Gânglio sentinela

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Mama, gânglios e vasos linfáticos adjacentes.

Gânglio sentinela ou linfonodo sentinela é o provável primeiro linfonodo invadido por um câncer em expansão. Em caso de diagnóstico de câncer se faz a biópsia dos linfonodo(s) sentinela(s) para saber se foram atingido por metástase de câncer ou não. Essa técnica reduz o risco de complicações, é útil no prognóstico, estabelece a terapia e facilita a reparação do local. [1]

Fisiopatologia[editar | editar código-fonte]

A propagação de algumas formas de câncer geralmente segue uma progressão ordenada, espalhando-se primeiro a gânglios linfáticos do local e só depois aos próximos gânglios linfáticos, já que o fluxo da linfa é unidirecional. Ou seja, alguns tipos de câncer se espalhou de uma forma previsível a partir de onde o câncer começou. Nestes casos, se o câncer se espalhar ele vai primeiro para os linfonodos (gânglios linfáticos) mais próximos do tumor antes de se espalhar para outras partes do corpo. Remover um linfonodo sentinela serve para determinar se o câncer se espalhou para o primeiro  dos linfonodos (o "linfonodo sentinela") ou não. Se o linfonodo sentinela não contêm o câncer, então há uma alta probabilidade de que o câncer não se espalhou para outras áreas do corpo. Também pode orientar o cirurgião para a terapia adequada e prognóstico.[2]

Uso clínico[editar | editar código-fonte]

Existem várias vantagens para investigar o gânglio sentinela. Primeiro, diminui o número de dissecções de linfonodos desnecessárias e suas complicações. Segundo, serve para detectar micro-metástases e fazer um melhor estadiamento. Seus principais usos são no câncer de mama e no melanoma, apesar de ter sido utilizado em outros tipos de tumor (câncer de cólon) com sucesso.[3] O uso dessa técnica para outros tipos de câncer está sendo investigados, especialmente para câncer de pênis, carcinoma de células transacionais, câncer de bexiga,[4][5] câncer de próstata,[6][7][8] câncer de testículo[9][10] e câncer de células renais.[11][12]

Referências

  1. Mannu, G.S.; Navi, A.; Morgan, A.; Mirza, S.M.; Down, S.K.; Farooq, N.; Burger, A.; Hussien, M.I. (2012). "Sentinel lymph node biopsy before mastectomy and immediate breast reconstruction may predict post-mastectomy radiotherapy, reduce delayed complications and improve the choice of reconstruction". International Journal of Surgery. 10 (5): 259–64. doi:10.1016/j.ijsu.2012.04.010. PMID 22525383.
  2. Robbins & Cotran Pathologic Basis of Disease. [S.l.: s.n.] ISBN 978-1-4377-2015-0 
  3. «Frozen section investigation of the sentinel node in malignant melanoma and breast cancer». Annals of surgical oncology. 8. PMID 11314938. doi:10.1245/aso.2001.8.3.222 
  4. «Lymphatic mapping and detection of sentinel nodes in patients with bladder cancer». The Journal of Urology. 166. PMID 11490224. doi:10.1016/s0022-5347(05)65842-9 
  5. «Intraoperative Sentinel Node Detection Improves Nodal Staging in Invasive Bladder Cancer». The Journal of Urology. 175. PMID 16406877. doi:10.1016/S0022-5347(05)00066-2 
  6. «The Sentinel Lymph Node Concept in Prostate Cancer – First Results of Gamma Probe-Guided Sentinel Lymph Node Identification». European Urology. 36. PMID 10559614. doi:10.1159/000020054 
  7. «Intensity modulated radiotherapy for high risk prostate cancer based on sentinel node SPECT imaging for target volume definition». BMC Cancer. 5. PMC 1190164Acessível livremente. PMID 16048656. doi:10.1186/1471-2407-5-91 
  8. «Detection of Early Lymph Node Metastases in Prostate Cancer by Laparoscopic Radioisotope Guided Sentinel Lymph Node Dissection». The Journal of Urology. 173. PMID 15879787. doi:10.1097/01.ju.0000158159.16314.eb 
  9. «Lymphatic Mapping and Gamma Probe Guided Laparoscopic Biopsy of Sentinel Lymph Node in Patients with Clinical Stage I Testicular Tumor». The Journal of Urology. 168. PMID 12352400. doi:10.1016/S0022-5347(05)64456-4 
  10. «SPECT/CT and a Portable -Camera for Image-Guided Laparoscopic Sentinel Node Biopsy in Testicular Cancer». Journal of Nuclear Medicine. 52. PMID 21421720. doi:10.2967/jnumed.110.086660 
  11. «Feasibility of sentinel node detection in renal cell carcinoma: A pilot study». European Journal of Nuclear Medicine and Molecular Imaging. 37. PMID 20111964. doi:10.1007/s00259-009-1359-7 
  12. «Sentinel node detection in renal cell carcinoma. A feasibility study for detection of tumour-draining lymph nodes». BJU International. 109. PMID 21883833. doi:10.1111/j.1464-410X.2011.10444.x