Unidos de Bangu

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de GRES Unidos de Bangu)
Ir para: navegação, pesquisa
Unidos de Bangu
Bandeira do GRES Unidos de Bangu.png
Fundação 15 de novembro de 1937 (80 anos)
Cores

Vermelho

Branco
Símbolo Pandeiro e Fênix
Bairro Bangu
Presidente Thiago Oliveira
Presidente de honra Sandro Avelar
Patrono Renato Moura
Carnavalesco Edson Pereira e Alex de Oliveira
Intérprete oficial Tem-Tem Jr eLuís Oliveira
Diretor de carnaval Jefferson Carlos
Diretor de harmonia Jeferson Carlos e Alexandre Carlos
Diretor de bateria Mestre Léo Capoeira
Rainha da bateria Lexa
Mestre-sala e porta-bandeira Anderson Abreu e Eliza Xavier
Coreógrafo Pablo Guerreiro[1]
Desfile de 2019
Enredo Do ventre da terra, raízes para o mundo
www.unidosdebangu.com.br

Grêmio Recreativo Escola de Samba Unidos de Bangu é uma escola de samba do Rio de Janeiro com sede no bairro de Bangu, Zona Oeste do Rio de Janeiro. Foi fundada a 15 de novembro de 1937, sendo a mais antiga da Zona Oeste do Rio de Janeiro em atividade. É a madrinha da Acadêmicos de Santa Cruz. Já participou do Grupo Especial do carnaval carioca em 1958, 1959, 1960 e 1963. A escola é bicampeã da Série A do carnaval carioca, conquistando os títulos de 1957 e 1962. É a atual campeã da Série B de 2017 e voltou para a Sapucaí pela Série A em 2018.

História[editar | editar código-fonte]

A agremiação, a exemplo do Casino Bangu e o Bangu Atlético Clube, nasce de um grupo de operários da hoje extinta Fábrica Bangu fundada em 6 de fevereiro de 1889. A Unidos de Bangu é a mais antiga da zona oeste do Rio de Janeiro.  

A Unidos de Bangu nasce em 6 de fevereiro de 1889 junto com a Fábrica Bangu, em 1903 é fundado o Grupo Carnavalesco Flor de Lira por funcionários da Fábrica Bangu, uma das primeiras instituições voltada para o carnaval do Rio de Janeiro e Brasil, essa foi uma das precursoras da Unidos de Bangu, que viria a ser fundada oficialmente em 1937.

A escola surgiu de um time de futebol que tinha o nome de Botafoguinho, cuja sede era na casa do Sr. Aristóteles Montenegro e Souza (Que foi membro do Grupo Carnavalesco Flor de Lira, assim como outros integrardes.), morador na Rua Industrial, no bairro de Bangu. Na época do carnaval, este time se transformava em bloco carnavalesco e desfilava no bairro e adjacências. Isso nos idos de 1935. Somente em 1957, os integrantes do bloco sentiram a necessidade de transformá-lo em escola de samba, filiando-se à Associação das Escolas de Samba, graças à valiosa colaboração de Guilherme da Silveira Filho, o patrono da escola.  São seus fundadores, entre outros, Aristóteles M. Souza, Jorge Mattos, Cristalino Barbosa, Paulo Pires Sampaio, Felisberto de Carvalho.[2]

As primeiras cores oficiais da escola foram o azul e o branco. A cor vermelha e branca somente foi adotada em 1966, em homenagem, após o segundo título do campeonato carioca conquistado pelo Bangu Atlético Clube. Participou em vários anos do, agora chamado, Grupo Especial. A escola nunca se firmou entre as grandes. Porém, sempre figurou nos grupos de acesso como uma escola carismática, de um povo feliz[carece de fontes?] que fazia do bairro de Bangu seu maior orgulho. Foi a primeira escola de samba do Brasil a ter vínculo informal com um clube de futebol (Bangu Atlético Clube).[carece de fontes?] Pioneirismos este muito copiado no Estado de São Paulo, como por exemplo, a Gaviões da Fiel (Corinthians), Mancha Verde (Palmeiras) e Dragões da Real (São Paulo).[carece de fontes?] Foi a primeira escola de samba a ter uma quadra coberta no Brasil.[carece de fontes?] Também foi a pioneira em adotar banheiros separados para homossexuais no Brasil. [carece de fontes?] Em 2015 a escola mandou para Sapucaí a rainha de bateria mais jovem da história do carnaval, Maria Clara Chaves de apenas 7 anos de idade.[8]

