GENIE (sistema de vigilância)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

GENIE é o codinome de uma atividade da NSA através da qual especialistas em computação podem controlar redes de computadores estrangeiros através de "implantes secretos", transmitidos remotamente para milhares de dispositivos por ano. [1][2][3][4][5]

NSA BlackBerry intercept.jpg

Ataque à Smartphones e iPhones[editar | editar código-fonte]

Worldwide NSA signals intelligence.jpg

Aproveitando a expansão do uso de Smartphones, a NSA se dedicou a explorar os smartphones, uma vez que combinam uma infinidade de dados que interessa a agência, como contatos sociais, o comportamento do usuário, interesses, localização, fotos, números de cartão de crédito e senhas. O esquema "GENIE" implanta arquivos maliciosos em computadores no exterior, incluindo embaixadas estrangeiras.

Implante para o iPhone

Segundo as revelações em 2014, a NSA está desenvolvendo uma nova versão que poderá identificar comandos de voz e coletar apenas trechos de informações desejados.[6]

De acordo com o documento, a NSA criou forças-tarefas atribuídas a vários fabricantes de smartphones e sistemas operacionais, incluindo o sistema operacional da Apple do iPhone[7][3] e iOS, assim como o sistema operacional móvel Android do Google. Da mesma forma, GCHQ britânico criou uma equipe para quebrar o codigo do BlackBerry smartphone.[3]

Uma apresentaçāo de PowerPoint da NSA para os países do FVEY - Five Eyes ou Cinco Olhos: Canadá, UK, Austrália, Nova Zelândia e USA, sobre a espionagem do iPhones diz: "Quem saberia em 1984 (slide 1), que este seria o Grande Irmão (slide 2)? E que os Zumbis seriam clientes pagantes?(slide 3). A apresentacao foi publicada pelo Der Spiegel em setembro de 2013.[7]

Ver Também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. The Japan Times: Secret documents detail U.S. war in cyberspace | The Japan Times
  2. The Washington Post: U.S. spy agencies mounted 231 offensive cyber-operations in 2011, documents show - The Washington Post
  3. a b c SPIEGEL ONLINE: Genie-Programm: USA infizierten Zehntausende Rechner - SPIEGEL ONLINE Erro de citação: Código <ref> inválido; o nome "SPIEGEL ONLINE" é definido mais de uma vez com conteúdos diferentes Erro de citação: Código <ref> inválido; o nome "SPIEGEL ONLINE" é definido mais de uma vez com conteúdos diferentes
  4. WIRED: NSA Laughs at PCs, Prefers Hacking Routers and Switches | Threat Level | WIRED
  5. The Intercept: [1]How the NSA Plans to Infect 'Millions' of Computers with Malware - The Intercept
  6. tecmundo.com.br: NSA usa malware para se infiltrar em 50 mil redes, inclusive no Brasil
  7. a b International: [2]Galeria de Fotos: Espionando iPhone e Smartphones - SPIEGEL ONLINE - Internacional Erro de citação: Código <ref> inválido; o nome "International" é definido mais de uma vez com conteúdos diferentes

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

  • [3] FAIRVIEW: programa que amplia a capacidade da coleta de dados - Mapa mostra volume de rastreamento do governo americano Brasil é o país mais monitorado da América Latina - O Globo - 11 de junho de 2013;
  • [4] EUA espionaram milhões de e-mails e ligações de brasileiros. País aparece como alvo na vigilância de dados e é o mais monitorado na América Latina - O Globo - 6 de julho de 2013;
  • [5] Ministério de Minas e Energia foi alvo de espionagem do Canadá - O Globo - 6 de outubro de 2013;
  • [6] Jornais destacam sistema de espionagem dos EUA no Brasil. The Guardian, Washington Post e El País foram alguns dos que comentaram denúncia feito pelo O GLOBO - 7 de julho de 2013;
  • [7] James Bamford: ‘A NSA hoje pode entrar na mente das pessoas’ , por Flávia Barbosa - O Globo - 19 de março de 2014.
  • [8] Video sobre tecnologia de vigilância da NSA-Catálogo ANT (NSA) com o Catálogo da NSA - Iterativo - dispositivos de vigilância criados pela ;
  • [9] NSA pode escutar todas as chamadas telefônicas em qualquer pais estrangeiro (vídeo em espanhol)
  • [10] Vídeo: Você quebrou a Internet. Nós estamos fazendo uma GNU para nós-1h 19 min Jacob Appelbaum (em inglês).