Gabriel Pereira de Castro

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Gabriel Pereira de Castro
Nascimento 7 de fevereiro de 1571
Braga
Morte 18 de outubro de 1632 (61 anos)
Lisboa
Cidadania Portugal
Progenitores Pai:Francisco de Caldas Pereira y Castro
Ocupação magistrado, escritor, poeta

Gabriel Pereira de Castro (Braga, 7 de Fevereiro de 1571Lisboa, 18 de outubro de 1632 (61 anos)), foi um poeta e magistrado português.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Ordenado presbítero ainda em Braga, estudou Direito na Universidade de Coimbra, foi professor, desembargador da Relação do Porto (1606) e da Casa da Suplicação, corregedor do Crime e procurador-geral das Ordens Militares. Escreveu vários tratados de Direito, poesias em português, latim e espanhol, assim como o poema heróico em oitava rima e dez cantos Ulisseia ou Lisboa Edificada, em que conta a fundação de Lisboa pelo herói Ulisses, publicado pelo seu irmão, Luís Pereira de Castro, em 1636.

Em virtude de ter condenado um indivíduo, acusado de ter profanado o Sacrário da Igreja de Santa Engrácia, e que mais tarde se veio a provar estar inocente, acabou os seus dois últimos anos de vida mentalmente perturbado.

Lope de Vega dedicou um soneto a Gabriel Pereira de Castro.

Obra[editar | editar código-fonte]

  • Decisiones Supremi, Eminentissimeque Senatus Portugalliae. Lisboa, 1621.
  • De manu regia tractatus in quo omnium Legum Regiarum quibus, Regi Portugalliae in causis ecclesiasticis cogniti est ex iure (2 tomos). Lisboa, Pedro Craesbeeck, 1622-1625.
  • Ulisseia ou Lisboa Edificada. Lisboa, 1636.
  • Monomachia sobre as Concórdias dos Reys deste Reyno, Lisboa, José Francisco Mendes, 1638.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]