Gérson de Oliveira Nunes

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Gérson
Gérson
Informações pessoais
Nome completo Gérson de Oliveira Nunes
Data de nasc. 11 de janeiro de 1941 (80 anos)
Local de nasc. Niterói (RJ), Brasil
Nacionalidade brasileiro
Altura 1,70 m
Canhoto
Apelido Papagaio
Canhotinha de Ouro[1]
Informações profissionais
Período em atividade 1959–1974 (15 anos)
Posição Meio-campista
Clubes de juventude
1956
1957
1958
São Domingos
Canto do Rio
Flamengo
Clubes profissionais
Anos Clubes
1959–1963
1963–1969
1969–1972
1972–1974
Flamengo
Botafogo
São Paulo
Fluminense
Seleção nacional
1961–1972 Brasil

Gérson de Oliveira Nunes (Niterói, 11 de janeiro de 1941) é um ex-futebolista brasileiro que atuava como meio-campista. Jogou em diversos clubes brasileiros de futebol, tendo passagem destacada no Flamengo, no Botafogo, no São Paulo e no Fluminense. Eleito o segundo melhor jogador da Copa do Mundo de 1970,[2] ele é considerado um dos maiores jogadores da história do futebol. Era capaz de fazer lançamentos de mais de quarenta metros de distância, colocando com precisão a bola onde quisesse. Era sensacional e incrível sua habilidade de executar lances tão complicados com tamanha facilidade.[3][4]

Carreira[editar | editar código-fonte]

Nasceu em Niterói e o início do gosto pela bola foi nas peladas da praia de Icaraí. Posteriormente, foi convidado a trocar a areia pelo gramado do campo de futebol.

Aos 16 anos, em 1957, começou a jogar no Canto do Rio, time de Niterói que disputa o Campeonato Carioca. Já menino, se destacava pela qualidade que viria ser a sua maior virtude no futebol: a precisão cirúrgica dos seus lançamentos. Convidado por Modesto Bría, um paraguaio que foi tricampeão pelo Flamengo e depois virou técnico, foi treinar na Gávea, em 1958, e imediatamente ganhou uma vaga no ataque do juvenil.

Em 1959, já fazia parte do elenco de profissionais, exatamente quando conquistou seu primeiro título na carreira. No rubro-negro, o "canhotinha" permaneceu até 1963, quando novamente foi campeão carioca.

No Botafogo, ganhou a definitiva projeção e o título de bicampeão carioca em 1967 e 1968, além do Campeonato Brasileiro, conquistado também em 1968.

Pelo glorioso, atuou ao lado de grandes jogadores como Garrincha, Jairzinho, Roberto Miranda, Paulo Cézar Caju e o goleiro Manga.

Em 17 de julho de 1969, foi negociado com o São Paulo assinando um contrato de dois anos. Com quase 30 anos de idade, ajudou o tricolor na conquista do bi-campeonato paulista em 1970 e 1971.

O "canhotinha de ouro" deu ao tricolor a estabilidade tão necessária para conseguir superar a ausência de títulos que já durava treze longos anos. Pelo tricolor, travou duelos inesquecíveis enfrentando os companheiros de seleção Rivellino e Pelé.

Foi símbolo de uma época de renascimento pelos lados do Morumbi, que manteve a tradição tricolor de buscar e acreditar em jogadores veteranos, assim como já tinha acontecido com Sastre e Zizinho.

Em 1972, voltou ao Rio de Janeiro e realizou o sonho de jogar pelo Fluminense, seu time de coração. No tricolor das laranjeiras foi campeão carioca de 1973 encerrando a carreira, em 1974.

Quando jogava, tinha o apelido de "papagaio" entre seus companheiros atletas, pois sempre gostou de falar muito.

Em 11 janeiro de 2018, o site da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) publicou um artigo parabenizando Gérson pelos 77 anos de idade e agradeceu por sua contribuição na história do futebol nacional e da Seleção Brasileira.[5]

Seleção Brasileira[editar | editar código-fonte]

Em 1970, em imagem da Panini.

