Głogówek

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Polónia Głogówek

Oberglogau

 
  cidade em uma comuna urbano-rural  
Panorama de Głogówek
Panorama de Głogówek
Símbolos
Bandeira de Głogówek
Bandeira
Brasão de armas de Głogówek
Brasão de armas
Localização
Głogówek está localizado em: Polônia
Głogówek
Głogówek no mapa da Polônia
Mapa dinâmico da cidade
Coordenadas 50° 21' 12" N 17° 51' 39" E
País Polônia
Voivodia Opole
Condado Prudnik
Comuna Głogówek
História
Data de fundação Século XI
Elevação à cidade 1275
Administração
Tipo Prefeitura
Prefeito Piotr Bujak (4 de novembro de 2018)
Características geográficas
Área total 22,1 km²
População total (2021) [1] 5 543 hab.
Densidade 250,8 hab./km²
Altitude 212 m
Fuso horário CET (UTC+1)
Horário de verão CEST (UTC+2)
Código postal 48-250
Código de área (+48) 77
Cidades gêmeas
Rietberg  Alemanha (1998)
Osoblaha  República Tcheca (1998)
Vrbno pod Pradědem  República Tcheca (2002)
Ribérac  França (2010)
Outras informações
Matrícula OPR
Commons-logo.svg Mídia no Commons
Website Głogówek na rede Internet

Loudspeaker.svg? Głogówek (antes Górny Głogów, Mały Głogów,[2] nome alemão adicional Oberglogau; em latim: Glogovia minor, em tcheco/checo: Horní Hlohov, em silesiano: Gogůwek) é um município da Polônia, na voivodia de Opole, no condado de Prudnik e a sede da comuna urbano-rural de Głogówek. Historicamente, está localizado na Alta Silésia, na região de Prudnik, na fronteira da Bacia do Racibórz e o Planalto de Głubczycki, que fazem parte da planície da Silésia. O rio Osobłoga flui por ele.

Nos anos de 1975 a 1998, a cidade pertencia administrativamente à voivodia de Opole.

Estende-se por uma área de 22,1 km², com 5 543 habitantes, segundo o censo de 31 de dezembro de 2021, com uma densidade populacional de 250,8 hab./km².[1]

Geografia[editar | editar código-fonte]

Localização[editar | editar código-fonte]

A cidade está localizada no sudoeste da Polônia, na voivodia de Opole, a cerca de 10 km da fronteira com a República Tcheca, na divisa da Bacia do Racibórz com o Planalto de Głubczyce. Pertence à Eurorregião de Pradziad. Está localizada no distrito de floresta de Prudnik (distrito de Prudnik).[3] O rio Osobłoga atravessa as fronteiras administrativas da cidade. Głogówek está situada a uma altitude de 212 m acima do nível do mar.

Ambiente natural[editar | editar código-fonte]

Gráfico climático para Głogówek
JFMAMJJASOND
 
 
32
 
1
-5
 
 
30
 
3
-4
 
 
31
 
7
-1
 
 
41
 
13
3
 
 
71
 
19
7
 
 
81
 
22
11
 
 
86
 
23
12
 
 
82
 
23
12
 
 
53
 
19
9
 
 
41
 
14
5
 
 
42
 
7
1
 
 
38
 
3
-3
Temperaturas em °CPrecipitações em mm

Fonte: climate-data.org

Em Głogówek o clima é frio e temperado. A temperatura média anual é de +8,3 °C. As estações termais variam consideravelmente. A precipitação média anual na área de Głogówek é de 628 mm. Os ventos ocidentais prevalecem.[4]

Divisão da cidade[editar | editar código-fonte]

De acordo com o Registro Oficial Nacional da Divisão Territorial do País, os distritos de Głogówek são:[5]

  • Głogowiec
  • Oracze
  • Winiary
  • Zwierzyniec

Também existem conjuntos habitacionais na cidade:

  • Jana Pawła II
  • Marii Konopnickiej

Nome[editar | editar código-fonte]

O nome Głogówek entre outros nomes de cidades da Silésia em um documento oficial prussiano de 1750 emitido em polonês em Berlim[6]

O nome do local vem do nome polonês de uma planta pertencente à família das Rosaceae - głog (espinheiro-branco = Crataegus L.). Este raciocínio apresenta uma descrição topográfica da Alta Silésia de 1865, observando a cidade sob nomes alemães, poloneses e latinos no fragmento: "Ihren Namen Ober-Glogau (Gorny Glógow, Superior Glogovia) hat die Stadt wahrscheinlich von dem noch heute hie und da wachsenden Hagedorn (pol. głog) erhalten sie wird auch wohl Klein-Glogau oder Weniger-Glogau, polnisch Mały-Glogów, Głogówek, Minor-Glogovia genannt", isto é, traduzido para o português A cidade provavelmente recebeu o nome de Ober-Glogau (Gorny Glógow, Glogovia Superior) devido ao espinheiro (em pololonês głog) que ainda hoje cresce aqui e ali e é também chamado de Klein-Glogau ou Weniger-Glogau, em polonês Mały-Glogów, Głogówek, Minor-Glogovia.[7] Em 1613, o regionalista e historiador da Silésia Mikołaj Henel de Prudnik mencionou a cidade em seu trabalho sobre a geografia da Silésia intitulado Silesiographia com seu nome latino: Glogovia Minor.[8]

