GBU-43/B Massive Ordnance Air Blast

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: MOAB redireciona para este artigo. Para outros significados, veja Moab (desambiguação).
GBU-43/B Massive Ordnance Air Burst (MOAB)
MOABAFAM.JPG
Local de origem  Estados Unidos
História operacional
Em serviço 2003 - presente
Utilizadores Força Aérea dos Estados Unidos
Guerras Guerra do Afeganistão
Histórico de produção
Criador Air Force Research Laboratory
Data de criação 2002
Fabricante McAlester Army Ammunition Plant
Período de
produção
2003
Quantidade
produzida
15
Especificações
Peso 10 300 kg (22 700 lb)
Comprimento 9,19 m (30,2 ft)
Diâmetro 103 cm (40,6 in)
Carga explosiva H-6
Peso da carga
explosiva
8,500 kg (18,7 lb)
Poder explosivo 11 toneladas de TNT (46 GJ)

O GBU-43/B Massive Ordnance Air Blast é uma arma de destruição em massa não-nuclear (considerada a maior do mundo em uso), desenvolvida pela Força Aérea dos Estados Unidos. Ficou popularmente conhecida como "Mother of All Bombs" (MOAB, ou em português: "Mãe de todas as bombas").[1] Foi projetada por Albert L. Weimorts, Jr. do Air Force Research Laboratory.[2] O seu primeiro teste realizou-se em 11 de março de 2003. O segundo teste aconteceu oito meses depois. Foi projetado para ser entregue por um C-130 Hercules, principalmente as variantes MC-130E Combat Talon I ou MC-130H Combat Talon II.

Em 13 de Abril de 2017, uma MOAB foi lançada em um complexo de cavernas do EIIL-Khorasan no distrito de Achin, província de Nangarhar, Afeganistão.[3]

Projeto e desenvolvimento[editar | editar código-fonte]

Al Weimorts (direita), o criador[4] da bomba de explosão GBU-43/B e Joseph Fellenz, fabricante de modelos de chumbo[4], examinam o protótipo antes de ser pintado e testado.
Protótipo MOAB um instante antes do impacto na Eglin AFB Range 70.

O conceito operacional básico tem alguma semelhança com o BLU-82 Daisy Cutter, que foi usado para limpar áreas densamente arborizadas na Guerra do Vietnã e no Iraque para limpar minas e mais tarde como uma arma psicológica contra os militares iraquianos. Depois que o impacto psicológico do BLU-82 em soldados inimigos foi testemunhado, e nenhuma arma BLU-82 permaneceu, o MOAB foi desenvolvido em parte para continuar a capacidade de intimidar soldados iraquianos. Autoridades do Pentágono sugeriram a intenção de usar o MOAB como uma arma antipessoal, como parte da estratégia de "choque e pavor" inerente à invasão do Iraque em 2003.[5]

Os GBU-43 são entregues a partir de aviões de carga C-130, dentro dos quais são carregados em berços apoiados em plataformas de lançamento aéreo. As bombas são lançadas com o uso de pára-quedas drogados, que também extraem o berço e a plataforma da aeronave. Logo após o lançamento, os drogues são libertados e as bombas não são devolvidas. A orientação por satélite GPS é usada para guiar bombas até seus alvos.[1]

O MOAB não é uma arma penetradora e destina-se principalmente a alvos de superfície macia a média abrangendo áreas e alvos estendidos em um ambiente contido, como um cânion profundo ou dentro de um sistema de cavernas.[6] O bombardeio de grandes altitudes com bombas muito menores, entregues por bombardeiros pesados, como o B-52, o B-2 ou o B-1, também é altamente eficaz para cobrir grandes áreas.[7]

O MOAB é projetado para ser usado contra um alvo específico e não pode replicar por si só os efeitos de uma típica missão de bombardeiro pesado. Durante o programa Operação Arco-Luz da Guerra do Vietnã, por exemplo, a Força Aérea dos Estados Unidos enviou os B-52 a mais de 10.000 bombardeios, cada um geralmente realizado por dois grupos de três aeronaves. Uma missão típica derrubou 168 toneladas de munição, atingindo uma área de 1,5 por 0,5 milhas com uma força explosiva equivalente a 10 a 17 MOABs.[8][9][10]

O MOAB foi testado pela primeira vez com o explosivo tritonal em 11 de março de 2003, no Range 70, localizado na Eglin Air Force Base, na Flórida. Foi testado novamente em 21 de novembro de 2003.[1]