Durante o período que atuou pela Seleção Brasileira, disputou 87 jogos (17 não oficiais) e marcou 19 gols (cinco não oficiais) e foi campeão na Copa do Mundo de 1970.[6]

Estilo de Jogo[editar | editar código-fonte]

Embora jogasse como meio-campista, o jornalista inglês Jonathan Wilson observou em um artigo, de 2013, para o The Guardian que ele foi um exemplo precoce de um intérprete mais criativo desse papel, que se concentrou mais na retenção e passe de bola, em vez de apenas tentar recuperar a posse de bola.[7] Um jogador de meio-campo taticamente inteligente, eficiente e tecnicamente talentoso, foi considerado o "cérebro" por trás da Seleção Brasileira que venceu a Copa do Mundo de 1970. Ele era conhecido por sua capacidade de reter a posse e ditar o ritmo do jogo de sua equipe no meio-campo com seu passe preciso, e também era capaz de mudar da defesa para o ataque, jogando bolas longas repentinas e precisas para atender às jogadas de seus companheiros; ele é considerado um dos melhores jogadores da história do esporte e um dos maiores jogadores de todos os tempos no Brasil. Ele também possuía um excelente senso de posição e um chute poderoso com o pé esquerdo, que lhe valeu o apelido de "Canhotinha de Ouro". Na Copa de 1970, foi considerado o segundo melhor jogador pela FIFA, tendo disputado apenas três partidas (estreia contra a Tchecoslováquia, semifinal contra o Uruguai, e a final contra a Itália).[3][4][8][9][10][11][12][13]

Comentarista esportivo[editar | editar código-fonte]

Depois de encerrar a carreira, tornou-se comentarista de futebol da Rádio Globo, foi comentarista da Band ao lado, entre outros, do narrador Januário de Oliveira nos anos 90. Também participou do programa "Mesa Redonda Rio" da Rede CNT, e do programa "Os Donos da Bola" na Band Rio. Em 2012, deixou a Rádio Globo e foi para a Bradesco Esportes FM ao lado dos amigos Gilson Ricardo e José Carlos Araújo (Garotinho). No fim de 2013, se transferiu para a Transamérica ao lado dos amigos Gilson e José Carlos. Em agosto de 2014, deixou a Band e se transferiu para o SBT Rio ao lado de Garotinho, Gilson e Dé, o Aranha. Torcedor do Fluminense, nunca escondeu seu amor pelo clube em seus comentários, temperados com bom humor e um constante sorriso. Coordena uma escola de futebol, participando de diversos projetos esportivos em Niterói, sua cidade natal, onde morou quase toda a sua vida. Em 2015, passou a integrar a equipe de esportes da Super Rádio Tupi ao lado de Garotinho e Gilson.

Apesar de ter iniciado profissionalmente na Gávea e, tendo assim as portas abertas para o futebol, é notória a sua antipatia pelo Flamengo, sempre ressaltando a um colega da Super Rádio Tupi, que irá torcer pelo Flamengo, mas deixando a entender que contra.

Controvérsias[editar | editar código-fonte]

Lei de Gérson[editar | editar código-fonte]

Também ficou famoso nos anos 70 por protagonizar uma campanha publicitária do cigarro Vila Rica, na qual dizia "Gosto de levar vantagem em tudo, certo? Leve vantagem você também...". Essa frase presumidamente resumiria a suposta malandragem brasileira e acabou caindo na cultura midiática como o símbolo do "jeitinho" desonesto de ser e da corrupção, ficando conhecida como Lei de Gérson. Após a associação maliciosa e indevida, ele se lamentou publicamente, em diversas ocasiões, de ter seu nome ligado a esses defeitos associados pela cultura midiática ao povo brasileiro.[14][15][16]

Lista dos 125 Melhores Futebolistas do Pelé[editar | editar código-fonte]

Gérson não gostou da Lista elaborada por Pelé com os melhores futebolistas de todos os tempos vivos. Ele foi inflexível com a decisão e achou que ele e alguns de seus colegas de equipe mereciam um lugar na lista. Ele rasgou simbolicamente um pedaço de papel que continha a lista do Pelé em uma emissora local dizendo: "Eu respeito a opinião dele, mas não concordo. Além de Zidane, Platini e Fontaine, não estou nesta lista que tem 11 franceses? É uma piada ouvir isso."[18]

Entrada dura no peruano De La Torre[editar | editar código-fonte]

Em um jogo entre a Seleção Brasileira e a Seleção do Peru, em 1969, Gerson deu uma entrada violenta no meia do Peru De La Torre, ocasionando a fraturando a perna do meia. Depois disso, o futebolista peruano nunca mais conseguiu jogar como antes.[17]

