Gabriel Bonnot de Mably

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Gabriel Bonnot de Mably
Nome nativo Gabriel Bonnot de Mably
Nascimento 14 de março de 1709
Grenoble
Morte 2 de abril de 1785
Paris
Cidadania França
Ocupação filósofo, político, escritor

Gabriel Bonnot de Mably, eventualmente conhecido como Abbé de Mably (Grenoble, 14 de Março de 1709Paris, 2 de Abril de 1785) foi um filósofo francês.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Estudou no Colégio de Jesuítas de Lyon e, depois, no Seminário de Saint-Sulpice, em Paris. Abandonou a carreira eclesiástica após ter chegado ao subdiaconato. Quando o cardeal de Tencin entrou para o Ministério, Mably integrou seu gabinete. Entre seus trabalhos dessa época estão a redação do projeto do tratado que Voltaire entregou a Frederico II da Prússia e a preparação das negociações do Tratado de Breda. Quando o cardeal rompeu um casamento entre um católico e uma protestante, Mably protestou e apartou-se dele. Dessa época em diante, permaneceu afastado das ocupações públicas, dedicando-se, até sua morte, apenas aos estudos.

Diferentemente de outros filósofos da época das luzes, Mably não foi um otimista. Por suas obras, é considerado um dos mais importantes inspiradores da legislação revolucionária de 1789. Era hostil à propriedade privada dos meios de produção e, por isso, pode-se considerá-lo como um precursor do socialismo. Contestando o poder real, desejava, entre outras coisas, que o controle das finanças e do Exército fosse retirado do poder real e entregue a uma assembléia única, mas não eleita por meio do sufrágio universal.

Entre seus escritos, destacam-se:

  • Parallèle des Romains et des François par rapport au gouvernement, Paralelo entre os romanos e os franceses com relação ao governo (1740);
  • Observations sur l’histoire de France, Observações sobre a história da França (1765);
  • De la manière d’écrire l’histoire, A maneira de escrever a história (1783);
  • Des droits et des devoirs du citoyen, Direitos e deveres do cidadão (1789).