Sua quadra ficava localizada na Avenida Cônego de Vasconcelos, 1313, junto ao "paredão negro" (Bangu), que durante muitos anos foi um foco de resistência cultural, onde se jogava capoeira e dançava o jongo. Tendo sua bateria, oriunda da Estácio e as baianas, do Império Serrano. Pois a maioria dela morava na Serrinha, em Madureira.

Em 1957 a agremiação conquista seu primeiro título, o do segundo grupo com o enredo "Homenagem à aviação brasileira" conquistando 93 pontos.

Em 1958, na sua estreia no Grupo Especial a Unidos de Bangu fica na 12ª posição entre 18 agremiações com o enredo "Proclamação da República" conquistando 80 pontos.

Em 1959 a escola consegue seu melhor desempenho fechando na 8ª posição entre 17 escolas, o samba-enredo "O último baile da Corte Imperial" conquista 82,5 pontos dos jurados. Nesse carnaval a Unidos de Bangu ficou acima de escolas tradicionais como a Caprichosos de Pilares, Unidos da Tijuca e Unidos do Salgueiro. [3]

Em 1960 repetiu a mesma colocação, com 51 pontos, sendo rebaixada por ter ficado em último lugar entre 12 escolas.[4]

Após um terceiro lugar no ano seguinte, em 1962 vence novamente o segundo grupo, derrotando a Beija-Flor de Nilópolis nos critérios de desempate, voltando ao grupo principal pela última vez para 1963, quando fica em 9º lugar entre 10 escolas e é rebaixada com apenas 44 pontos.

Igor Vianna, compositor do samba, e Carlinhos Piloto, compositor e intérprete do samba 2013.

A Unidos de Bangu encerrou suas atividades em 1998 após uma lastimosa administração, que dilapidou o patrimônio da escola. A quadra, que pertencia à Fábrica Bangu, possuía usufruto. Logo, com a paralisação da escola, o imóvel teve que ser devolvido aos herdeiros da fábrica, que posteriormente o venderam.

Em novembro de 2012, após 15 anos de inatividade, a Unidos de Bangu voltou a desfilar, herdando a vaga da Independente de São João de Meriti.[5] Impulsionados pelo crescimento do bairro, alguns jovens se mobilizaram para a realização do desfile.[6] Logo na reestreia, foi a vice-campeã do Grupo C, conseguindo a promoção ao Grupo B, em 2014.

Em setembro de 2013, inaugurou sua nova quadra, na esquina da Rua Doze de Fevereiro c/ Rua Santa Cecília.[7]

Com a volta das cinzas da escola, após 15 anos de inatividade, o pássaro Fênix é o que melhor simboliza a escola Unidos de Bangu nesta nova fase, visto que a escola "morreu" em 1998 e reviveu das cinzas em 2013, assim como o pássaro de fogo quente como Bangu, da Mitologia grega. Torcedores da escola fizeram campanha nas redes sociais para que se adotasse o pássaro Fênix como mais um simbolo da escola, a ideia foi descartada inicialmente, mas os torcedores continuam na esperança da oficialização definitiva.[9]

Para 2014 a escola contratou o jovem, mas experiente carnavalesco Ney Junior, levando para a avenida um enredo que exaltou o bairro de Bangu. Há poucas semanas do carnaval, o intérprete Igor Vianna, que havia gravado o áudio oficial do samba, deixou a agremiação, sendo substituído por Nino do Milênio e Lico Monteiro. Primeira escola a desfilar, a Bangu foi a campeã do grupo B, voltando à Sapucaí para 2015.[8] Após um bom tempo longe da Sapucaí, a agremiação trouxe o carnavalesco Petterson Alves, vindo da MUG, além do intérprete Marcelo Rodrigues, ex-Cubango. No entanto, em dezembro, houve uma substituição, Petterson acabou desligado da escola, sendo substituído por Rodrigo Almeida, também carnavalesco do Império da Praça Seca.[9] A escola de Bangu abriu o desfile da Série A, na sexta.[10] O desfile de 2015 foi marcado por uma série de problemas com as fantasias, sendo que muitas não chegaram a tempo do desfile, deixando a escola na penúltima colocação e sendo rebaixada para o Grupo B em 2016.