Desde 2003, 15 MOABs foram fabricados na McAlester Army Ammunition Plant em McAlester, Oklahoma.[11][12]

A Força Aérea disse que o MOAB tem um preço unitário de US$ 170.000, mas este é um custo unitário histórico gerado em meados dos anos 2000 e vários fatores do processo de desenvolvimento atípico da bomba tornaram a estimativa de custo difícil de ser calculada com precisão. O Laboratório de Pesquisa da Força Aérea gerou o valor com base em peças já existentes, como carcaças de bombas e metais, e uma vez que a munição foi construída internamente pelo serviço, elas não pagaram por pesquisas externas ou têm custos de aquisição padrão associados a elas. O MOAB foi um "projeto de acidente" desenvolvido para uso contra um adversário com táticas incertas em terrenos desconhecidos e, portanto, um esforço para atender a uma necessidade urgente e não era um programa formal. Se mais bombas forem encomendadas, a produção seria basicamente iniciada com custos mais altos por causa da falta de peças antigas, inflação de preços e novos projetos e testes.[13]

Uso operacional[editar | editar código-fonte]

Vídeo mostrando a bomba em uso em abril de 2017

Em 13 de Abril de 2017, uma MOAB foi lançada[14] em um complexo de cavernas do EIIL-Khorasan no distrito de Achin, província de Nangarhar, Afeganistão. Foi o primeiro uso da bomba em combate.[3][15][16] Dois dias depois, um porta-voz do exército afegão disse que o ataque matou 94 militantes do ISIS-K, incluindo quatro comandantes, sem sinais de baixas civis.[17][18] No entanto, um parlamentar da província de Nangarhar, Esmatullah Shinwari, disse que a explosão matou um professor e seu filho.[19][20] O ex-oficial militar dos EUA, Marc Garlasco, que serviu no governo de George W. Bush, disse que os EUA nunca usaram o MOAB anteriormente por causa de preocupações de que ele machucaria ou mataria civis inadvertidamente.[21]

Armas similares[editar | editar código-fonte]

Durante a Segunda Guerra Mundial, o Comando de Bombardeiros da Royal Air Force usou o Grand Slam, oficialmente conhecido como "Bomb, Medium Capacity, 22,000 lb" 42 times. Com um peso total de 22.000 libras, essas bombas de terremotos eram tecnicamente maiores que o MOAB. No entanto, metade do seu peso foi devido ao invólucro de ferro fundido necessário para penetrar no solo (até 40 m) antes de explodir. O MOAB, em contrapartida, tem um invólucro de alumínio leve de 2.900 lb (1,315 kg) ao redor de 18,700 lb (8,500 kg) de material explosivo da Composição H-6.[22]

A bomba de demolição T-12 Cloudmaker de 44.000 libras da Força Aérea dos Estados Unidos (similar em design ao Grand Slam), desenvolvida após a Segunda Guerra Mundial, carregava uma carga explosiva mais pesada que a MOAB, mas nunca foi usada em combate.

Em 2007, os militares russos anunciaram que haviam testado uma arma termobárica[23][24] apelidada de "Pai de Todas as Bombas" (em inglês: "FOAB").[25] A arma dita como sendo quatro vezes mais poderosa que o MOAB.[26][1] Mas sua existência e especificações são amplamente discutidas.[27][28]

O MOAB é a bomba convencional mais potente já usada em combate, medida pelo peso de seu material explosivo.[29][30] O rendimento explosivo é comparável ao das menores armas nucleares táticas, como o projétil americano M-388 da época da Guerra Fria disparado pela arma portátil sem recuo Davy Crockett. O M-388, uma variante de ogivas nucleares W54, pesava menos de 60 libras. No ajuste de rendimento mais baixo do projétil de 10 toneladas, aproximadamente equivalente a um único MOAB, sua força explosiva foi de apenas 1/144,000 (0.0007%) da ogiva W49 de 1,44 megatons da Força Aérea, uma arma nuclear comumente encontrada nos ICBMs Americanos no início de 1960.

