Gîtâ

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
"Gîtâ"
Single de Raul Seixas
do álbum Gita
Lado A Gîtâ
Lado B Não Pare na Pista
Lançamento Julho de 1974[1]
Formato(s) Disco de vinil de 7 polegadas, tocado à 33 1/3 RPM
Gravação 1974
Gênero(s) Rock and roll
Duração 04:50 (Lado A)
02:50 (Lado B)
Gravadora(s) Philips Records
Composição Raul Seixas / Paulo Coelho
Produção Marco Mazzola
Cronologia de singles de Raul Seixas
Ouro de Tolo
(1973)
Como Vovó já Dizia
(1974)
Lista de faixas de Gita
"Loteria da Babilônia"
(11)

"Gîtâ" é uma canção composta pelo cantor e compositor Raul Seixas e pelo escritor Paulo Coelho e lançada originalmente em um compacto simples, em julho de 1974.[2][1] Apesar de Raul já ser conhecido à época do seu lançamento, o sucesso dessa música é creditado como responsável pelo status que o compositor baiano adquiriria nos anos seguintes, tendo o compacto vendido 600 mil cópias.[1][3] O próprio álbum homônimo, puxado pela faixa título, ultrapassou a vendagem de 100 mil cópias no ano de seu lançamento, sendo certificado disco de ouro.[4]

Em 2009, foi escolhida pela revista Rolling Stone Brasil como uma das 100 maiores músicas brasileiras figurando no 72° lugar.[5]

Faixas[editar | editar código-fonte]

O compacto foi lançado com duas faixas, uma em cada lado do disco de vinil de 7 polegadas, tocado à 33 1/3 RPM, ambas escritas por Raul Seixas e Paulo Coelho.

Gîtâ
N.º Título Duração
1. "Gita"   4:50
2. "Não Pare na Pista"   2:50
Duração total:
7:40

Produção e promoção[editar | editar código-fonte]

O videoclipe, gravado para o programa Fantástico, da TV Globo, e criado por Cyro Del Nero,[6] é considerado um dos primeiros números musicais em cores a fazer sucesso na televisão brasileira.[7][8] Antes de tocá-lo no programa, Raul afirmou:[6]

Esse fenômeno mágico, esse interesse súbito, vamos dizer assim, por essa magia, por essa coisa toda que tá pintando agora, como o filme O Exorcista, essa coisa toda está sendo considerada causa, quando na realidade, é um efeito. A música Gita coloca bem isso, ela desperta em cada um o que a pessoa é: o bem e o mal como sendo uma coisa só. E desperta, na pessoa, Deus como um todo.

Contexto e análise[editar | editar código-fonte]

Seu título faz alusão a um dos textos sagrados do hinduísmo, o Bhagavad Gita, que faz parte do Mahabharata, um dos dois textos épicos mais importantes da Índia e considerado por alguns autores como o texto sagrado mais importante da religião hindu.[3] O texto indiano trata de um diálogo travado entre o guerreiro Arjuna e Krishna, antes da guerra de Kurukshetra, no qual o primeiro pergunta pela natureza de Krishna.[5][9]

Referências na cultura popular[editar | editar código-fonte]

A canção fez parte da trilha sonora nacional da telenovela Mulheres de Areia, exibida pela Rede Globo em 1993; da telenovela Amor e Revolução, exibida pelo SBT em 2011; e foi tema de abertura de outra telenovela - Brida - exibida em 1998, pela Rede Manchete.

Outras versões[editar | editar código-fonte]

Foi gravada posteriormente por Maria Bethânia (em show com Chico Buarque de Holanda), RPM, Rita Lee, Zé Ramalho, Daniel e a dupla sertaneja Milionário & José Rico. Além disso, o próprio Raul Seixas realizou uma versão em inglês, intitulada "I Am (Gita)" para o seu álbum de 1987.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c ALEXANDRE, 1999.
  2. FRANS, 2000, p. 112.
  3. a b SOUZA, 2011, p. 69.
  4. DOMINGUES, 2004, p. 118.
  5. a b LUIZ, Outubro de 2009.
  6. a b BARCINSKI, 2014, pp. 21-22.
  7. Relembre o clipe da música 'Gita', de Raul Seixas. Globo.com - Vídeo Show, 10 de novembro de 2011
  8. 25 anos sem Raul Seixas. Publicado em Rolling Stone Brasil.
  9. BOSCATO, 2006, p. 190.
  10. ROHDEN apud BOSCATO, 2006, pp. 190 e 191.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • ALEXANDRE, Ricardo. Eu morri há dez mil anos atrás. Publicado em revista Trip, nº 71, julho de 1999.
  • Barcinski, André. Pavões Misteriosos — 1974-1983: A explosão da música pop no Brasil São Paulo: Três Estrelas, 2014.
  • FRANS, Elton. Raul Seixas: a história que não foi contada. Rio de Janeiro: Irmãos Vitale, 2000.
  • SOUZA, Isaac Soares de. Dossiê Raul Seixas. São Paulo: Universo dos Livros Editora, 2011.
  • DOMINGUES, André. Os 100 melhores CDs da MPB. São Paulo: Sá Editora, 2004.
  • LUIZ, Thiago Marques. Nº 72 - Gita. Publicado em Rolling Stone Brasil, 100 maiores músicas brasileiras, edição 37, outubro de 2009.
  • MOTTA, Nelson. Noites tropicais. Rio de Janeiro: Editora objetiva, 2000.