Futebol do Piauí

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Estádio Alberto Tavares Silva recebeu a decisão da Série D de 2015.

O futebol foi introduzido no Piauí por volta de 1905, através de ingleses, em Parnaíba. Contudo, o primeiro campeonato disputado em território piauiense somente foi realizado em 1916, sob organização da Liga de Futebol da Parnaíba. O profissionalismo do esporte ocorreu em 1963, quando Caiçara e Piauí jogaram pela partida inaugural do campeonato estadual, que ficou marcado como o primeiro torneio da era profissional. Por outro lado, o auge do futebol no estado aconteceu durante a década de 1970. Na ocasião, alguns fatores como investimento público e contratações de jogadores famosos colaboraram para atrair o público ao recém construído estádio Governador Alberto Tavares Silva.

A Federação de Futebol do Piauí, entidade que rege o esporte no estado, foi fundada em 25 de novembro de 1941. Esta é a responsável pela organização do Campeonato Piauiense e de outras competições.

História[editar | editar código-fonte]

Estima-se que o futebol tenha sido introduzido no Piauí por volta de 1905, através de ingleses, em Parnaíba. No dia 27 de julho de 1906, surgiu o Theresinense Foot-Ball Club, primeiro clube futebolístico do estado.[1] O Parnahyba, por sua vez, fundado em 1913, detém o posto de agremiação mais antiga ainda em atividade.[1][2]

Em 1916, o primeiro campeonato foi realizado no estado aconteceu na cidade da Parnaíba em 1916, o qual foi resultado organizado pela Liga de Futebol local. O profissionalismo do esporte, no entanto, somente foi implementado em 1963, quando, no dia 7 de julho, Caiçara e Piauí fizeram o jogo de abertura do Campeonato Piauiense, oficialmente a primeira competição de futebol profissional do estado.[1] Naquele mesmo ano, o River se tornou o primeiro representante piauiense em uma competição nacional, a Taça Brasil.[1]

Na década seguinte, o futebol piauiense viveu seu período de auge, com a construção do estádio Alberto Tavares Silva, o investimento público e as contratações de jogadores famosos.[1] Apesar disso, o futebol do Piauí sofreu uma decadência nas últimas décadas que persiste até os dias atuais. O jornalista Carlos Said atribuí esse declínio ao profissionalismo, que proporcionou a desorganização dos dirigentes, a perda do patrimônio dos clubes, o endividamento e o desaparecimento dos ídolos. Já o escritor Severino Filho mencionou o surgimento de outras formas de lazer na capital Teresina.[1]

Organizações[editar | editar código-fonte]

As primeiras entidades que surgiram no Piauí foram as ligas dos municípios de Teresina e Parnaíba, as quais ficaram responsáveis pelas realizações de competições locais.[1] Contudo, o decreto nacional nº 3199/1941 do governo Getúlio Vargas determinou que as sedes dos desportos deveriam estar localizadas nas capitais. Por conseguinte, as ligas locais foram substituídas pela Federação de Futebol do Piauí, a entidade máxima que rege o esporte no estado.[3] Esta, por sua vez, foi fundada em 25 de novembro de 1941 com o nome de Federação Piauiense de Futebol. Sua denominação foi alterada em duas ocasiões: a primeira em decorrência da implantação do profissionalismo em 1963. Mais tarde, em 1991, por causa do cinquentenário.[3]

Competições[editar | editar código-fonte]

O ano de 1957 marcou a primeira edição da segunda divisão piauiense, competição realizada de forma aleatória, dependendo do interesse e da condição financeira das equipes do estado. Por conseguinte, apresentou diversos hiatos de inatividade em sua história, alguns com décadas de duração.[4] Em 2006, a principal competição foi transferida para o segundo semestre e a temporada foi inaugurada pela Copa Piauí, uma competição eventualmente organizada que teve o River como o primeiro campeão.[5][6]

Estrutura[editar | editar código-fonte]

Lista de estádios[editar | editar código-fonte]