Em 1475, nos estatutos latinos do Statuta synodalia episcoporum Wratislaviensium, o lugar era mencionado na forma latinizada Glogouie minoris.[9]

Em 1750, o nome Głogówek foi mencionado em polonês por Frederico, o Grande entre outras cidades da Silésia em uma ordem oficial emitida para os habitantes da Baixa e da Alta Silésia.[10]

Na lista alfabética de lugares na Silésia, publicada em 1830 em Breslávia por Johann Knie, o lugar aparece sob os nomes alemães Klein Glogau e Ober Glogau, bem como o nome polonês Gorny Glogow.[11] Os mesmos nomes foram listados na descrição estatística do Estado prussiano de 1837.[12] Os nomes poloneses Mały Głogów e Głogówek no livro "Um breve esboço da geografia da Silésia para a ciência inicial" publicado em Głogówek em 1847 foram mencionados pelo escritor da Alta Silésia Józef Lompa.[13]

O nome atual foi aprovado administrativamente em 7 de maio de 1946.[14]

História[editar | editar código-fonte]

Idade Média[editar | editar código-fonte]

Castelo em Głogówek

A área onde Głogówek foi fundada estava localizada no território ocupado pela tribo dos opolanos.[15]

A primeira menção do assentamento de Głogówek vem de uma fonte rutena de 1076.[16] Em 1223 foi mencionado como uma vila.[17] Em 1264, Vladislau de Opole fundou um mosteiro franciscano em seu território, concedeu o foral da lei alemã e trouxe colonos alemães. Provavelmente, o mesmo governante iniciou a construção do castelo em Głogówek. Głogówek recebeu direitos de cidade em 21 de dezembro de 1275.[18][19]

De 1283 a 1313 Głogówek foi a residência de Bolko I de Opole. Anteriormente, um antigo castelo piasta ficava aqui. Depois que o príncipe Bolek I prestou homenagem ao rei tcheco e ao príncipe eleitor alemão Venceslau II em 1291, Głogówek, juntamente com todo o Ducado de Opole, ficou sob o Reino da Boêmia e, indiretamente, o Sacro Império Romano-Germânico. Após a morte de Bolek e a divisão do Ducado de Opole, a cidade passou para seu filho, Boleslau, o Velho.

Em 1373 a cidade foi transferida para a Lei de Magdeburgo. O príncipe Henrique I de Niemodlin em 1379 fundou a colegiada de São Bartolomeu. Mais tarde, Vladislau de Opole construiu um mosteiro paulino perto da cidade.

Bernardo Niemodliński e seu irmão Bolek IV assumiram Prudnik e Głogówek após a morte da viúva de Vladislau de Opole entre 1418 e 1424. Logo, o filho de Bolko IV, Bolko V, o Hussita assumiu o domínio desta área. Inicialmente, ele governou junto com seu pai. O primeiro documento sobrevivente no qual Bolko V é mencionado como Senhor de Prudnik vem de 6 de maio de 1425, e sua esposa Isabel Granowska, enteada do rei polonês Ladislau II Jagelão, aparece como a duquesa de Głogów no documento de 5 de fevereiro de 1427.[20]

Bolko V tornou-se um governante independente de Prudnik e Głogówek apenas em 1426.[21] Em 1428, os hussitas entraram na Silésia. Tropas hussitas, lideradas por Walka Kudelnik, cercaram Głogówek. O príncipe Bolko V, que então estava em Gliwice, não foi ao resgate da cidade, mas juntou-se aos hussitas. O príncipe secularizou os bens da igreja em seu domínio.

O padre Jędrzej Gałka de Dobczyn viveu na corte de Bolek V em Głogówek. Enquanto em Głogówek, entre meados de abril e 23 de junho de 1449, ele escreveu a Canção de Wiklefa e um tratado em latim sobre Wiklefa e seus ensinamentos, que foi um comentário à obra poética in lingua vulgari (em polonês).[22]

O Ducado de Głogów-Prudnik foi anexado novamente ao Ducado de Opole por iniciativa de Nicolau I de Opole após a morte de Bolek V em 1460.[23]

Séculos XVI a XX[editar | editar código-fonte]

Panorama de Głogówek em 1636
Panorama de Głogówek por Friedrich Gottlob Endler - 1808
Panorama de Głogówek no século XVI
Praça principal de Głogówek (1916)
Panorama de Głogówek no século XVIII por Friedrich Bernhard Werner
Praça principal em Głogówek antes de 1939

De acordo com os acordos concluídos com Jan II, o Bom, Głogówek, junto com todo o principado de Opole-Racibórz, passou para as mãos dos reis tchecos da dinastia dos Habsburgos. Eles deram o feudo de Opole, entre outros, aos Vasas.

A impressão mais antiga conhecida provavelmente impressa em Głogówek data de 1625.[24] Nos anos de 1625 a 1635 e no outono de 1643, houve uma epidemia de peste na cidade. Só em 1643, mais de 500 pessoas morreram na cidade e nos subúrbios.[25]

Durante a Guerra dos Trinta Anos em 1643, os suecos destruíram a cidade durante um cerco.

