Góis

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Góis
Município de Portugal
Vila de Goes.jpg
Paços do Concelho de "Goes" (Góis), postal antigo

Brasão de Góis Bandeira de Góis

Localização de Góis

Gentílico Goiense
Área 263,30 km²
População 4 260 hab. (2011)
Densidade populacional
N.º de freguesias 4
Presidente da
câmara municipal
Lurdes Castanheira (PS)
Fundação do município
(ou foral)
1516
Região (NUTS II) Centro (Região das Beiras)
Sub-região (NUTS III) Região de Coimbra
Distrito Coimbra
Província Beira Litoral
Orago Santa Maria Maior
Feriado municipal 13 de Agosto (Doação do concelho a Anaia Vestrares)
Código postal 3330-310
Sítio oficial www.cm-gois.pt

Góis é uma vila portuguesa do distrito de Coimbra, na província histórica da Beira Litoral, região do Centro (Região das Beiras) e sub-região Região de Coimbra, com menos de 2 000 habitantes,[1] e banhada pelo rio Ceira.[2]

A vila de Góis é sede do município de Góis que tem 263,30 km² de área[3] e 4 260 habitantes (2011)[4][5]. Em 2021, segundo os resultados preliminares do censo, tinha 3806 habitantes, o que representa um decréscimo de -10,7% da população. [6]

O município administrativamente está subdividido em 4 freguesias.[7] O município é limitado a norte pelo município de Arganil, a leste por Pampilhosa da Serra, a sudoeste por Pedrógão Grande e por Castanheira de Pera, a oeste pela Lousã e a noroeste por Vila Nova de Poiares.

População[editar | editar código-fonte]

Número de habitantes [8]
1864 1878 1890 1900 1911 1920 1930 1940 1950 1960 1970 1981 1991 2001 2011
10 305 11 245 10 895 11 891 12 974 12 616 12 230 12 488 11 103 9 744 6 955 6 434 5 372 4 861 4 260

(Obs.: Número de habitantes "residentes", ou seja, que tinham a residência oficial neste município à data em que os censos se realizaram.)

Número de habitantes por Grupo Etário [9]
1900 1911 1920 1930 1940 1950 1960 1970 1981 1991 2001 2011
0-14 Anos 4 034 4 327 4 065 4 203 3 890 3 143 2 500 1 495 1 240 840 580 467
15-24 Anos 1 795 2 218 2 127 2 212 2 143 1 842 1 454 835 798 587 551 354
25-64 Anos 4 674 5 031 5 119 4 977 5 074 4 831 4 442 3 140 2 864 2 385 2 175 1 989
= ou > 65 Anos 990 878 950 1 016 1 063 1 207 1 348 1 235 1 532 1 560 1 555 1 450
> Id. desconh 0 12 74 13 13

(Obs: De 1900 a 1950 os dados referem-se à população "de facto", ou seja, que estava presente no município à data em que os censos se realizaram. Daí que se registem algumas diferenças relativamente à designada população residente)

Freguesias[editar | editar código-fonte]

Freguesias do município de Góis.

O município de Góis está dividido em 4 freguesias:

Património[editar | editar código-fonte]

  • Igreja Matriz de Góis (séc. XV-XIX); túmulo de D. Luís da Silveira  Monumento Nacional
  • Igreja da Misericórdia
  • Capela do Castelo
  • Capela do Mártir S. Sebastião (Séc. XVIII)
  • Paços do Concelho – antiga Casa da Quinta (séc. XVII)
  • Fonte do pombal (séc. XVI)
  • Ponte real (séc. XVI)
  • Pedra Letreira (Arte Rupestre)

História[editar | editar código-fonte]

Em 1708, relatava o Padre António Carvalho da Costa em seu livro:
"Cinco léguas ao Nascente de Coimbra, em um tão profundo vale situado entre as terras do Rabadão e Carvalhal, está fundada a Vila de Góis, banhada pelo Rio Ceira, em cujas correntes se acha bastante ouro e se pescam boas trutas. Mandou-a povoar D. Anião Estrada, fidalgo ilustre natural das Astúrias e companheiro do Conde D. Henrique nas empreitadas do seu tempo. A este D. Anião Estrada deu El-Rey D. Afonso Henriques esta terra pelos anos de 1170 a qual possuiram os seus descendentes com o apelido Góis[10], onde um deles chamado Vasco Pires Farinha, fundou um grande Morgado, vindo por casamento aos Silveiras, condes de Sortelha, o qual hoje possui D. Luis de Lencastre conde de Vila Nova de Portimão. A esta Vila deu foral El-Rey D. Manuel por sentença da nova Relação em Lisboa a 20 de Maio de 1516. Tem uma Igreja Paroquial dedicada a Nossa Senhora da Assunção, e representa o Vigário da Igreja Matriz no seu termo, duas freguesias sendo uma delas com invocação de Nossa Senhora das Neves, no lugar de Cadafaz com treze aldeias anexas, e a segunda dedicada a S. Sebastião situada no lugar do Colmeal com nove aldeias anexas. Em todo este termo há treze Ermidas com muitas fontes de excelente água."[11]