Fachada do Alberto Tavares Silva, o principal estádio do Piauí

Os principais sítios futebolísticos do Piauí estão localizados na capital Teresina. O título de maior estádio fica com o Governador Alberto Tavares Silva, conhecido popularmente por Albertão.[7][8] Inaugurado em agosto de 1973, o sítio possui uma capacidade total que supera a marca de cinquenta mil pessoas,[9] contudo, esse número foi sendo limitado ao longo dos anos em decorrência da deterioração estrutural.[10] Mesmo assim, o local recebeu mais de quarenta mil pessoas na última partida da Série D de 2015, que consagrou a conquista do Botafogo-SP.[11] O Lindolfo Monteiro também se situa no município, mais especificamente na região do centro.[12]

De acordo com o Cadastro Nacional de Estádios de Futebol da Confederação Brasileira de Futebol, o Piauí possui onze estádios em condições de receber jogos, somente um com capacidade acima de dez mil pessoas.[9]

Estádio Nome popular Localidade Capacidade Ref.
Deusdeth de Melo Campo Maior 4.000 [9]
Dirceu Arcoverde Verdinho Parnaíba 4.328
Gérson Campos Oeiras 4.000
Governador Alberto Tavares Silva Albertão Teresina 52.296
Helvídio Nunes Picos 5.000
Juca Fortes Barras 4.870
Lindolfo Monteiro Lindolfinho Teresina 5.144
Manoel Freitas Soares Duduzão Luís Correia 3.000
Mão Santa Piscinão Parnaíba 4.146
Tibério Nunes Tiberão Floriano 5.398
Ytacoatiara Arena Colorada Piripiri 5.830

Referências

  1. a b c d e f g Maria do Socorro de Sousa Cruz (2012). «Análise da trajetória do futebol piauiense: da época áurea à decadência» (PDF). Intercom – Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação. Consultado em 17 de maio de 2021. Cópia arquivada (PDF) em 18 de maio de 2021 
  2. Wenner Tito (1 de maio de 2013). «Parnahyba faz história e completa 100 anos de glórias no futebol piauiense». GloboEsporte.com. Consultado em 17 de maio de 2021. Cópia arquivada em 8 de junho de 2020 
  3. a b «A FEDERAÇÃO». Website oficial da. Consultado em 17 de maio de 2021. Cópia arquivada em 18 de abril de 2021 
  4. «Campeonato Piauiense: Segunda Divisão». Bolanaarea.com. Consultado em 13 de dezembro de 2020. Cópia arquivada em 15 de setembro de 2019 
  5. «CLUBES QUE FAZEM FALTA AO FUTEBOL PIAUIENSE». Revistaseriez.org. 25 de setembro de 2018. Consultado em 17 de maio de 2021. Cópia arquivada em 12 de outubro de 2018 
  6. Severino Filho (26 de setembro de 2009). «River ganhou primeira Copa vencendo o rival». Acessepiaui.com.br. Consultado em 17 de maio de 2021. Cópia arquivada em 29 de setembro de 2009 
  7. Adriana Magalhães; Sandy Swamy (5 de julho de 2019). «Corpo de Bombeiros controlam incêndio no estádio Albertão». Portalodia.com. Consultado em 17 de maio de 2021. Cópia arquivada em 6 de julho de 2019 
  8. «Mário World? Gramado do Albertão tem cogumelos no meio campo; veja». GloboEsporte.com. 8 de outubro de 2014. Consultado em 17 de maio de 2021. Cópia arquivada em 13 de outubro de 2014 
  9. a b c «CADASTRO NACIONAL DE ESTÁDIOS DE FUTEBOL - REVISÃO 6» (PDF). Confederação Brasileira de Futebol. 18 de janeiro de 2016. p. 71. Consultado em 17 de maio de 2021. Cópia arquivada (PDF) em 25 de fevereiro de 2021 
  10. Dídimo de Castro (18 de dezembro de 2019). «O futebol de Teresina precisa com urgência de um 3º estádio». Cidadeverde.com. Consultado em 17 de maio de 2021. Cópia arquivada em 19 de dezembro de 2019 
  11. «Com um a menos, Bota-SP cala 40 mil pessoas no Albertão e levanta a taça da Série D». GloboEsporte.com. Consultado em 17 de maio de 2021. Cópia arquivada em 14 de novembro de 2015 
  12. «Altos muda horário de treino, e Vasco troca Albertão por Lindolfo Monteiro». Cidadeverde.com. 11 de fevereiro de 2020. Consultado em 17 de maio de 2021. Cópia arquivada em 18 de fevereiro de 2020 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

  • Website oficial da Federação de Futebol do Piauí.