A invasão da República das Duas Nações em 1655 pelos suecos não encontrou grande resistência no início, e o exército sueco rapidamente ocupou quase todo o território da Coroa do Reino da Polônia e parte do Grão-Ducado da Lituânia. Quase todas as voivodias da Coroa abandonaram o rei João II Casimiro Vasa e passaram para o rei da Suécia, Carlos X Gustavo. O rei João II Casimiro, junto com sua esposa Maria e uma corte de 1 800 pessoas, tiveram que deixar as fronteiras da República das Duas Nações e foram para Głogówek, onde permaneceram no exílio por dois meses a partir de outubro de 1655. O Ducado de Opole e Racibórz era propriedade da Rainha Maria, e o então proprietário do castelo, Franciszek Eusebiusz Oppersdorff, poderia retribuir ao casal real o fato de que alguns anos antes, durante a Guerra dos Trinta Anos, ele pode se refugiar primeiro em Wawel e depois no castelo real em Niepołomice. A esposa de Oppersdorf, Anna Zuzanna de Bess, pertenceu anteriormente à corte da Rainha Maria. No castelo, alianças internacionais contra os suecos e encontros com militares do lado do rei foram organizados. Um dos cortesãos que se hospedou no castelo foi o poeta barroco Jan Andrzej Morsztyn. Ludwika Maria deixou Głogówek em 28 de junho de 1656, seis meses depois de seu marido.[26]

No século XVIII, Głogówek foi submetida a uma inspeção fiscal em Prudnik.[27] Como resultado da Primeira Guerra da Silésia entre a Prússia e a Áustria, a cidade, junto com a maior parte da Silésia histórica, entrou nas fronteiras da Prússia. Em 1765, um incêndio consumiu a cidade.

No início do século XIX, o polonês ainda era a língua dominante em Głogówek.[28] Desenvolveu-se a fruticultura e a horticultura, uma fábrica de açúcar e um engenho de linho.

Em 1806, Franciszek Joachim Oppersdorff hospedou Ludwig van Beethoven aqui, que havia escapado do exército de Napoleão para Głogówek. Em agradecimento pela hospitalidade, o compositor alemão dedicou a ele sua 4ª sinfonia em si bemol maior, Op. 60. O cravo usado por Beethoven sobreviveu até hoje, e o instrumento está agora em exibição no Castle Interiors Museum em Pszczyna.[29]

No livro "Pieśni Ludu Polskiego w Górnym Szląsku" publicado em 1863, Julius Roger fez anotações sobre canções folclóricas polonesas de Głogówek.[30] Em 1876, uma linha ferroviária foi aberta, conectando Głogówek com Nysa e Koźle.[31]

De acordo com o censo de 1 de dezembro de 1910, dos 6 314 habitantes de Glogowek, todos falavam alemão.[32] Em 1911, em Głogówek, foi criado o primeiro campo de golfe no atual território polonês, associado à família Radziwiłł por Dorota Leontyna Maria Radziwiłł.[33]

Período entre guerras[editar | editar código-fonte]

Sinagoga em Głogówek (1930)

A partir de 1919, Głogówek pertencia à recém-criada Província da Alta Silésia. A província foi liquidada em 1938 e restabelecida em 18 de janeiro de 1941.

Durante o plebiscito na Alta Silésia, o Comitê do Plebiscito Polonês foi transferido de Prudnik para Głogówek, porque suas instalações em Prudnik foram demolidas (posteriormente as instalações foram transferidas de Głogówek para Strzeleczki).[34] Em Głogówek, 96% dos habitantes (5 093) votaram em pertencer à Alemanha e 4% dos habitantes (226) votaram na Polônia. No distrito de Głogówek, a opção alemã venceu com 88% (12% votaram por pertencer à Polônia).

Durante a 3.ª Revolta da Silésia, em 20 de maio de 1921, o comando da Autodefesa da Alta Silésia (Selbstschutz Oberschlesien, SSOS) foi assumido pelo general Karl Hoefer, que tinha à sua disposição o Estado-maior comandado pelo major Jacobson e o Central (Zentrale) comandados pelo coronel Becker, e localizado em Breslávia. Os aposentos do general Hoefer ficavam em Głogówek. O assim chamado formações especiais (Sonderformationen), geralmente derivados de vários corpos de voluntários: unidades do barão Bolko von Richthofen, Semdorf, Winkler, Kagelmann, Schlacke, Handy, Brunner, von Hülsen, Lenczyk, Möllmann, Wild, Behrendt e a empresa sanitária Freikorps "Oberland" .

Durante a Noite dos Cristais em 9 e 10 de novembro de 1938, milícias nazistas incendiaram a sinagoga em Głogówek, construída em 1864. No entanto, o prédio incendiado nunca foi demolido.[35]

Segunda Guerra Mundial[editar | editar código-fonte]

Monumento da Gratidão no parque da cidade
O Exército Vermelho em uma das aldeias entre Głogówek e Prudnik

Durante a Segunda Guerra Mundial, os habitantes alemães de Głogówek usaram o trabalho escravo de trabalhadores forçados poloneses. Os trabalhadores eram extremamente explorados e perseguidos pelos fazendeiros alemães e, em caso de desobediência, eram encaminhados para campos de concentração. Esse foi o destino de Jan Grabowski de Nowy Targ.[36]