Política[editar | editar código-fonte]

Eleições autárquicas[editar | editar código-fonte]

Data % V % V % V % V % V
PS PPD/PSD CDS-PP IND PSD-CDS
1976 45,66 3 26,10 1 17,56 1
1979 35,84 2 53,16 3
1982 42,66 3 40,18 2 9,61 -
1985 57,83 3 36,58 2
1989 48,38 3 38,54 2
1993 51,11 3 42,45 2
1997 67,11 4 25,76 1 1,38 -
2001 56,19 3 36,98 2 0,98 -
2005 55,16 3 36,28 2 1,03 -
2009 51,45 3 43,55 2
2013 47,37 3 3,13 - 42,07 2
2017 36,06 2 CDS-PP PPD/PSD 30,88 2 29,10 1

Eleições legislativas[editar | editar código-fonte]

Ano %
PS PSD CDS PCP UDP AD APU/

CDU

FRS PRD PSN B.E. PAN PàF L CH IL
1976 34,31 29,22 15,00 2,34 0,91
1979 33,77 AD AD APU 0,86 49,77 4,01
1980 FRS 0,40 55,03 3,07 31,84
1983 48,33 30,62 11,76 0,63 3,18
1985 39,08 31,78 9,68 0,75 3,10 9,02
1987 32,16 53,00 4,44 CDU 0,26 1,98 1,32
1991 29,75 59,71 2,50 1,36 0,72 1,29
1995 50,58 41,08 3,18 0,44 0,85 0,16
1999 53,92 35,40 3,35 1,45 0,85
2002 44,37 44,47 4,53 1,88 1,12
2005 51,63 34,59 4,05 1,65 2,97
2009 43,81 35,51 5,07 2,27 7,34
2011 36,58 43,37 6,08 2,39 3,06 0,76
2015 40,08 PàF PàF 2,96 6,29 0,55 41,40 0,32
2019 44,07 29,71 2,19 1,89 9,12 2,09 0,75 1,00 0,60

Cultura[editar | editar código-fonte]

Turismo[editar | editar código-fonte]

Personagens Ilustres[editar | editar código-fonte]

Geminações[editar | editar código-fonte]

O município de Góis é geminado com as seguintes cidades:[12]

Ligações Externas[editar | editar código-fonte]

  • História do Concelho de Góis [1]
  • Estevianas - Uma aldeia à espera de ser encontrada [2]
O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Góis

Referências

  1. INE (2013). Anuário Estatístico da Região Centro 2012. Lisboa: Instituto Nacional de Estatística. p. 30. ISBN 978-989-25-0217-5. ISSN 0872-5055. Consultado em 5 de maio de 2014 
  2. Câmara Municipal de Góis-Território
  3. Instituto Geográfico Português (2013). «Áreas das freguesias, municípios e distritos/ilhas da CAOP 2013». Carta Administrativa Oficial de Portugal (CAOP), versão 2013. Direção-Geral do Território. Consultado em 28 de novembro de 2013. Arquivado do original (XLS-ZIP) em 9 de dezembro de 2013 
  4. INE (2012). Censos 2011 Resultados Definitivos – Região Centro. Lisboa: Instituto Nacional de Estatística. p. 101. ISBN 978-989-25-0184-0. ISSN 0872-6493. Consultado em 27 de julho de 2013 
  5. INE (2012). «Quadros de apuramento por freguesia» (XLSX-ZIP). Censos 2011 (resultados definitivos). Tabelas anexas à publicação oficial; informação no separador "Q101_CENTRO". Instituto Nacional de Estatística. Consultado em 27 de julho de 2013 
  6. «Censo 2021 - resultasod preliminares». INE. Consultado em 31 de julho de 2021 
  7. Lei n.º 11-A/2013, de 28 de janeiro: Reorganização administrativa do território das freguesias. Anexo I. Diário da República, 1.ª Série, n.º 19, Suplemento, de 28/01/2013.
  8. Instituto Nacional de Estatística (Recenseamentos Gerais da População) - https://www.ine.pt/xportal/xmain?xpid=INE&xpgid=ine_publicacoes
  9. INE - http://censos.ine.pt/xportal/xmain?xpid=CENSOS&xpgid=censos_quadros
  10. Nobiliarquia Portuguesa - fol.18 - refere que os fidalgos tomavam os apelidos das mesmas terras de que eram Senhores - Tal como referido em Corografia portugueza e descripçam topografica do famoso reyno de Portugal - Autor P. António Carvalho da Costa - MDCCVIII - 1708 - Tomo II - Oferecido a D. João V - pag. 46. Oficina Valentim da Costa Deslandes
  11. Corografia portugueza e descripçam topografica do famoso reyno de Portugal - Autor P. António Carvalho da Costa - MDCCVIII - 1708 - Tomo II - Oferecido a D. João V - pag. 49 e 50. Oficina Valentim da Costa Deslandes
  12. http://www.anmp.pt/anmp/pro/mun1/gem101l0.php?cod_ent=M3330