Em 2016, a Escola foi a 13ª a desfilar na Intendente Magalhães com enredo em homenagem aos 60 anos da co-irmã Mocidade Independente de Padre Miguel. A escola fez um bom desfile e ficou em 6º lugar a apenas 0,8 décimos da campeã Sossego.

Em 2017, a Unidos de Bangu foi a última a desfilar na Estrada Intendente Magalhães com o Enredo "Onde há fumaça, há fogo".[11] Com ares de principal desfile da terça-feira de carnaval, a escola apresentou uma boa plástica e canto forte e, apesar de um problema na alegoria, novamente sagrou-se campeã da Série B, ascendendo à Série A para o carnaval de 2018. Sendo assim, voltou a desfilar no Sambódromo da Marquês de Sapucaí depois de três anos. No carnaval de 2018, com o enredo "A travessia da Calunga Grande e a Nobreza Negra no Brasil" a escola terminou em 12° lugar, permanecendo na Série A. Para 2019, a escola contratou os intérpretes Tem-Tem Jr e Luís Oliveira e o carnavalesco Alex de Oliveira.

Segmentos[editar | editar código-fonte]

Presidentes[editar | editar código-fonte]

Nome Mandato Ref.
Jurandir Magalhães 1957 [12]
Sem Dados 1958-1973 [12]
Arlindo Andrade 1974 [12]
Floriano de Mattos 1975 [12]
Sem Dados 1976 [12]
Ubiratan Castro Vianna 1977-1978 [12]
Sem Dados 1979-1982 [12]
Floriano de Mattos 1983 [12]
Wanderley Portugal 1984 [12]
Sem Dados 1985-1988 [12]
Guilherme R. de Andrade 1989-1991 [12]
Shirlene Machado de Souza Netto 1992-1993 [12]
Sem Dados 1994-1998 [12]
Rafael Marçal final de 2012 - abril de 2015 [13]
Guilherme Torres abril de 2015 - maio de 2017 [14]
Marcelo do Rap maio de 2017 - atual
Thiago Oliveira 2019

Presidente de honra[editar | editar código-fonte]

Nome Mandato Ref.
Thiago Pampolha final de 2012 - abril 2015 [15]
Clécio Régis Abril de 2015 - atualidade

Patrono[editar | editar código-fonte]

Nome Mandato Ref.
Guilherme da Silveira Filho Fundação - ? [2]
Renato Moura final de 2012 - atual [15]

Diretores[editar | editar código-fonte]

Ano Diretor de Carnaval Diretor geral de harmonia Mestre de bateria Ref.
2014 Marquinhos Marino e Rodrigo Serginho Harmonia Flávio [13]
2015 Julião Mauro Amorim Zumbi [14]
2016 Julião Gerson Rodrigues Zumbi
2017 Rafael Marçal Gerson Rodrigues Zumbi
2018 Marcelo Varanda Marcelo Varanda Léo Capoeira
2019 Jeferson Carlos Kenga Léo Capoeira

Intérpretes[editar | editar código-fonte]

Carnavais Intérprete oficial Referências
1974 Renato Nascimento [16]
1975–1976 Israel do Nascimento
1977–1978 Ubirajara Proença
1979 Mestre Gego
1980–1982 Félix Bezerra
1983–1984 Sobrinho [17]
1985 Félix Bezerra
1986 Sobrinho [17]
2013 Carlinhos Piloto
2014 Lico Monteiro e Nino do Milênio
2015 Marcelo Rodrigues e Alex Soares [18]
2016 Marcelo Rodrigues [19]
2017 Niu Souza
2018 Leandro Santos e Thiago Brito
2019 Tem-Tem Jr e Luís Oliveira

Coreógrafo[editar | editar código-fonte]

Período Nome Ref.
2013-2014 Carlos Fontinelle [20]
2015 Márcio Alexandre [21]
2016 Jardel Lemos [14]
2018 Jorge Teixeira e Saulo Finelon
2019- Pablo Guerreiro [1]