No início de dezembro de 1944, os refugiados, entre outros, da Prússia Oriental começaram a chegar a Głogówek. Em janeiro de 1945, no atual Complexo Escolar, Orfanato, na rua Batory e no ginásio, foram instalados hospitais de campanha, para os quais eram conduzidos os soldados feridos do rio Óder. No hospital da rua Konopnicka, oficiais superiores eram tratados, entre eles, o general Georg Koßmala (inglês) e o SS-Oberführer Georg Bochmann. Os soldados levemente feridos foram evacuados para as profundezas da Alemanha Nazista por aviões do aeroporto Rossweide em Nowe Kotkowice.[37]

Em fevereiro de 1945, a cidade foi transformada em uma fortaleza. O Volkssturm local, juntamente com os trabalhadores forçados, começaram a cavar trincheiras, construir diques e barreiras anti-tanque. Cerca de 1 500 pessoas permaneceram na cidade, principalmente agricultores da Silésia. A polícia militar executou cerca de 30 desertores alemães nas proximidades da rua Zamkowa e o poço de cascalho em Rzepcz.[37]

Em 18 de março, Głogówek foi bombardeada por um avião soviético. Os edifícios da praça principal, a prefeitura, a fábrica de linho e os depósitos da rua Fabryczna foram destruídos. Na noite de 19/20 de março, toda a comuna de Głogówek estava nas mãos dos soviéticos.

Em 19 de março de 1945, as unidades alemãs foram expulsas da cidade pelas 135.ª e 245.ª divisões de infantaria do 115.º Corpo de Infantaria do 59.º Exército da 1.ª Frente Ucraniana (após a guerra, o Monumento da Gratidão foi inaugurado no parque da cidade).[38] Após o deslocamento das tropas alemãs, a cidade foi assumida pela administração polonesa.

Tempos poloneses[editar | editar código-fonte]

Após a Segunda Guerra Mundial, o castelo em Głogówek foi assumido pelas autoridades polonesas e tornou-se propriedade da comuna. Até a década de 1950, o castelo não estava sob cuidados de conservação. Apesar da adaptação de parte do castelo em pousada da juventude, museu regional, galeria de pinturas Jan Cybis e centro comunitário e pequenas obras de renovação, o castelo ainda necessita de uma manutenção minuciosa. Em 2005, o castelo foi vendido a um investidor privado, mas em 2013 voltou para a comuna de Głogówek.[39]

Desde 1950, Głogówek está localizada dentro das fronteiras da voivodia de Opole, em três unidades administrativas diferentes operando em 1950-1975, 1975-1998 e as modernas desde 1999.

Após as primeiras eleições para o governo local na Polônia, após sua restauração em 1990, Hans Borsutzky tornou-se o prefeito da cidade.

Vista do centro de Głogówek

Demografia[editar | editar código-fonte]

De acordo com os dados da Agência Central de Estatística da Polônia (GUS) de 30 de dezembro de 2021, Głogówek tinha 5 543 habitantes (25.º lugar na voivodia de Opole e 558.º na Polônia), uma área de 22,1 km² (8.º lugar na voivodia de Opole e 262.º lugar na Polônia) e uma densidade populacional de 250,8 hab./km².[40]

Os habitantes de Głogówek constituem cerca de 10% da população do condado de Prudnik, o que constitui 0,57% da população da voivodia de Opole.

Głogówek está subordinada ao Serviço de Estatística em Opole, sucursal em Prudnik.[41]

Descrição Total Mulheres Homens
unidade hab. % hab. % hab. %
população 5 543 100 2 882 52,0 2 661 48,0
densidade populacional

(hab./km²)

250,8 130,4 120.4

População da cidade[editar | editar código-fonte]

1858 – 3937[42]
1895 – 5706[42]
1933 – 7356[43]
1936 – 7742[42]
1939 – 7594[43]
1946 – 4532
1980 – 6232
1995 – 6630[44]
1996 – 6567[44]
1997 – 6469[44]
1998 – 6411[44]
1999 – 6451[44]
2000 – 6410[44]
2001 – 6362[44]
2002 – 6144[44]
2003 – 5948[44]
2004 – 5904[44]
2005 – 5846[44]
2006 – 5764[44]
2007 – 5742[44]
2008 – 5755[44]
2009 – 5731[44]
2010 – 5731[44]
2011 – 5774[44]
2012 – 5756[44]
2013 – 5770[44]
2014 – 5702[44]
2015 – 5608[44]
2016 – 5573[44]
2017 – 5607[44]

Pirâmide etária dos habitantes de Głogówek em 2014[editar | editar código-fonte]


Piramida wieku Glogowek.png[1]

Monumentos históricos[editar | editar código-fonte]

Réplica do Santo Sepulcro
Mosteiro franciscano - portão
Prefeitura renascentista
Moradias na praça principal

Estão inscritos no registro provincial de monumentos:[45]:

  • Igreja colegiada paroquial de São Bartolomeu, de 1380 ao século XVIII. Arquitetura gótica rara com interior barroco com afrescos de Franz Sebastini e estuque de Jan Schubert. A igreja é chamada de "Pérola da Região de Opole"
    • Capela Oppersdorff na igreja paroquial de 1400. No interior, lápide de alabastro e abóbada com apoios de pedra
  • Igreja da Santa Cruz, uma estrutura em enxaimel de 1705, no cemitério
  • Complexo do mosteiro franciscano, século XIV/XV - século XIX: igreja de São Francisco do século XV, originalmente gótico, reconstruído no século XVII; mosteiro
    • Casa de Loreto com uma estátua da Virgem Maria de 1630, localizada dentro da igreja franciscana
  • Capela "Túmulo de Deus" - réplica do Santo Sepulcro foi construída em 1634, 1714, 1822, com elementos neogóticos, uma das três capelas do túmulo de Cristo na Polônia não incluída em complexos maiores (as outras estão em Żagań e Potępa); rua Zamkowa
  • Capela da Santa Virgem Maria na "Gliniana Górka", de 1779, no lugar da anterior de 1638, 1781, 1950
  • Cemitério judeu, histórico de meados do século XIX/XX
  • Complexo do castelo, dos séculos XVI ao XX: o castelo maneirista superior e inferior dos Oppersdorffs de 1561-1571, ampliado no século XVII, trilateral, com torres angulares, portais decorativos e uma capela policromada de Franciszek Sebastini. Atualmente, parte do castelo é ocupado pelo Museu Regional; portaria - portão do castelo - solar barroco de 1700, rua Zamkowa; parque, agora um parque municipal
  • Muralhas defensivas, do século XIV/XV, 1600
  • Torre de guarda e prisão construída em 1595
  • Complexo hospitalar, rua Piastowska, de 1773: capela - a igreja de São Nicolau, hospital, no local de um complexo hospitalar do início do século XIV, agora é uma casa residencial
  • Torre de água, de 1597
  • Prefeitura, renascimento tardio de 1608, 1880, com uma torre na praça principal
  • Casa, rua Głubczycka 33 (d. 35)
  • Casas, rua Kościelna 4, 12, séculos XVIII, XIX
  • Casas, rua Mickiewicza 1, 9 (d. 13), 11 (d. 15), 13 (d. 17), 15 (d. 19), séculos XVIII, XIX
  • Pousada, rua Pasternak 2, séculos XVII-XVIII, 1962
  • Vinícola, rua Pasternak / rua Powstańców, século XVI
  • Casa, rua Piastowska 35, meados do século XIX
  • Casas, praça principal 1, 2, 3, 4, 5, 8 não existe, 12 (d. 14), 13 (d. 15); 14 (d. 16), 16 (d. 18), 17 (d. 19), wypisany z księgi rejestru; 18 (d. 20), 19 (d. 21), 21 (d.30); 22 (d. 31), 24 (d. 33), 30 (d. 38), 31 (d. 39), do livro de registro; séculos XVII, XVIII, XIX, XX
  • Casa de Sebastini, praça principal 25 (d. 34), meados do século XVIII, XIX, extraído do livro de registro
  • Casas, rua Zamkowa 3, 4 extraído do livro de registro, 5, 8, 10, 12, 14, 18, 20, 21, 26, 30, 32, 38, XVII, XVIII/XIX
  • Casa, rua Zamkowa 19, dos séculos XVIII-XX

Outros monumentos:

  • Sinagoga de 1864
  • Cemitério evangélico, abandonado
  • Cemitério dos soldados alemães que morreram durante a Segunda Guerra Mundial em 1945.

Transportes[editar | editar código-fonte]

Estação ferroviária em Głogówek

Transporte rodoviário[editar | editar código-fonte]

A seguinte estrada nacional passa por Głogówek:

A rede é complementada pela estrada da voivodia:

Transporte ferroviário[editar | editar código-fonte]

No caso do transporte ferroviário, há duas conexões diretas para a cidade: de Ząbkowice Śląskie via Nysa e de Katowice via Kędzierzyn-Koźle. A estação ferroviária está localizada na periferia da cidade. Este não é um grande problema porque a cidade não é extensa.

Transporte público[editar | editar código-fonte]

Na cidade existe transporte público, a prestação dos serviços é encomendada pela Câmara Municipal.

O transporte público é fornecido pela empresa Państwowa Komunikacja Samochodowa.

A cidade tem conexões diretas de ônibus com Prudnik, Opole, Krapkowice, Głuchołazy, Kędzierzyn-Koźle e Głubczyce.[46]

Educação[editar | editar código-fonte]

Escola secundária pública nº 1, Króla Jan Kazimierz

Em Głogówek existem: 2 jardins de infância, 3 escolas primárias, 2 escolas do ensino médio, 3 escolas secundárias gerais, 1 escola industrial de primeiro grau, 2 escolas técnicas e 1 escola pós-secundária.[1]

Jardins de infância
  • Jardim de infância público n.º 3, rua Powstańców 16
  • Jardim de infância público n.º 4, rua Korfantego 3

Escolas primárias

  • Escola primária pública n.º 1 Marii Skłodowskiej-Curie, rua Jana Pawła II 1[47]
  • Escola primária pública n.º 2 Henryka Sienkiewicza, rua Sobieskiego 6
  • Escola primária especial n.º 4, rua Batorego 2[48]

Escolas pós-secundárias

  • Escola secundária para adultos, rua Powstańców 34[49]
Escolas do ensino médio
  • Escola secundária pública n.º 1 Króla Jana Kazimierza, rua Kościuszki 10[50]
  • Escola secundária especial n.º 3, rua Batorego 2[48]

