Future Internet testbeds experimentation between BRazil and Europe

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde dezembro de 2012). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Translation to english arrow.svg
A tradução deste artigo está abaixo da qualidade média aceitável. É possível que tenha sido feita por um tradutor automático ou por alguém que não conhece bem o português ou a língua original do texto. Caso queira colaborar com a Wikipédia, tente encontrar a página original e melhore este verbete conforme o guia de tradução.

Future Internet testbeds experimentation between BRazil and Europe (FIBRE) foi um projeto de pesquisa financiado pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e pela Comissão Europeia no âmbito do Programa de Cooperação FP7, objetivo FP7-ICT-2011-EU-Brazil Research and Development. O objetivo principal do projeto foi a concepção, implementação e validação de um ambiente compartilhado para pesquisa em Internet do Futuro (FI), permitindo a pesquisa experimental em infraestrutura de redes e aplicações distribuídas por pesquisadores brasileiros e europeus.

O FIBRE foi um dos projetos selecionados pela primeira Chamada Coordenada Brasil- União Europeia em TICs. Iniciado em outubro de 2011 e concluído em 2014, o projeto contou com a participação de 15 instituições, sendo nove no Brasil, incluindo a RNP, cinco na Europa e uma na Austrália.

O projeto deu origem ao testbed FIBRE, em operação desde 2014.

Atividades[editar | editar código-fonte]

O projeto FIBRE contemplava as seguintes atividades:

  • Desenvolvimento e operação de um novo ambiente de experimentação (testbed) no Brasil, incluindo a instalação de equipamentos de apoio à experimentação em diversas tecnologias de rede, tanto de tecnologia fixa como sem fio. Desenho e implementação de um arcabouço de controle (CMF - Control and Monitoring Framework) para automatizar o uso e a operação do testbed;
  • Federação das instalações experimentais brasileiras com testbeds europeus (e.g. OFELIA, OneLab e NITOS), tanto no nível de conectividade física quanto no nível do arcabouço de controle, para apoiar o aprovisionamento para um experimento de uma fração dos recursos de rede, computadores, armazenamento e outros dispositivos disponíveis nos testbeds instalados nas duas regiões;
  • Implementação de aplicações piloto de utilidade pública para demonstrar o potencial do testbed FIBRE.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]