Mestre-sala e Porta-bandeira[editar | editar código-fonte]

Período Nome Ref.
2014 Bira e Janaína Manfredo [13]
2015 Bira e Laís Moreira [22]
2016 Paulo Erick e Bruna Santos
2018 Diego Falcão e Jaqueline Gomes
2019- Anderson Abreu e Eliza Xavier

Rainhas de bateria[editar | editar código-fonte]

Período Nome Ref.
2013 Lucilene Caetano [23]
2014 Monike Vieira
2015-2016 Maria Clara Chaves [24]
2017 Janaina Krauskopf
2018-atual Lexa

Carnavais[editar | editar código-fonte]

Unidos de Bangu
Ano Colocação Divisão Enredo Carnavalesco Ref.
1957 Campeã Grupo 2 (Atual Série A) "Homenagem à aviação brasileira" Maza [25][26]
1958 12.º Lugar Grupo 1 (Atual Grupo Especial) "Proclamação da República" Maza [25][27]
1959 8.º Lugar Grupo 1 (Atual Grupo Especial) "O último baile da Corte Imperial" Maza [25]
1960 8.º Lugar
(Rebaixada)
Grupo 1 (Atual Grupo Especial) "Jóias da Primavera" Maza [25]
1961 3.º Lugar Grupo 2 (Atual Série A) "Os Bandeirantes" Maza [25]
1962 Campeã Grupo 2 (Atual Série A) "Fragata de Dom Afonso" Darcy de Jesus [25]
1963 9.º Lugar
(Rebaixada)
Grupo 1 (Atual Grupo Especial) "Brasil, pátria universal" Darcy de Jesus [25]
1964 13.º Lugar
(Rebaixada)
Grupo 2 (Atual Série A) "Jóias da poesia" Darcy de Jesus [25]
1965 6.º Lugar Grupo 3 (Atual Série B) "4.º Centenário" Darcy de Jesus [25]
1966 5.º Lugar Grupo 3 (Atual Série B) "Viagem pitoresca e histórica do Brasil" Darcy de Jesus [25]
1967 19.º Lugar Grupo 3 (Atual Série B) "Os precursores da abolição" Josafá Pereira [25]
1968 9.º Lugar Grupo 3 (Atual Série B) "Vida histórica de Vitor Meireles de Lima" Dario de Souza [25]
1969 14.º Lugar Grupo 3 (Atual Série B) "Maria Quitéria, heroína da Independência" Josafá Pereira [25]
1970 7.º Lugar Grupo 3 (Atual Série B) "Dr. Vital Brasil" Josafá Pereira [25]
1971 3.º Lugar Grupo 3 (Atual Série B) "O Guarani, de José de Alencar" Josafá Pereira [25]
1972 Não desfilou
(Rebaixada)
Grupo 2 (Atual Série A) "Um dos motivos da Independência" Josafá Pereira [25]
1973 3.º Lugar Grupo 3 (Atual Série B) "Prodígio de café na economia brasileira" John Rubens Ide [25]
1974 14.º Lugar Grupo 2 (Atual Série A) "Rio, pé de moleque"
(Samba-enredo composto por Devanil Silva)
John Rubens Ide [25][16]
1975 11.º Lugar Grupo 2 (Atual Série A) "Emília no país da gramática"
(Samba-enredo composto por Roberto Rodrigues e Frankiln Martins)
John Rubens Ide [25]
1976 16.º Lugar
(Rebaixada)
Grupo 2 (Atual Série A) "Festas e tradições de nossa gente"
(Samba-enredo composto por Marujo, Nilton Leal e Jorge Melodia)
Carlos de Azevedo [25]
1977 5.º Lugar Grupo 3 (Atual Série B) "Madame Satã na corte da Lapa boêmia" Carlinhos D'Andrade e Ernesto Nascimento [25]
1978 3.º Lugar Grupo 3 (Atual Série B) "Essa dupla é uma parada" Ernesto Nascimento [25]
1979 5.º Lugar Grupo 2A (Atual Série B) "Brasil, batucai vossos pandeiros"
(Samba-enredo composto por Afonso Mendes e G. Solano)
Ernesto Nascimento [25]
1980 6.º Lugar Grupo 1B (Atual Série A) "A lenda de Juparanã, a lagoa encantada"
(Samba-enredo composto por Élio, Hildo, Servilho, Wantuil e Wilson)
Ernesto Nascimento [25]
1981 7.º Lugar Grupo 1B (Atual Série A) "É hoje, a história do carnaval"
(Samba-enredo composto por Batista do Parque, Totonho e Marcos Job)
Ernesto Nascimento [25]
1982 10.º Lugar Grupo 1B (Atual Série A) "Você sabe como é" Ernesto Nascimento [25]
1983 5.º Lugar Grupo 1B (Atual Série A) "Obrigado, Brasil - Fantasia Brasileira" José Eugênio [25]