Escolas secundárias

  • Escola superior da indústria, rua Powstańców 34[49]
  • Ensino médio, rua Powstańców 34[49]
  • Escola técnica, rua Powstańców 34[49]
  • Ensino médio para adultos, rua Powstańców 34[49]
  • Escola especial de formação profissional, rua Batorego 2[48]
  • Escola secundária suplementar para adultos, rua Powstańców 34[49]
  • Escola secundária geral suplementar, rua Powstańców 34[49]
  • Escola técnica suplementar para adultos, rua Powstańców 34[49]

Cultura[editar | editar código-fonte]

  • Centro Cultural Municipal e Comunal em Głogówek
  • Museu Regional em Głogówek
  • Dois círculos de DFK da Associação Social e Cultural dos Alemães em Opole Silésia — Winiary e Oracze[51][52]

Eventos culturais permanentes[editar | editar código-fonte]

  • Dias de Głogówek - um evento ao ar livre organizado anualmente em julho na praça principal de Głogówek[53]
  • Festival da Silésia da Região de Prudnik Ludwig van Beethoven - um festival de música clássica realizado anualmente em outubro em Prudnik e Głogówek[54][55]

Mídia local[editar | editar código-fonte]

Imprensa[editar | editar código-fonte]

  • Życie Głogówka – uma revista mensal publicada pelo Centro Cultural Municipal e Comunal de Głogówek, que descreve principalmente um evento relacionado com o funcionamento de instituições de ensino.
  • Nowiny z Głogówka – uma revista quinzenal independente com perfil político, que trata de questões do governo local.
  • Tygodnik Prudnicki
  • Prudnik24
  • Gazeta Pogranicza

Televisão[editar | editar código-fonte]

  • TV Prudnik (TV Pogranicza)

Rádio[editar | editar código-fonte]

  • Radio Opole
  • Radio Park

Portais[editar | editar código-fonte]

  • Teraz Prudnik[56] (até 2017 Tygodnik Prudnicki[57])
  • prudnik24.pl[58]

Religião[editar | editar código-fonte]

Igreja de São Bartolomeu (1380 - século XVIII)
Igreja da Santa Cruz, de 1705

Comunidades religiosas[editar | editar código-fonte]

Igreja Católica na Polônia[editar | editar código-fonte]

Forania de Głogówek

  • Paróquia de São Bartolomeu (rua Kościelna 2)
    • Igreja de São Bartolomeu (rua Kościelna 2)
    • Igreja de São Francisco (rua Klasztorna)
    • Igreja de São Nicolau (rua Piastowska 35)
    • Igreja da Santa Cruz (rua Podgórna)

Cemitérios[editar | editar código-fonte]

  • Cemitério municipal (rua Podgórna)
  • Cemitério judeu (rua Olszynka)
  • Cemitério evangélico (rua Powstańców)
  • Cemitério militar alemão (rua Powstańców)

Edifícios sagrados inexistentes[editar | editar código-fonte]

  • Sinagoga (fechada)
  • Igreja evangélica (demolida)

Esportes[editar | editar código-fonte]

A principal entidade responsável pelo esporte e pela recreação na cidade é o Centro Cultural Municipal e Comunal em Głogówek.[59]

Instalações esportivas[editar | editar código-fonte]

  • Estádio Municipal (rua Damrota)
  • Piscina comum (rua Kąpielowa)
  • Quadras de tênis (rua Targowa)
  • Campo de tiro esportivo (rua Winiary)
  • Boisko pełnowymiarowe
  • Salão de esportes na escola pública de ensino médio n.º 1
  • Campo de futebol ORLIK 2012
Prefeitura

Clubes esportivos[editar | editar código-fonte]

  • KS Fortuna Głogówek (futebol)[60]
  • LKS Rolnik Biedrzychowice Głogówek (futebol)
  • UKS Akademia Piłki Nożnej Głogówek (futebol)
  • SPS Głogówek (voleibol)

Política[editar | editar código-fonte]

A cidade é sede da comuna urbano-rural de Głogówek. O órgão executivo é o prefeito. Nas eleições locais de 2018, Piotr Bujak foi eleito.[61] A sede das autoridades é a Câmara Municipal na Praça principal.

Câmara Municipal[editar | editar código-fonte]

Os habitantes de Głogówek elegem 3 vereadores para o Conselho Municipal (3 de 15). Os restantes 12 conselheiros são eleitos pelos habitantes das áreas rurais da comuna de Głogówek.[62]

