GCompris

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
GCompris
Gcompris screenshots.png
Capturas de ecrã do programa GCompris.
Desenvolvedor Bruno Coudoin (programador principal e gestor de lançamentos)
Lançamento 2000
Versão estável 15.02 (2015)
Idioma(s) 66 línguas (apenas 9 delas completas)[1]
Linguagem C Python
Sistema operacional Linux, Mac OS X, Windows
Gênero(s) Programa educativo
Licença GNU General Public License v3
Página oficial gcompris.net

GCompris é um programa educativo de código aberto, disponível sob a licença GNU General Public License, que foi lançado em 2000 pelo engenheiro de software francês Bruno Coudoin. É composto por 107 atividades lúdicas,[2] dirigido às crianças entre os 2 e 10 anos de idade.[3] e incluído em vários sistemas educacionais[4][5].

As versões para Linux e Mac OS X são gratuitas. A versão para Windows existe em duas modalidades, uma gratuita em crippleware a qual permite utilizar apenas algumas das atividades, e outra que custa 9€ com todas as atividades disponíveis. Segundo o autor, as restrições da versão gratuita para Windows e a versão paga visam incentivar a utilização do GNU/Linux.[6]

Desde o seu lançamento, o programa contou com a participação voluntária de outros programadores, tradutores e do feedback de professores.[carece de fontes?]

Em 24 de Maio de 2003 venceu na categoria "programas educativos" no concurso internacional de programas livres.[7]

Polémicas[editar | editar código-fonte]

Em março de 2009, o programa foi alvo de polémica em Portugal devido aos erros de ortografia, sintaxe e gramática, encontrados nas instruções dos jogos pelo deputado José Paulo Areia de Carvalho. O programa foi incorporado no sistema operativo Linux Caixa Mágica Mag que foi distribuído no computador portátil Magalhães, no âmbito do programa e-escolinha, às crianças do ensino básico. De acordo com a Caixa Mágica e o tradutor da primeira versão para português, deveu-se a falha humana. O programador e gestor dos lançamentos do GCompris, Bruno Coudoin, anunciou a atualização da tradução na versão 8.4.9 feita pelos voluntários da equipa de tradução portuguesa do projeto GNOME, Duarte Loreto e António Lima, pedindo desculpa às crianças e professores pelos problemas causados.[8][9]

Notas e referências

  1. Estado das traduções do GCompris
  2. «Lista de atividades do GCompris no sítio oficial». Consultado em 12 de março de 2009. Arquivado do original em 6 de janeiro de 2009 
  3. «Página oficial do programa GCompris». Consultado em 12 de março de 2009. Arquivado do original em 7 de outubro de 2008 
  4. Renato de Oliveira Diogo; Marcos Antônio Cavenaghi, Roberta Ulson Spolon, Aparecido Nilceu Marana (2006). «Criação de um CD Linux autoinicializável com ferramentas educacionais» (PDF). Revista Ciência em Extensão. UNESP. pp. 43–44. Consultado em 6 de Setembro de 2013. Entre eles, encontra-se o GCompris, KAtomic, KStars... 
  5. Wilkens Lenon Silva de Andrade. «O software livre no contexto educacional brasileiro: o Gcompris em foco» (PDF). Consultado em 6 de Setembro de 2013 [ligação inativa]
  6. «Página das versões disponíveis do GCompris». Consultado em 12 de março de 2009. Arquivado do original em 26 de julho de 2008 
  7. «http://gcompris.net/-Sobre-o-GCompris-». Consultado em 6 de setembro de 2013. Arquivado do original em 17 de dezembro de 2010  Ligação externa em |titulo= (ajuda)
  8. Notícias no sítio oficial do GCompris Arquivado em 26 de julho de 2008, no Wayback Machine. (em inglês)
  9. http://sourceforge.net/mailarchive/forum.php?thread_name=9b711ec60903081208i58fe4ba9w1485e7d4d57e71f5%40mail.gmail.com&forum_name=gcompris-portugues[ligação inativa] http://www.programaslivres.net/2009/03/10/gcompris-com-os-erros-corrigidos/ Arquivado em 11 de março de 2009, no Wayback Machine.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]