1984 6.º Lugar Grupo 1B (Atual Série A) "Atrás do trio elétrico" Lacerda e José Eugênio [25]
1985 7.º Lugar
(Rebaixada)
Grupo 1B (Atual Série A) "É hoje só, amanhã não tem mais" Lacerda e José Eugênio [25]
1986 9.º Lugar Grupo 2A (Atual Série B) "A procissão dos navegantes"
(Samba-enredo composto por Martinho Devaneio, Waldeci e Wanderley)
Departamento Cultural [25]
1987 8.º Lugar Grupo 3 (Atual Série B "Tem que dar certo" Departamento Cultural [25]
1988 6.º Lugar Grupo 3 (Atual Série B "Rio que tem piranha, jacaré nada de costas" César D'Azevedo [25]
1989 9.º Lugar Grupo 3 (Atual Série B "As águas vão rolar" César D'Azevedo e Roberto Costa [25]
1990 7.º Lugar Grupo C (Atual Série C) "O encanto da vida é recordar" Marcio Machado e Guilherme Andrade [25]
1991 5.º Lugar Grupo C (Atual Série C) "Ginga, Palmares e liberdade" Sebastião Freitas, Tião Bengala e Márcio Machado [25]
1992 4.º Lugar Grupo C (Atual Série C) "Troque a pilha e aumente o volume" Adilson Nogueira [25]
1993 5.º Lugar Grupo C (Atual Série C) "Alerta, vamos sambar, aí vem a Emilinha" Adilson Nogueira [25]
1994 7.º Lugar Grupo C (Atual Série C) "Correio Nacional através dos tempos" Ronaldo Calzalari [25]
1995 6.º Lugar Grupo 1 (Atual Série C) "Rosa, uma flor mulher" Ronaldo Calzalari [25]
1996 6.º Lugar Grupo E (Atual Série E) "Oh! Que saudades eu tenho" Ronaldo Calzalari [25]
1997 6.º Lugar Grupo E (Atual Série E) "Mocidade Independente, uma estrela do céu para brilhar em Padre Miguel" Natan [25]
1998 5.º Lugar Grupo E (Atual Série E) "História da história de um carnaval que era do povo, e será?" Oziene Furtado [25]
A escola esteve inativa entre os anos de 1999 e 2012 [25][5][6]
2013 Vice-campeã Grupo C (Atual Série C) "Nas lembranças da infância, um carnaval de esperança"
(Samba-enredo composto por Thiago Meiners, Igor Vianna, Evaldo Júnior, Arlindo Neto e Carlinhos Piloto)
Ricardo Paulino e Luciano Santos [25]
2014 Campeã Grupo B (Atual Série B) "Eternamente Bangu"
(Samba-enredo composto por Maurinho Valle, Thiago Acácio, Dega da Viola, Zé Glória, Lilio, Junior Escafura, Antenor Bangu, Thiago Meiners, Iquinho Bombeiro, Gabriel Sorriso, Jorge Chapéu, André Baiacu e Lucas Donato)
Ney Júnior [25][28][29][30][31]
2015 14.º Lugar
(Rebaixada)
Série A "Imperium"
(Samba-enredo composto por Serginho Aguiar, Dudu Senna, Bruno Ferraz, Miúdo da Bahia, Walace Harmonia, Diego R., Alan Santos e Leozinho Nunes)
Rodrigo Almeida [25][10][18][32][9]
2016 6.º Lugar Série B "60 anos de glórias. A estrela guia Bangu rumo a vitória"
(Samba-enredo composto por Dudu Senna, Andre Baiacu, Maurinho, Marcelo do Rap, Zé Glória, Gabriel Sorriso, Dega da Viola, Henrique, Denilson Rosário, Caique Alves, Leandro Canavarro, Waguinho e Ari)
Marco Antônio [25]
2017 Campeã Série B "Onde há fumaça, há fogo!"
(Samba-enredo composto por Tem-Tem Jr, Richard Valença, Diego Nicolau, Marquinho Art'Samba, Dudu Senna, Rafael Prates, André Baiacu, Professor Fernando, Renan Diniz, Rafael Tinguinha, Kevin Sardou, Márcio Campos SP e Orlando Ambrósio)
Rodrigo Marques e Guilherme Diniz
2018 12.º Lugar Série A "A travessia da Calunga Grande e a nobreza negra no Brasil"
(Samba-enredo composto por Diego Nicolau, Dudu Senna, Richard Valença , Renan Diniz, Orlando Ambrósio, Rafael Tinguinha, Rafael Prates, André Kaballa, Marcio de Deus, Washington Motta e Ivan Câmara)
Cid Carvalho [33]
2019 Série A Do ventre da terra, raízes para o mundo Edson Pereira e Alex de Oliveira [34]

