Gótico isabelino

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Mosteiro de São João dos Reis.

Gótico isabelino (ou Gótico dos Reis Católicos) é o estilo gótico que se desenvolve especialmente em Castela (Espanha) durante o reinado dos Reis Católicos, com características próprias e originais na época em que, todavia, aparece o gótico tardio.

As referências à antiguidade clássica em Espanha são pouco mais do que elementos literários, ao contrário, na Itália, onde a presença de edifícios romanos era muito mais abundante e gótico tinha recebido de uma forma bem adaptada ao gosto clássico local. Até 1530 e até mesmo mais tarde na arquitetura espanhola não terminou impôs a Roman ao moderno. O uso destes termos significava, na intenção de quem usado para coisas diferentes que hoje poderia ser pensado: Qual foi o estilo clássico romano, emocional, bombástico e italiano renascentista; enquanto gótico moderno era para eles, era estruturalmente sólida e eficaz, mais propriamente Espanhol. [1]

Arquitetos espanhóis tiveram uma longa tradição de Gothic, alguns sistemas estruturais do conhecido e comprovado. E precisamente o estilo gótico na península teve uma série de mudanças, devido à tradição local: menor do que conhecida no sistema de construção e excelente muito menos pronunciada janelas de cobertura e coberturas planas, que fez um estilo muito original mas efetivamente levou vantagem do sistema edifício gótico. Por outro lado, mais prováveis ​​arquitetos espanhóis acostumados a gótica, com algum desprezo considerem correias e reforços de metal visto que os arquitetos italianos foram obrigados a colocar os arcos de resistir impulso horizontal, quando o sistema de construção "Gothic" com sua distribuição conhecida das forças simplesmente eles não eram necessários ou tiveram métodos evitou a "armadilha" destes suporte arquitetural.

Ícone de esboço Este artigo sobre arquitetura é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.

Referências

  1. Maroto, Joseph.. História da Arte Casals, ISBN 978-84-218-4021-4, p. 195, citando, entre outros, a Diego de Sagredo, Medidas romanos , 1526