágua, e também o primeiro em cruzar o país de oceano a oceano.[10][11][12][13] Otto foi o primeiro ciclone com força de furacão que impacta directamente Costa Rica desde os primeiros registro históricos[14] e o segundo desde a Tempestade Tropical de dezembro de 1887 em ingressar a solo costariquensee.[15]

A partir de 22 de novembro, reportaram-se inundações no Matina, província de Limón. Setenta e cinco famílias do distrito de Bataán viram-se danificadas pela perda de suas casas por causa do desbordamento do rio Chirripó e rio Zapote.[16] O governo da República decretou alerta vermelha em mais de 30 cantões do país, especialemnte os da zona norte, caribe do país e os do pacífico norte, central e sul; ordenou-se a evacuação de 4.000 pessoas na costa norte do Caribe.[17] Declarou-se ao resto do país em alerta amarela.[18] Como medida de prevenção se cancelaram as classes em todos os centros educativos públicos de Costa Rica nos dias quintas-feiras 24 e sextas-feiras 25 de novembro.[19]

Entrando Terra em Sur de Nicarágua e em Norte de Costa Rica

A seu passo pelo país, o furacão Otto deixou 23 comunidades isoladas.[20] O impacto mais forte sofrem-no os cantões de Bagaces, Los Chiles, Upala, Guatuso e Liberia reportando-se falha do fluído eléctrico, intensos ventos e aguaceros, desabastecimiento de água potável em algumas localidades, inundações, centos de árvores caídas, bem como casas, pontes e caminhos destruídos.[21] Ademais, apresentaram-se importantes derrubes nos vulcões Miravalles e Rincão da Velha pelo passo do furacão Otto sobre estes colosos da Cordilheira Vulcânica de Guanacaste.

Oficialmente reportam-se 10 pessoas mortas.[22] O balanço dos danos foi calculado em 10.831 pessoas afectadas directamente, com 3.400 albergados, 412 povoados com algum tipo de afetação, danos em 2.778 quilómetros de estradas, 8 pontes e 1.598 moradias.[23]

Nicarágua[editar | editar código-fonte]

San Juan de Nicarágua, o passo deste fenómeno, que entrou ao país como furacão categoria 3, depois diminuiu a furacão categoria 2, entrando em categoria 2 a Costa Rica. De acordo com imagens facilitadas, neste lugar ficaram árvores caídas e as moradias sofreram danos. No entanto, nenhuma pessoa perdeu a vida por causa deste evento, segundo informou a porta-voz do governo, Rosario Murillo. Otto, entrou ao país na quinta-feira 24 ao meio dia com ventos sustentados de até 185 quilómetros por hora e com rajadas de 200 quilómetros por hora, de acordo com Marcio Baca, director de Meteorologia do Instituto Nicaraguense de Estudos Territoriais.[24]

Retiro do nome[editar | editar código-fonte]

A 26 de março de 2017, o nome Otto foi retirado pela Organização Meteorológica Mundial e substituído por Owen para a temporada de 2022. O nome de Otto não será utilizado de novo para outro furacão do Atlântico. isto devido aos impactos significativos de Otto na América central, especialmente na Costa Rica.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. http://www.elheraldo.co/barranquilla/otto-pasa-de-tempestade-tropical-huracan-de-categoria-1-304471
  2. http://m.vanguardia.com/colombia/video-380761-asi-se-prepara-san-andres-y-providencia-ante-el-huracan-otto
  3. http://www.elheraldo.co/barranquilla/alerta-por-huracan-otto-en-san-andres-y-centroamerica-304757
  4. http://www.elcolombiano.com/colombia/san-andres-prepara-refugios-ante-la-llegada-del-huracan-otto-xk5419365
  5. http://www.elheraldo.co/barranquilla/alerta-en-la-region-caribe-por-tempestade-tropical-otto-que-amenaza-con-convertirse-en
  6. «Otto causa mortes e danos em Panamá». A Imprensa. 23 de novembro de 2016. Consultado em 23 de novembro de 2016 
  7. http://www.panamaamerica.com.pa/tema-del-dia/huracan-otto-paraliza-al-pais-con-resultados-tragicos-sigue-la-alerta-1051147
  8. http://elsiglo.com/panama/huracan-otto-deja-paso-luto-desgracia/23972575
  9. http://www.elnuevoherald.com/noticias/mundo/america-latina/article116916268.html
  10. Rodríguez, Mirta (26 de novembro de 2016). «Otto, o único que tem cruzado do Atlântico ao Pacífico em 28 anos». La Estrella de Panamá. Consultado em 26 de novembro de 2016 
  11. Gabriela Hoos, Natalia Soto, and Vanessa Loaiza (26 de novembro de 2016). «A impressão imborrable de Otto, o primeiro furacão que cruzou Costa Rica». La Nación. Consultado em 26 de novembro de 2016 
  12. Masters, Jeff (25 de novembro de 2016). «Otto Shifts from Atlantic to Pacific after Historic Landfall in Central America». Weather Underground. The Weather Company. Consultado em 26 de novembro de 2016 
  13. Murillo, Álvaro (24 de novembro de 2016). «Otto se degrada a tempestade tropical ao passar por Nicarágua». Univisión. Consultado em 26 de novembro de 2016 
  14. Fritz, Angela (22 de novembro de 2016). «'Otto' could be first hurricane to make landfall in Costa Rica since at least 1851». The Washington Pós. Consultado em 23 de novembro de 2016 
  15. Diaz, R. (2004) A tempestade tropical de 1887 e seu passo pelas fontes históricas costariquenses. Revista Estudos, N° 18-19, 39-56
  16. «Nacion.com». Consultado em 23 de novembro de 2016 
  17. http://www.ensegundos.com.pa/index.php/2016/11/22/costa-rica-ordena-evacuaciones-por-alerta-roja-del-huracan-otto/
  18. http://www.crhoy.com/nacionales/estos-son-los-18-cantões-en-alerta-roja-por-otto/
  19. [1]
  20. http://www.ameliarueda.com/nota/23-comunidades-aisladas-efectos-huracan-otto-paso-costa-rica
  21. «Copia archivada». Consultado em 25 de novembro de 2016. Cópia arquivada em 25 de novembro de 2016 
  22. http://www.ameliarueda.com/nota/hallazgo-de-bebe-eleva-a-10-numero-de-fallecidos-por-otto
  23. http://www.ameliarueda.com/nota/afectadas-casas-danos-poblados-otto-huracan-bagaces-upala
  24. http://www.laprensa.com.ni/2016/11/25/nacionales/2140403-otto-golpeo-poco-en

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Furacão Otto