Gênero teatral

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém fontes no fim do texto, mas que não são citadas no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde janeiro de 2018)
Por favor, melhore este artigo inserindo fontes no corpo do texto quando necessário.

Gênero teatral é uma definição sempre questionável. Como toda generalização, sempre tenderá a negligenciar particularidades de cada obra individual e, como toda definição, ela será sempre marcada por questões e pontos de vista culturais inerentes a cada época.

René Wellek e Austin Warren, em sua obra Teoria da Literatura, distinguem duas definições sobre o gênero: a do pensamento clássico e a do pensamento moderno:[1]

A teoria clássica, de caráter normativo e prescritivo, se importava em quanto cada gênero diferia do outro, quanto a natureza e ao prestígio e considerava que os gêneros "deveriam ser mantidos separados". Esta se preocupava em procurar essências de cada um e discriminar diferenças.

A teoria moderna, por outro lado, de natureza descritiva e pragmática, não limita o número de espécies e nem se preocupa com regras definidoras de cada um, admitindo misturas e o surgimento de novas espécies, assim como o hibridismo entre ambas. A teoria moderna se preocupa mais em buscar pontos de intersecção ou pontos em comum entre o(s) gênero(s).

Gêneros teatrais[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Wellek, R. e Warren, A (1955). Teoria da Literatura. Lisboa, Europa-América. p. 292-293