Títulos[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Unidos de Bangu
  • Série A: 1957 e 1962
  • Série B: 2014 e 2017

Resultados no Grupo Especial[editar | editar código-fonte]

  • 1958: 12º lugar - 80 pontos
  • 1959: 8º lugar - 82,5 pontos (melhor resultado)
  • 1960: 8º lugar - 51 pontos (Rebaixada)
  • 1963: 9º lugar - 44 pontos (Rebaixada)

Premiações[editar | editar código-fonte]

Prêmios recebidos pelo GRES Unidos de Bangu.

Ano Prêmio Categoria / premiados Divisão Ref.
2013 Plumas & Paetês Coreógrafo (Carlos Fontinelle) Série C [35]
Aderecista (Ricardo Paulino)
2014 SRZD-Carnaval Comissão de frente (Coreógrafo responsável: Carlos Fontinelle) Série B [36]
Troféu Jorge Lafond Campeã do Grupo B [37]
2016 Troféu Sambista Maria Clara Chaves (Rainha de bateria) Série B [38][39]
2018 Passista Samba no Pé Passista Masculino (Henry Jefferson Cavendish) Série A [40][41]
Destaque do Segmento dos Passistas (Kaiio Mackenzie)

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • ARAÚJO, Hiram. Carnaval: seis milênios de história. Rio de Janeiro: Ed. Gryphus, 2003.