Veja também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c d «GBU-43/B "Mother Of All Bombs" / Massive Ordnance Air Blast Bomb». Globalsecurity.org. Consultado em 13 de abril de 2017 
  2. Times Wire Services (27 de Dezembro de 2005). «Albert L. Weimorts Jr. 67; Engineer Created 'Bunker Buster' Bombs». Los Angeles Times. Consultado em 8 de Julho de 2010 
  3. a b Helene Cooper & Mujib Mashal, U.S. Drops 'Mother of All Bombs' on ISIS Caves in Afghanistan, New York Times (13 de Abril de 2017).
  4. a b Shannon Collins (14 de abril de 2017). «What to Know About the GBU-43/B, 'Mother of All Bombs'». DoDlive. DoDlive. Consultado em 22 de abril de 2017. Al Weimorts, o criador da bomba de ar explosivo GBU-43/B Massive Ordnance (foto à esquerda), e Joseph Fellenz, fabricante de modelos de chumbo, examinam o protótipo antes de ser pintado e testado. 
  5. Owens, Mackubin Thomas (2003). «Enter Moab». National Review Online. Consultado em 9 de Dezembro de 2011 
  6. Insinna, Valerie (2017). «What you need to know about the 'Mother of All Bombs'». Defense News. Consultado em 14 de Abril de 2017 
  7. «United States Military Weapons of War». about.com. 2007. Consultado em 9 de Dezembro de 2007. Cópia arquivada em 17 de Setembro de 2007 
  8. «B-52 Mission, Totals By Year/Month». americanwarlibrary.com. 2017. Consultado em 18 de Abril de 2017 
  9. «The Story of the Boeing B-52 Stratofortress». B-52 Stratofortress Association. 2017. Consultado em 18 de Abril de 2017 
  10. «General Statistics Vietnam War». 103fieldbatteryraa.net. 2017. Consultado em 18 de Abril de 2017 
  11. Michael Dekker, Made in Oklahoma: 'Mother of all bombs' dropped in Afghanistan could have come from McAlester, Tulsa World (April 14, 2017).
  12. Lord, Debbie (13 de abril de 2017). «What is the 'mother of all bombs,' and what does it do?». Atlanta Journal-Constitution. Consultado em 16 de abril de 2017 
  13. After US Drops 'Frankenbomb' on Afghanistan, Questions Linger - Military.com, 22 April 2017
  14. USA TODAY (14 de Abril de 2017). «Drone footage shows MOAB drop in Afghanistan» – via YouTube 
  15. «U.S. drops "mother of all bombs" in Afghanistan, marking weapon's first use». CBS News. 13 de Abril de 2017. Consultado em 13 de Abril de 2017 
  16. Charlsy Panzino (13 de Abril de 2017). «CENTCOM: US drops 'mother of all bombs' on ISIS in Afghanistan». Air Force Times. Consultado em 13 de Abril de 2017 
  17. «Sobe para 94 o nº de mortos pela 'mãe de todas as bombas' no Afeganistão - Internacional - Estadão». Estadão 
  18. «Afghan official: Death toll from massive US bomb rises to 94, including 4 ISIS commanders». Stars and Stripes 
  19. «U.S. Drops Its Biggest Non-Nuclear Bomb on Afghans, Already Traumatized by Decades of War» 
  20. Kabul (14 de Abril de 2017). «36 Isis militants killed in US 'mother of all bombs' attack, Afghan ministry says» – via The Guardian 
  21. Emmons, Alex (13 de abril de 2017). «"Mother of All Bombs" Never Used Before Due to Civilian Casualty Concerns». The Intercept. Consultado em 14 de abril de 2017 
  22. Schmitt, Michael; Barker, Peter. «"The Mother of All Bombs": Understanding the Massive Ordnance Air Blast Weapon». Just Security.org. Consultado em 20 de abril de 2017 
  23. «Mídia americana refresca memória de Washington sobre 'Pai de Todas as Bombas' russo». br.sputniknews.com 
  24. «Após lançamento americano, Rússia lembra que tem "pai de todas as bombas"». www.efe.com 
  25. «Trump Dropped Mother of All Bombs. But he Wasn't Expecting Russia to do This – Belair Daily». www.belairdaily.com (em inglês). Consultado em 16 de abril de 2017 
  26. Luke Harding (12 de setembro de 2007). «Russia unveils the 'father of all bombs'». The Guardian. Consultado em 12 de setembro de 2007 
  27. Deutsche Welle (14 de Setembro de 2007). «Russian Bomb Claims Questionable, Expert Says» 
  28. Wired (10 de Abril de 2007). «Russian "Father of All Bombs" = Fake?» 
  29. «U.S. Air Force Drops the Largest Conventional Bomb Ever Used in Combat». Popular Mechanics 
  30. «US drops largest non-nuclear bomb ever in Afghanistan». CNBC 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre GBU-43/B Massive Ordnance Air Blast