Referências

  1. a b c d «Głogówek (Opole) mapas, imóveis, Escritório Central de Estatística, acomodações, escolas, região, atrações, códigos postais, salário, desemprego, ganhos, tabelas, educação, jardins de infância, demografia». Polska w liczbach (em polonês). Consultado em 26 de abril de 2022 
  2. Akta miasta Głogówka. [S.l.]: Archiwum Państwowe w Opolu. 1508–1940. Consultado em 27 de setembro de 2020 
  3. «Bank Danych o Lasach – Mapa». bdl.lasy.gov.pl. Consultado em 31 de outubro de 2021 
  4. «Klimat: Głogówek: Klimatogram, wykres temperatury, tabela klimatu – Climate-Data.org». pl.climate-data.org. Consultado em 31 de outubro de 2021 
  5. «Obwieszczenie Ministra Administracji i Cyfryzacji z dnia – Dziennik Ustaw». dziennikustaw.gov.pl. Consultado em 31 de outubro de 2021 
  6. «Wznowione powszechne taxae-stolae sporządzenie, Dla samowładnego Xięstwa Sląska, Podług ktorego tak Auszpurskiey Konfessyi iak Katoliccy Fararze, Kaznodzieie i Kuratusowie Zachowywać się powinni. Sub Dato z Berlina, d. 8. Augusti 1750 - Śląska Biblioteka Cyfrowa». www.sbc.org.pl (em polonês). Consultado em 31 de outubro de 2021 
  7. Triest 1865, p. 1063.
  8. Haberland, Detlef (2011). Nicolaus Henel von Hennenfeld Silesiographia Breslo-Graphia Frankfurt am Main 1613 (em polonês). Breslávia: Biblioteka Uniwersytecka we Wrocławiu. p. 176. ISBN 978-83-910595-2-4 }}
  9. Franz Xaver Seppelt (1912). Die Breslauer Diözesansynode vom Jahre 1446 (em alemão). [S.l.: s.n.] Consultado em 31 de outubro de 2021 
  10. Fryderyk Wielki (1750). «Wznowione powszechne taxae-stolae sporządzenie, Dla samowładnego Xięstwa Sląska, Podług ktorego tak Auszpurskiey Konfessyi iak Katoliccy Fararze, Kaznodzieie i Kuratusowie Zachowywać się powinni. Sub Dato z Berlina, d. 8. Augusti 1750» (em polonês). sbc.org.pl. Consultado em 31 de outubro de 2021 
  11. Knie 1830, p. 929.
  12. Leopold Freiherr von Zedlitz-Neukirch (1837). Der Preußische Staat in allen seinen Beziehungen (...) Dritter Band. Berlim: Verlag von’August Hirschwald 
  13. Józef Lompa (1847). Krótki rys jeografii Szląska dla nauki początkowej (em polonês). Głogówek: [s.n.] Consultado em 31 de outubro de 2021 
  14. «Zarządzenie Ministrów: Administracji Publicznej i Ziem Odzyskanych z dnia 7 maja 1946 r. o przywróceniu i ustaleniu urzędowych nazw miejscowości.». isap.sejm.gov.pl. Consultado em 31 de outubro de 2021 
  15. Alexander Gosciniak. Wojny Na Terytorium Sląska: 1000 - 1815. Tomo 1 (em polonês). [S.l.]: Alexander Gosciniak. ISBN 978-83-930386-5-7. Consultado em 31 de outubro de 2021 
  16. «Historia Głogówka». gminaglogowek.info. Consultado em 31 de outubro de 2021 
  17. Opolszczyzna. [S.l.: s.n.] 1961. p. 10 
  18. «Głogówek – HKKNOS» (em polonês). Consultado em 31 de outubro de 2021 
  19. «Głogówek – Historia – Interaktywny Portal Turystyczny Perły Polski». www.perlypolski.pl. Consultado em 31 de outubro de 2021 
  20. «Wayback Machine» (PDF). web.archive.org. Consultado em 5 de fevereiro de 2022 
  21. «Bolesław V Wołoszek (Husyta, głogówecki) – POCZET.COM». www.poczet.com. Consultado em 31 de outubro de 2021 
  22. Roman Marcinek (1996). Encyklopedia Polski (em polonês). [S.l.]: Kluszczyński. p. 18. ISBN 978-83-86328-60-4. Consultado em 31 de outubro de 2021 
  23. «księstwo strzelecko-niemodlińskie – FOTO.POCZET.COM». www.poczet.com. Consultado em 31 de outubro de 2021 
  24. Ciurlok 2018, p. 97.
  25. «Cmentarz parafialny». parafia.glogovia.pl. Consultado em 1 de novembro de 2021 
  26. Sebastian Duda (17 de setembro de 2018). «Głogówek – tutaj Jan Kazimierz romansował z nastolatką, a Beethoven pobrał zaliczkę za V Symfonię». wyborcza.pl. Consultado em 1 de novembro de 2021 
  27. «Historia Powiatu Prudnickiego - Starostwo Powiatowe w Prudniku». www.powiatprudnicki.pl. Consultado em 1 de novembro de 2021 
  28. Dorota Borowicz (2004). Mapy narodowościowe Górnego Śląska od połowy XIX wieku do II Wojny Światowej. Breslávia: Wydawnictwo Uniwersytetu Wrocławskiego. p. 36. ISBN 83-229-2569-7. OCLC 69318732 
  29. Lidia Procner, Czesław Kowalczyk; Franciszek Dendewicz (2007). «Ludwig van Beethoven». Sławne postacie pogranicza polsko-czeskiego Euroregionu Pradziad – wspólne dziedzictwo historyczne. Nysa: powiat nyski. p. 16. ISBN 978-83-60431-09-2 
  30. Juliusz Roger 1863.
  31. «130 lat linii kolejowej Kędzierzyn Koźle – Racławice Śląskie – Prudnik – Nysa – Kamieniec Ząbkowicki». raclawice.net. Consultado em 1 de novembro de 2021 
