GE 1-C+C-1 (EFS)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
GE 1-C+C-1 - 108/130M
Tren.svg
Locomotiva Loba Reformada pela América Latina Logística, estacionada no pátio da cidade de Mairinque
Descrição
Propulsão Elétrica
Fabricante General Electric - Erie ( Estados Unidos)
Westinghouse
Número de encomenda FE-23000
Número de série 45961
Modelo 1-C+C-1 108/130M
Ano de fabricação 1943 a 1949
Locomotivas fabricadas GE: 25
Westinghouse: 21
Classificação AAR 1-C+C-1
Tipo de serviço misto
Características
Bitola 1.000 mm
Tipo de truques Barras Soldadas
Diâmetro das rodas 1118mm (44")
Diâmetro das rodas guias 838" (33")
Distância entre eixos 1.981/2.438mm
Comprimento 18.590mm
Largura 2.943mm
Altura 3.809mm
Peso da locomotiva 130.000kg
Peso por eixo Aderente:18.000kg
Guia:11.000kg
Peso aderente 108.000kg
Tipo de combustível Eletricidade
Capacidade de areia 0,66 m³
Método de eletrificação C.C.
Tensão 3.000 V
Tipo de captação de energia Catenária
Tipo de pantógrafo Balão S-560
Gerador G.E.: 5 GMG 136B1
Westinghouse: YX32A
Motores de tração G.E.: 5 GE 734 A1
Westinghouse: 374A
Tração múltipla Sim, até duas unidades
Performance
Velocidade máxima 90 km/h
48km/h em regime contínuo
Potência disponível para tração 2000hp (1545Kw)
Esforço de tração GE:12900kgf (contínuo)
15750kgf(unihorário)
Westinghouse:11100kgf (contínuo)
13500kgf(unihorário)
Raio mínimo de inscrição 80,00 m
Freios da locomotiva Pneumático e Elétrico Regenerativo
Sistema de freio ar comprimido 14EL
Operação
Ferrovias Originais EFS
Ferrovias que operou Fepasa, Ferroban, Brasil Ferrovias
Apelidos Loba/Westighouse para as desse fabricante
Local de operação São Paulo
Data de entrega 1943 a 1949
Ano da entrada em serviço primeiras em 1943
Ano da saída do serviço 1998
Proprietário atual 2 ALL, demais devolvidas ao Governo Federal/IPHAN
Situação 2 semi-operacionais, demais encostadas

A locomotiva elétrica Série 2000 1-C+C-1 foi projetada e construída pela General Electric para a Estrada de Ferro Sorocabana.

Início da operação[editar | editar código-fonte]

Na década de 1930, a Estrada de Ferro Sorocabana, então pertencente ao Governo do Estado de São Paulo, realizou uma licitação para escolher a firma que eletrificaria o trecho ferroviário entre São Paulo e Iperó, que já apresentava grande movimento naquela época. A vencedora da licitação foi a inglesa Metropolitan-Vickers, mas o início da Segunda Guerra Mundial e a mobilização de todo o parque industrial da Inglaterra para a produção de armas fizeram com que a empresa cancelasse as obras. Assim, um grupo formado, entre outras empresas, pelas norte-americanas General Electric e Westinghouse assumiu as obras em pleno período de guerra.

A locomotiva que operaria no trecho eletrificado foi projetada pela General Electric e seria utilizada para trens de passageiros e de carga; a máquina apresentava rodagem 1-C+C-1 para melhor se adaptar ao traçado sinuoso da linha e tinha potência de 2000 HP. A primeira locomotiva chegou ao Brasil em 1943 e fora produzida numa época em que todo o parque industrial norte-americano estava voltado para a produção de armamento para a guerra.

A primeira etapa da eletrificação na Estrada de Ferro Sorocabana foi concluída em 1944, e as locomotivas Série 2000 (como foram batizadas oficialmente) iniciaram as suas operações comerciais. Até 1948, a Sorocabana receberia mais locomotivas do mesmo modelo, que foram produzidas pela General Electric e também pela Westinghouse, nos Estados Unidos.

Apelido[editar | editar código-fonte]

Os ferroviários logo encontraram um apelido para a nova locomotiva elétrica da Sorocabana: Loba. Isto se deveu porque os eixos de apoio da máquina se localizavam à frente da carenagem frontal da locomotiva, e alguns ferroviários compararam este detalhe a um focinho de um lobo.

Outro apelido destas máquinas foi Westinghouse, pois algumas unidades foram produzidas pela empresa norte-americana.

Fim da operação[editar | editar código-fonte]

As locomotivas Loba prestaram bons serviços para a Sorocabana e para a FEPASA, tracionando trens de passageiros e cargas pela região Sudoeste e Oeste de São Paulo. Na década de 1970, as unidades foram reformadas e modernizadas, recebendo novos faróis e pintura vermelha da FEPASA.

Entretanto, em 1999, a malha da FEPASA foi concedida a uma nova empresa, a Ferroban. A nova controladora imediatamente interrompeu o uso da tração elétrica e encostou quase todas as locomotivas elétricas então em uso. Ainda assim, três Lobas continuaram em operação, tracionando trens cargueiros na Grande São Paulo. Em 2006, a América Latina Logística assumiu as operações da malha da antiga FEPASA e reformou uma locomotiva Loba para a operação na Grande São Paulo.

O restante das locomotivas estão encostadas e apodrecendo em vários pátios ferroviários, sobretudo no de Sorocaba. A partir do ano 2003, grande parte delas foi levada para os grandiosos cemitérios de história da cidade de Bauru. Algumas foram até desmontadas, ou picotadas... Como ficaram a mercê do tempo e totalmente sem proteção alguma, foram alvas de ladrões em busca de cobre e vândalos..