Gaivota

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Gaivota (desambiguação).
Como ler uma infocaixa de taxonomiaGaivotas
Larus occidentalis em Morro Bay, na Califórnia, nos Estados Unidos
Larus occidentalis em Morro Bay, na Califórnia, nos Estados Unidos
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Aves
Ordem: Charadriiformes
Família: Laridae
Géneros
Ver texto.

As gaivotas[1] são aves marinhas da família dos Larídeos e sub-ordem Lari. A maior parte das gaivotas pertence ao grande género Larus. São próximas das gaivinas e estão mais distantes das limícolas, airos e rabos-de-palha.

Nomes comuns[editar | editar código-fonte]

Além de «gaivota», dá ainda pelos seguintes nomes comuns: falcoeira[2] e galfoeira.[3]

Etimologia[editar | editar código-fonte]

O nome «gaivota» provém do étimo latino gavia[4] com sufixação em -ota,[5] para conferir sentido de diminutivo.[1]

O nome «galfoeira»[3] resulta de corruptela de «falcoeira»; ao passo que «falcoeira»[2] deriva de «falcão».

Características[editar | editar código-fonte]

Gaivota comum a planar na Praia de Nazaré, em Portugal

São, regra geral, aves médias, tipicamente cinzentas ou brancas, muitas vezes com marcas pretas na cabeça ou asas. Têm bicos fortes e compridos e patas com membranas.

A maioria das gaivotas, particularmente as espécies de Larus, fazem o ninho no solo e são omnívoras, e comem comida viva ou roubam alimento conforme surja a oportunidade.

Com excepção das gaivotas-tridáctilas, as gaivotas são espécies tipicamente costeiras ou de interior, e raramente se aventuram em mar alto. As espécies de maiores dimensões levam até quatro anos a atingirem a plumagem completa de adulto, mas as espécies menores normalmente apenas dois anos.

Portugal[editar | editar código-fonte]

A maior concentração de gaivotas encontra-se na região metropolitana do Porto.[6] Com efeito, de acordo com um estudo de 2021 do Censo Nacional da Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves, crê-se que a população de gaivotas na área metropolitana do Grande Porto ronde entre 1186 e 1626. Assere-se nesse estudo que a maioria se encontra instalada na cidade do Porto, sendo certo que Matosinhos e Gaia também manifestam considerável preponderância desta ave.[6]

Subsegue-lhe o distrito de Lisboa e depois deste o de Leira.[7]

Sendo que, em todo o caso, os distritos de Faro, Setúbal, Viana do Castelo e Coimbra também exibem números consideráveis.[7]

Géneros[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b Infopédia. «gaivota | Dicionário Infopédia da Língua Portuguesa». Infopédia - Porto Editora. Consultado em 11 de março de 2022 
  2. a b Infopédia. «falcoeira | Dicionário Infopédia da Língua Portuguesa». Infopédia - Porto Editora. Consultado em 11 de março de 2022 
  3. a b Infopédia. «galfoeira | Dicionário Infopédia da Língua Portuguesa». Infopédia - Porto Editora. Consultado em 11 de março de 2022 
  4. «gavia - WordSense Dictionary». www.wordsense.eu (em inglês). Consultado em 11 de março de 2022 
  5. Infopédia. «-ota | Dicionário Infopédia da Língua Portuguesa». Infopédia - Porto Editora. Consultado em 11 de março de 2022 
  6. a b Castro, Adriana (11 de Março de 2022). «Grande Porto é a região com mais gaivotas no país». www.jn.pt. Consultado em 11 de março de 2022 
  7. a b Sequeira, Inês (20 de Setembro de 2021). «Um terço das gaivotas-de-patas-amarelas já fazem ninho em vilas e cidades - Wilder». www.wilder.pt. Consultado em 11 de março de 2022 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Commons Imagens e media no Commons
Wikispecies Diretório no Wikispecies