  32. Kazimierz Nabzdyk (2007). Andrzej Dereń, ed. «Rezultaty wyborów w powiecie prudnickim na początku XX wieku – szkic demograficzny». Ziemia Prudnicka. Prudnik: Spółka Wydawnicza „Aneks”. p. 73 
  33. «Dorota Leontyna ks. Radziwiłł na Nieświeżu h. Trąby». Sejm-Wielki.pl. Consultado em 1 de novembro de 2021 
  34. Bolesław Bezeg (5 de março de 2021). «"Na Linii Korfantego" 05.03.2021» (em polonês). "Na Linii Korfantego" 05.03.2021. Consultado em 1 de novembro de 2021 
  35. «Synagoga w Głogówku (ul. Szkolna 1) | Wirtualny Sztetl». web.archive.org. 16 de julho de 2020. Consultado em 30 de março de 2022 
  36. S. Łukowski, Zbrodnie hitlerowskie, w Łambinowicach i Sławięcicach na Opolszczyźnie w latach 1939–1945, Katowice 1965, p. 111.
  37. a b Dragomir Rudy (19 de janeiro de 2014). «Działania zbrojne w okolicach Głogówka w marcu 1945 r.» (em polonês). Prudnik24. Consultado em 1 de novembro de 2021 
  38. Przewodnik po upamiętnionych miejscach walk i męczeństwa : lata wojny 1939-1945 4.ª ed. Varsóvia: Wydawn. "Sport i Turystyka". 1988. p. 489. OCLC 20723006 
  39. Krzysztof Strauchmann (2 de outubro de 2013). «Gmina Głogówek odzyskała zamek Oppersdorffów» (em polonês). Nowa Trybuna Opolska. Consultado em 1 de novembro de 2021 
  40. GUS (12 de outubro de 2018). «Ludność. Stan i struktura oraz ruch naturalny w przekroju terytorialnym w 2018 r. Stan w dniu 30 VI» (em polonês). stat.gov.pl. Consultado em 1 de novembro de 2021 
  41. Andrzej Dereń (8 de dezembro de 2004). «Polska bardziej polska». Prudnik: Spółka Wydawnicza ANEKS. Tygodnik Prudnicki. 49 (732). ISSN 1231-904X 
  42. a b c «Demografia». sztetl.org.pl. Consultado em 1 de novembro de 2021 
  43. a b «Deutsche Verwaltungsgeschichte Schlesien, Kreis Neustadt». web.archive.org. 6 de setembro de 2017. Consultado em 1 de novembro de 2021 
  44. a b c d e f g h i j k l m n o p q r s t u v w «Głogówek (opolskie) » mapy, nieruchomości, GUS, noclegi, szkoły, regon, atrakcje, kody pocztowe, wypadki drogowe, bezrobocie, wynagrodzenie, zarobki, tabele, edukacja, demografia». Polska w liczbach (em polonês). Consultado em 2 de novembro de 2021 
  45. «Rejestr zabytków nieruchomych woj. opolskiego» (PDF). Narodowy Instytut Dziedzictwa. pp. 104–106. Consultado em 1 de novembro de 2021 
  46. «Odjazdy Głogówek». pks.glubczyce.pl. Consultado em 1 de novembro de 2021 
  47. «Szkoła Podstawowa nr 1 im. Marii Skłodowskiej-Curie w Głogówku». www.sp1glogowek.szkolnastrona.pl. Consultado em 2 de novembro de 2021 
  48. a b c «Aktualności». web.archive.org. 18 de maio de 2019. Consultado em 2 de novembro de 2021 
  49. a b c d e f g h «Zespół Szkół w Głogówku». www.zsglogowek.pl. Consultado em 2 de novembro de 2021 
  50. «Wiedza». www.gimglogowek.pl. Consultado em 2 de novembro de 2021 
  51. «Archiwa DFK Głogówek-Winiary / Oberglogau-Weingasse». The Social-Cultural Society (em inglês). Consultado em 4 de agosto de 2022 
  52. «Archiwa DFK Głogówek-Oracze / Oberglogau Hinterdorf». Mniejszość Niemiecka (em polonês). Consultado em 4 de agosto de 2022 
  53. Krzysztof Strauchmann (21 de junho de 2019). «Dni Głogówka 2019. Będą koncerty na Rynku. Wstęp wolny [PROGRAM]» (em polonês). Nowa Trybuna Opolska. Consultado em 2 de novembro de 2021 
  54. «POK Prudnik – Festiwal». pok-prudnik.pl. Consultado em 2 de novembro de 2021 
  55. «XXVI Śląski Festiwal Ziemi Prudnickiej im. Ludwiga van Beethovena zakończony – Aktualności – Starostwo Powiatowe w Prudniku». powiatprudnicki.pl. Consultado em 2 de novembro de 2021 
  56. «Teraz Prudnik!» (em polonês). Consultado em 2 de novembro de 2021 
  57. «Tygodnik Prudnicki - Twoja ulubiona gazeta». tygodnikprudnicki.pl. Consultado em 2 de novembro de 2021 
  58. «Gazeta Prudnik24 i portal informacyjny - Prudnik, Głubczyce, Głuchołazy» (em polonês). Prudnik24. Consultado em 2 de novembro de 2021 
  59. «Miejsko-Gminny Ośrodek Kultury w Głogówku - MGOK Głogówek». mgok.glogowek.pl. Consultado em 2 de novembro de 2021 
  60. «Skarb - Fortuna Głogówek». www.90minut.pl. Consultado em 2 de novembro de 2021 
  61. «Wybory samorządowe 2018». wybory2018.pkw.gov.pl. Consultado em 2 de novembro de 2021 
  62. Adam Myśków. «OFICJALNE wyniki wyborów w powiecie prudnickim» (em polonês). Consultado em 2 de novembro de 2021 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]