Segundo Gerson, essa dividida foi um troco do que o meia peruano tinha feito no jogo anterior. "Com o De La Torre, a bronca foi lá no Peru. Tudo começou lá. Ele me deu uma pancada sem bola e eu não consegui deixar lá. E aí, quando tive a oportunidade, foi aqui no Maracanã. E ele deu azar. Pronto, acabou. Azar foi dele dessa vez. Foi pior que o meu azar. Ele era (violento). E eu também tive que entrar."[17]

Títulos[editar | editar código-fonte]

Flamengo
Botafogo
São Paulo
Fluminense
Seleção Brasileira

Conquistas individuais[editar | editar código-fonte]

  • 2º Melhor Jogador (FIFA World Cup Silver Ball) da Copa do Mundo de 1970[2]
  • Incluído na Seleção da Copa do Mundo de 1970
  • Incluído na lista "The 100 Greatest Footballers of All Time" da revista World Soccer[19]
  • Induzido no Hall da Fama do Futebol Brasileiro.Brazilian Football Museum Hall of Fame

Referências

  1. «Gérson, O Canhotinha de Ouro...Ex-meia do Botafogo, Flamengo, São Paulo e Flu». Terceiro Tempo. Consultado em 9 de maio de 2021 
  2. a b «10 greatest Brazilian footballers of all time» (em inglês). Football Whispers. 13 de julho de 2020. Consultado em 9 de maio de 2021 
  3. a b Towle, Max (9 de maio de 2013). «25 Most Skilled Passers in World Football History» (em inglês). Bleacher Report. Consultado em 9 de maio de 2021 
  4. a b Tighe, Sam (19 de março de 2013). «50 Greatest Midfielders in the History of World Football» (em inglês). Bleacher Report. Consultado em 9 de maio de 2021 
  5. Assessoria CBF (11 de janeiro de 2018). «Campeão em 70, Gérson completa 77 anos». CBF. Consultado em 9 de maio de 2021 
  6. «Todos os brasileiros 1966». Folha de S.Paulo. 9 de dezembro de 2015. Consultado em 9 de maio de 2021 
  7. Wilson, Jonathan (18 de dezembro de 2013). «The Question: what does the changing role of holding midfielders tell us?» (em inglês). The Guardian. Consultado em 9 de maio de 2021 
  8. Parkes, Dustin (27 de maio de 2014). «What happened at the 1970 World Cup?» (em inglês). The Score. Consultado em 9 de maio de 2021 
  9. Viner, Brian (23 de outubro de 2011). «Great Sporting Moments: Brazil 4 Italy 1, 1970 World Cup final» (em inglês). The Independent. Consultado em 9 de maio de 2021 
  10. «Brazil's greatest midfielders» (em inglês). Sky Sports. 2 de julho de 2010. Consultado em 9 de maio de 2021 
  11. Thacker, Gary (10 de outubro de 2017). «Gérson: the brain of Brazilian football» (em inglês). These Football Times. Consultado em 9 de maio de 2021 
  12. Atkins, Christopher (15 de janeiro de 2013). «Pele and the 20 Greatest Brazilian Footballers of All Time» (em inglês). Bleacher Report. Consultado em 9 de maio de 2021 
  13. Lo Presti, Salvatore. «GERSON de Oliveira Nunes» (em italiano). Treccani: Enciclopedia dello Sport. Consultado em 9 de maio de 2021 
  14. «O comercial da Lei de Gerson». Almanaque da Comunicação. Consultado em 9 de maio de 2021. Arquivado do original em 25 de janeiro de 2010 
  15. «Viva a lei de Gérson!». Superinteressante. 31 de janeiro de 2004. Consultado em 9 de maio de 2021 
  16. Bruno, Chico (2 de dezembro de 2009). «Como é difícil revogar a Lei de Gérson». Prosa e Política. Consultado em 9 de maio de 2021. Arquivado do original em 20 de fevereiro de 2016 
  17. a b c Pombo, Bernardo; Rademaker, Cauê; Mará, Márcio (14 de dezembro de 2016). «Canhota sem filtro: basta no cigarro, paz com Pelé e ira com Lei de Gerson». Globoesporte.com. Consultado em 9 de maio de 2021 
  18. «Pele list of greatest living football players» (em inglês). Copacabana.info. Consultado em 9 de maio de 2021. Arquivado do original em 2 de outubro de 2011 
  19. «The 100 Greatest Footballers of All Time». World Soccer. RSSSF. 23 de dezembro de 2015. Consultado em 9 de maio de 2021 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]