Referências

  1. a b «Pablo Guerreiro Será O Coreógrafo Da Comissão De Frente Da Unidos De Bangu». Tudo de Samba. 6 de abril de 2018 
  2. a b «Academia do Samba - O maior portal do Carnaval Brasileiro». www.academiadosamba.com.br. Consultado em 12 de março de 2017. 
  3. Academia do Samba. «Classificação 1959». Consultado em 1 de dezembro de 2012. 
  4. Academia do Samba. «Classificação 1960». Consultado em 1 de dezembro de 2012. 
  5. a b «A volta da Unidos de Bangu». O Dia. Consultado em 18 de março de 2017.. Cópia arquivada em 17 de março de 2017 
  6. a b «A volta da Unidos de Bangu 2». G1.com. Consultado em 18 de março de 2017.. Cópia arquivada em 3 de março de 2016 
  7. SRZD (23 de setembro de 2013). «Unidos de Bangu promove feijoada e inaugura nova quadra». 3h15. Consultado em 23 de setembro de 2013. 
  8. Rodrigo Burgos, para o SRZD -Carnaval (6 de março de 2014). «Unidos de Bangu vence no Grupo B e garante acesso à Série A». 19h11. Consultado em 7 de março de 2014. 
  9. a b Joice Furtado, SRZD (7 de dezembro de 2014). «Unidos de Bangu: direção de Carnaval comenta saída do carnavalesco Petterson Alves». Consultado em 8 de dezembro de 2014. 
  10. a b Joice Hurtado, para o SRZD-Carnaval (16 de abril de 2014). «Unidos de Bangu aposta em infraestrutura e investimento para 2015». 16h50. Consultado em 16 de abril de 2014. 
  11. «Bangu apresenta boa plástica e canto forte, mas problema com alegoria e evolução podem dificultar acesso - Carnavalesco». Carnavalesco. 1 de março de 2017 
  12. a b c d e f g h i j k l m Academia do Samba. «Diretoria». Consultado em 11 de maio de 2014. 
  13. a b c Galeria do Samba. «Carnaval de 2014 - Eternamente Bangu». Consultado em 11 de maio de 2014.. Cópia arquivada em 11 de maio de 2014 
  14. a b c [1]
  15. a b [2]
  16. a b «Bangu 1974». Galeria do Samba. Consultado em 18 de março de 2017.. Cópia arquivada em 18 de março de 2017 
  17. a b «Sobrinho». Sambario Carnaval. Consultado em 18 de março de 2017. 
  18. a b SRZD-Carnaval (21 de maio de 2014). «Unidos de Bangu apresenta equipe e enredo para o Carnaval 2015». 02h04 
  19. http://www.radioarquibancada.com.br/site/apuracao-do-grupo-b-ao-vivo/
  20. [3]
  21. [4]
  22. «Unidos de Bangu tem nova porta-bandeira». Consultado em 4 de dezembro de 2014. 
  23. [5]
  24. [6]
  25. a b c d e f g h i j k l m n o p q r s t u v w x y z aa ab ac ad ae af ag ah ai aj ak al am an ao ap aq ar as at au «Histórico». Sambario Carnaval. Consultado em 4 de março de 2017.. Cópia arquivada em 17 de março de 2017 
  26. «Bangu 1957». Galeria do Samba. Consultado em 18 de março de 2017.. Cópia arquivada em 18 de março de 2017 
  27. «Bangu 1958». Galeria do Samba. Consultado em 18 de março de 2017.. Cópia arquivada em 18 de março de 2017 
  28. Eduardo Hollanda - Carnavalesco (22 de janeiro de 2014). «Grupo de Acesso B: como será o desfile da Unidos de Bangu». 11:50. Consultado em 22 de janeiro de 2014. 
  29. Rodrigo Burgos, para o SRZD-Carnaval (2 de março de 2014). «Unidos de Bangu: escola abre desfiles do Grupo B». 21h55. Consultado em 3 de março de 2014. 
  30. «Lico monteiro é o novo intérprete da Unidos de Bangu». 19h11. 19 de março de 2014. Consultado em 19 de março de 2014. 
  31. [7]
  32. O Dia na Folia (20 de maio de 2014). «'Imperium': Unidos de Bangu levará viagem histórica para o Sambódromo». 20h35 
  33. «Cid Carvalho 2018». Sambarazzo. Consultado em 18 de março de 2017.. Cópia arquivada em 18 de março de 2017 
  34. «"Do ventre da terra raizes para o mundo" e enredo da Unidos de Bangu para o carnaval 2019». Feras do Carnaval. 6 de abril de 2018 
  35. «9ª edição do Troféu Plumas & Paetês será na Cidade do Samba». CARNAVAL CARIOCA - O melhor carnaval do mundo - Ano 7. Consultado em 13 de junho de 2016. 
  36. «'Prêmio SRZD-Carnaval 2014': confira lista de todos os homenageados». SRZD - Sidney Rezende. Consultado em 10 de maio de 2016. 
  37. «Cubango divulga premiados do troféu Jorge Lafond». Carnavalesco. Consultado em 28 de junho de 2016. 
  38. «Primeira edição do 'Troféu Sambista' agita a Zona Norte com entrega de 34 prêmios». SRZD - Sidney Rezende. Consultado em 8 de junho de 2016. 
  39. «1ª edição do Troféu Sambista será neste sábado no River Futebol Clube». CARNAVAL CARIOCA - O melhor carnaval do mundo - Ano 7. Consultado em 8 de junho de 2016. 
  40. «Prêmio Passista Samba no Pé». Consultado em 17 de fevereiro de 2018. 
  41. «Prêmio Passista Samba no Pé divulga vencedores de 2018 - Revista Carnaval». Revista Carnaval. 19 de fevereiro de 2018