Gálatas 2

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Gálatas 2
P051-Gal-1 2-10-POxy2157-IV.jpg
Trecho da Epístola aos Gálatas no Papiro 51.
Livro Epístola aos Gálatas
Categoria Epístolas Paulinas
Parte da Bíblia Novo Testamento
Precedido por: Gálatas 1
Sucedido por: Gálatas 3

Gálatas 2 é o segundo capítulo da Epístola aos Gálatas, de autoria do Apóstolo Paulo, no Novo Testamento[1] da Bíblia.

Manuscritos originais[editar | editar código-fonte]

Estrutura[editar | editar código-fonte]

I. Narrativa das experiências de Paulo em apoio à alegação de ser detentor do verdadeiro apostolado (continuação de Gálatas 1)

1. Esteve sob a direção divina em seu labor entre os gentios, e no caso de Tito, um grego, havia insistido em que ficasse livre da observância da lei cerimonial, v. 1-5
2. A igreja em Jerusalém respaldou seu apostolado e seu trabalho entre os gentios, v. 7-10
3. Não vacilou em repreender Pedro, Barnabé e outros judeus cristãos quando viu que estavam cedendo a tendências cerimoniais, v. 11-14

II. A defesa da doutrina da justificação pela fé sem as obras da Lei

1. Ao mostrar a insensatez dos judeus cristãos que abandonavam a nova fé e sua luz e regressavam ao legalismo, v. 15-21

Temas principais[editar | editar código-fonte]

Paulo repreende a Pedro[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Incidente em Antioquia

Referências

  1. «A Formação do Novo Testamento». Portal da Sociedade Bíblica do Brasil 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre a Bíblia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.