Gaio-Rosário

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Portugal Gaio-Rosário 
  Freguesia portuguesa extinta  
Gaio-Rosário-Praia.jpg
Brasão de armas de Gaio-Rosário
Brasão de armas
Gaio-Rosário está localizado em: Portugal Continental
Gaio-Rosário
Localização de Gaio-Rosário em Portugal Continental
Coordenadas 38° 40' 19" N 9° 0' 19" O
Concelho primitivo Moita
Concelho (s) atual (is) Moita
Freguesia (s) atual (is) Gaio-Rosário e Sarilhos Pequenos
Fundação 31 de Dezembro de 1984
Extinção 2013
Área
 - Total 10,33 km²

Gaio-Rosário foi uma freguesia portuguesa do concelho da Moita, com 10,33 km² de área e 1 227 habitantes (2011). Densidade: 118,8 hab/km². Teve o estatuto de freguesia entre 31 de Dezembro de 1984 e 2013. A antiga freguesia é constituída como o próprio nome indica pelas localidades de Gaio e Rosário.

Foi uma freguesia extinta (agregada), em 2013, no âmbito de uma reforma administrativa nacional, tendo sido agregada à freguesia de Sarilhos Pequenos, para formar uma nova freguesia denominada União das Freguesias de Gaio-Rosário e Sarilhos Pequenos.[1]

População da freguesia de Gaio-Rosário [2]
1864 1878 1890 1900 1911 1920 1930 1940 1950 1960 1970 1981 1991 2001 2011
876 987 1 227
Distribuição da População por Grupos Etários
Ano 0-14 Anos 15-24 Anos 25-64 Anos > 65 Anos 0-14 Anos 15-24 Anos 25-64 Anos > 65 Anos
2001 130 126 553 178 13,2% 12,8% 56,0% 18,0%
2011 215 119 686 207 17,5% 9,7% 55,9% 16,9%

Média do País no censo de 2001: 0/14 Anos-16,0%; 15/24 Anos-14,3%; 25/64 Anos-53,4%; 65 e mais Anos-16,4%

Média do País no censo de 2011: 0/14 Anos-14,9%; 15/24 Anos-10,9%; 25/64 Anos-55,2%; 65 e mais Anos-19,0%

Actividades Económicas[editar | editar código-fonte]

  • Agricultura, actividades portuárias, estaleiro naval, comércio e fabrico de velas para barcos, indústria de bacalhau

Património Cultural e Edificado[editar | editar código-fonte]

  • Igreja matriz, moinho de vento, ruínas de fornos de cal e vestígios arqueológicos

Outros locais de interesse turístico[editar | editar código-fonte]

  • Parque das Merendas, Parque das Canoas, Miradouro e praia fluvial

Festas e Romarias[editar | editar código-fonte]

  • Padroeira - Nossa Senhora do Rosário (Agosto)

Gastronomia[editar | editar código-fonte]

  • Caldeiradas à fragateiro

Artesanato[editar | editar código-fonte]

  • Miniaturas de barcos do Tejo

Colectividades[editar | editar código-fonte]

  • Marítimo Futebol Clube Rosarense, Beira Mar Futebol Clube Gaiense, Banda Musical do Rosário, Associação Equestre Moitense e Centro de Convívio de Reformados do Gaio-Rosário

Na antiga freguesia do Gaio-Rosário foi descoberto um povoado pré-histórico do Neolítico Antigo, com uma cronologia de seis mil anos. Depois desta época só no início do século XVI, com a noticia da existência de uma povoação de 10 moradores designados por Quinta de Martim Afonso, voltando a ter informações da freguesia. O núcleo populacional, no entanto, só no século XX viria a ter expressão significativa.

As principais actividades económicas das populações do Gaio e do Rosário foram, durante décadas, a apanha das famosas ostra do rio Tejo, mas também o transporte dos mais diversos produtos entre as duas margens ou ao longo do rio.

Da intensa actividade de outros tempos, a antiga freguesia conserva actualmente, o estaleiro naval e a fábrica de velas para barcos. O Estaleiro dedica-se hoje em dia, à reconstrução de antigas e tradicionais embarcações do rio Tejo, que transforma em embarcações de recreio. Nestas embarcações tradicionais podem apreciar-se as típicas pinturas tradicionais, de um delicioso estilo “naif”. Os principais temas pintados são letras e números coloridos, flores, sereias, santas, touradas e paisagens. Estas pinturas, típicas na área da Moita, embelezam, agora também os barcos tradicionais de concelhos como Vila Franca de Xira, Alcochete ou Lisboa.

O Gaio e o Rosário são duas pitorescas localidades plantadas à beira rio, que têm hoje grandes potencialidades em termos turísticos, sobretudo para desenvolver actividades ligadas ao rio. Está, por isso, a proceder-se à valorização de toda a zona ribeirinha, incluindo a bela praia fluvial, dotando-a de infra-estruturas de lazer e de acolhimento de visitantes.

Do jardim junto à praia desfruta-se uma vista panorâmica sobre o rio Tejo e a capital. No Verão pode-se também saborear a deliciosa caldeirada à fragateiro, típica desta zona ribeirinha. A praia é, anualmente, palco de um original acontecimento, as largadas de toiros. Situado junto ao rio fica o Parque das Canoas, perto do estaleiro, constituindo um bom exemplo de aproveitamento da zona ribeirinha.

Para além deste património natural a antiga freguesia do Gaio-Rosário possui um valioso e muito interessante património ligado ao rio, como estruturas arquitectónicas e embarcações tradicionais. Interessante, em termos de património arquitectónico, são as casas de cores garridas que se podem apreciar na povoação do Gaio e a capela, no Rosário, mandada construir em 1532, por Cosme Bernardes de Macedo, fidalgo da Casa Real e proprietário da Quinta de Martim Afonso, devota a São João Evangelista apresenta uma interessante porta manuelina. A antiga actividade fluvial está hoje viva na memória dos marítimos, homens que desde sempre viveram ligados aos barcos, e que constroem laboriosamente, as miniaturas das embarcações da sua memória.

Mas o interesse turístico da antiga freguesia tem ainda um outro valor acrescentado na característica animação da sua população, sobretudo na época do Verão, e que fazem da localidade um ponto de passagem obrigatória para quem pretende conhecer a margem sul do Tejo ou o concelho da Moita.

A vila foi cenário para uma série humorística da SIC, Camilo, o Presidente.

Património[editar | editar código-fonte]

  1. Diário da República, 1.ª Série, n.º 19, Lei n.º 11-A/2013 de 28 de janeiro (Reorganização administrativa do território das freguesias). Acedido a 2 de fevereiro de 2013.
  2. Instituto Nacional de Estatística (Recenseamentos Gerais da População) - https://www.ine.pt/xportal/xmain?xpid=INE&xpgid=ine_publicacoes